Seguiremos o Chile?

Povo chileno continua nas ruas

As manifestações no Chile mostram como o crise do capitalismo é terminal, como a política neoliberal inevitavelmente nos leva a um combate de vida e morte.

Protestas_en_Chile_20191022

Protesto no Chile. Foto: Carlos Figueroa/Wiki Commons –

Redação do DCO

Os protestos em massa contra o governo de direita de Sebatián Piñera no Chile têm se mostrado bastante grandes e o governo já sabe que não as pode controlar.

Iniciaram na capital, Santiago, mas já se estendem por diversas cidades do país. Valparaíso é especialmente importante nesse momento porque, além de ser uma das mais povoadas, é a sede do Congresso Nacional.

O mau-hábito de tentar analisar essas manifestações, seja no Chile, no Equador, em Honduras, na Argentina ou onde mais estejam acontecendo como algo ‘espontâneo’, não ajuda a entender sua dimensão e possibilidade. O fato de não serem organizadas não significa que não se tornem. O fato de não haver, no momento, partidos políticos, sindicatos ou movimentos sociais específicos conduzindo os protestos, não quer dizer que não o façam ou que não possam se agregar, mas apenas indica uma falha na avaliação dos partidos, dos sindicatos e dos movimentos sociais, quanto ao momento político e suas potencialidades.

Apesar da violência com que o governo reagiu às primeiras mobilizações, o povo chileno continua nas ruas não aceitou as propostas do governo e seu pedido de desculpas pela truculência com que tratou os cidadãos, os manifestantes não hesitam em pedir a renúncia do presidente Piñera e dos ministros. Eles entenderam que não é o caso de fazer pedidos parciais, de mendigar migalhas, mas de mudanças radicais na política econômica, no sistema previdenciário, no sistema de saúde, na educação etc.

Ao exigirem, além da renuncia de Piñera, a formação de uma Assembléia Constituinte, os manifestantes mostram maturidade e clareza sobre o sentido do que vivem hoje no país, herança da época de Augusto Pinochet e de sua política econômica neoliberal.

Uma manifestação com cerca de 1,2 milhão de cidadãos na capital do país é um ponto de grande crise para o governo que no final da semana pediu a renuncia de seu ministério. Provavelmente o presidente Piñera não vai renunciar e deve tentar algum tipo de manobra para fingir ter cedido o que os manifestantes querem, enquanto consulta seus patrões imperialistas sobre os rumos a tomar.

Haverá fechamento, mais uma vez, do regime? Teria Sebastián Piñera condições e coragem para iniciar um novo período ditatorial no país? Os chilenos permitiriam isso mais uma vez?

Nada indica, por enquanto, que as manifestações cessem ou reduzam a ponto de o governo sentir-se seguro para nada fazer. Apesar de o toque de recolher ter se estendido por 10 dias, e da violência da polícia, o uso intensivo de gases e de tiros, de já se ter em conta a morte de mais de dezena de pessoas, centenas presas e, diz-se, de desaparecidos, a derrubada do governo ou um enfraquecimento vertiginoso está colocado na ordem do dia.

É preciso acompanhar o caso do Chile, pois ele é sintomático, ajuda a entender todo o restante do que acontece hoje na América Latina e outros lugares do planeta. A crise do capitalismo está aí.

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.