Caos

Portugal bate recordes diários de casos de COVID-19

Atendimentos de urgências lotados

20864595 0 0 3072 2048 1440x900 80 0 1 5ef7028d8fcdcb1477dcef8b2e64a611.jpg

“Está caótico”, diz médica – Reprodução

  • Sputnik Brasil -No dia anterior, o boletim da Direção-Geral de Saúde (DGS) apontava 17.172 novos casos, batendo o número máximo de 16.432 desde o início da pandemia, que havia sido atingido em 28 de janeiro, quando Portugal chegou a ser o país no mundo com o maior número de mortes por milhão de habitantes.

ministra da Saúde, Marta Temido, projeta que, na próxima semana, o país deve bater os 37 mil novos casos por dia. Já matemáticos estimam que se superem 60 mil infecções diárias até o fim de janeiro. Graças aos mais de 89% da população completamente vacinados, os últimos números de mortes (12) e internações (971) permanecem abaixo das linhas vermelhas e ainda não preocupam.

No entanto, como a variante Ômicron é mais transmissível, os recordes de novas infecções têm pressionado o Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Primeiramente, os cinco mil funcionários da linha telefônica SNS 24 não têm dado conta da altíssima demanda de portugueses a ligar para saber orientações médicas diante de sintomas e testes positivos.

Ministra da Saúde anuncia contratação de 750 funcionários

Muitas pessoas, sem conseguir telefonar para o número 808 24 24 24, têm procurado diretamente o serviço de emergência dos hospitais (denominado urgência em Portugal). Só na última segunda-feira (27), foram cerca de 72 mil ligações para o SNS 24.

Diante do cenário, a ministra da Saúde anunciou a contratação de 750 novos funcionários para janeiro em dois call centers, nas cidades de Coimbra e Beja. Entre os profissionais, estão enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos, médicos, dentistas e estudantes de medicina do sexto ano.

“Temos vários níveis de procura de prestadores de cuidados de saúde, na vacinação, nos hospitais, nas áreas dedicadas a doentes respiratórios, nos testes, na Linha SNS 24, nos rastreios e, portanto, os profissionais de saúde não cresceram exponencialmente à medida que está a crescer exponencialmente a necessidade dos serviços que prestam”, disse Marta Temido, citada pela Agência Lusa.

Não é o suficiente. Apesar de a maioria dos novos casos não apresentar gravidade, os milhares de doentes que chegam aos hospitais têm sobrecarregado os atendimentos emergenciais, muitas vezes, sem necessidade.

A médica gaúcha Nair Amaral, que trabalha na linha de frente de combate à COVID-19 em um hospital em Loures, na Área Metropolitana de Lisboa, relata esse cenário em entrevista à Sputnik Brasil.

“Tem sido caótico no meu hospital: muitos [casos] positivos, vacinados com todas as marcas, com uma, duas ou três doses, e também os não vacinados. Contágio rápido e fácil com Ômicron”, resume Nair Amaral.

A especialista explica que a lotação das urgências hospitalares se dá não apenas pela COVID-19, também de outras doenças crônicas (como câncer, diabetes e hipertensão), negligenciadas durante a pandemia, e de outras síndromes respiratórias, mais comuns no inverno. Segundo ela, o SNS já vivia em um limite tênue antes da pandemia e, agora, rompeu sua estrutura.

“A urgência geral já era uma coisa que vivia cheia antes da pandemia, no limite, que agora estourou. Na parte de urgência respiratória, agora se acrescentam os casos COVID-19, que são muitos, muitos. As pessoas vão lá com sintomas como tosse, febre, dor no corpo. A maior parte volta para casa, só que eles ocupam os poucos profissionais que temos”, justifica.

De acordo com a médica brasileira, a escassez de recursos humanos sofreu uma baixa de 30% a 40% em relação ao auge da pandemia, com a saída de médicos e enfermeiros.

Pós-graduada em gestão para profissionais da saúde no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) e com experiência de anos no setor no Brasil, Nair aponta que, diferentemente da indústria, do comércio e de outros serviços, a saúde sempre foi mais resistente às inovações em gestão.

“Por isso, tem essas crises crônicas. Essa má gestão de recursos humanos que se vê arrastando aí ao longo do tempo, isso não podia dar boa coisa. Somos sempre os mesmos, estamos exaustos, perdemos muitos colegas que foram trabalhar em outros lugares, cidades e países ou no setor privado. Juntou com o inverno, que é sempre cheio de doenças, então é a receita de um bolo ruim”, compara.

Médico denuncia que pessoas vão atrás de atestado: ‘Insuportável’

O médico baiano Marcelo Lustosa, que também trabalha na linha de frente de combate à COVID-19 de um hospital em Setúbal, confirma a superlotação dos serviços de emergência. Em entrevista à Sputnik Brasil, ele diz que muitas pessoas que têm apresentado diagnóstico positivo por meio de autotestes procuram os hospitais para confirmação médica.

“[Está] insuportável e condizente com o que a mídia portuguesa diz: só casos leves ou assintomáticos, à procura de teste oficial. Só [entre] os não vacinados que um ou outro aparecem mais doentes, ou então [entre] idosos”, detalha Lustosa.

Ele denuncia um problema ainda mais grave. Segundo o especialista brasileiro, algumas pessoas têm procurado os hospitais apenas para conseguir atestados médicos que as afastem do trabalho, sobrecarregando ainda mais o SNS desnecessariamente.

“Mentem que têm sintomas para poder fazer testes, pegar certificado e as baixas. É necessário atestado dado pelo SNS 24 ou médico da família. Mas precisa ter teste oficial, não vale autoteste”, diferencia.

Questionado pela Sputnik Brasil se esse comportamento pressiona o sistema público de saúde e se os médicos têm deixado de atender pacientes que realmente precisam, ele é incisivo.”Claro, né.

Se a unidade fica cheia, mistura quem precisa com quem não precisa. E estamos cansados. Já são dois anos nisso”, desabafa.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.