Países oprimidos

Putin se aproxima do Talibã e encurrala o imperialismo

Governo russo credencia diplomata do Talibã e cria uma ponte direta entre Cabul e Moscou, mais uma amostra da polarização internacional

admin-ajax (15) (1)

Lavrov junto à delegação afegã em Tunxi, na China – Reprodução: Ministério das Relações Exteriores da Rússia

Desde a grande vitória alcançada pelo Talibã em agosto do ano passado ao derrubar o governo afegão capacho e ao expulsar as tropas imperialistas do país, o Imperialismo tem feito de tudo para tentar sufocar o restaurado Emirado Islâmico do Afeganistão e o seu povo: atualmente 95% da população afegã vive em situação de insegurança alimentar e milhões de pessoas, dentre elas mulheres e crianças, estão próximas à morte por inanição. Na época, os russos e os chineses já haviam se manifestado em prol do reconhecimento do Talibã como governo legítimo desde que algumas condições fossem cumpridas, a mais importante delas sendo o combate ao jihadismo na região.

É importante lembrar que o Afeganistão faz fronteira com a região de Xinjiang, um dos focos de desestabilização imperialista na China, e com as antigas repúblicas soviéticas do Turcomenistão, do Uzbequistão e do Tadjiquistão, que potencialmente serviriam de ponte para a entrada de terroristas islâmicos em território russo. Vale lembrar aqui o movimento separatista checheno impulsionado pelo Imperialismo no período posterior ao colapso soviético que rendeu duas guerras intensas na região e grande atividade terrorista no território da Federação Russa até meados de 2007. Vale lembrar também que muitos dos jihadistas chechenos financiados pelo imperialismo participaram da guerra na Síria que buscava derrubar o governo nacionalista de Bashar al-Assad e os indícios de que estes mesmos jihadistas tenham ido combater os russos na Ucrânia.

Com a tentativa do Imperialismo de cercar a Rússia devido à sua resposta dura, e correta, ao governo protofascista ucraniano em prol das Repúblicas Populares de Donetsk e de Lugansk e de garantir a sua própria segurança nacional, o governo de Putin tem sido impulsionado a assumir uma postura mais progressista no cenário geopolítico de se aproximar ainda mais dos países de capitalismo atrasado do mundo que opõem, em maior ou menor medida, a dominação imperialista mundial, dentre eles o Afeganistão, que como evidenciado no parágrafo anterior ocupa uma posição geográfica estratégica na Eurásia. Nesta semana, o chanceler russo, Sergei Lavrov, se encontrou com Amir Khan Muttaqi, atual Ministro das Relações Exteriores de Afeganistão, em Tunxi, na China, para discutir a questão do reconhecimento do Talibã como governo legítimo, além disso, informou-se a credenciação por parte dos russos de um diplomata afegão em Moscou.

Lavrov informou: “Estamos convencidos que a comunidade internacional deve cooperar ativamente com o novo governo do Afeganistão, encorajando-os para que os passos para o reconhecimento oficial por parte da ONU e do resto de seus membros sejam tomados.” O chanceler russo pontuou, algo que já havia sido pedido pelos chineses e pelos russos ano passado, que no governo do Afeganistão deveriam estar presentes representantes das outras etnias presentes no país, além dos Pashtuns, de minorias religiosas e de outras forças políticas. Apesar de toda a campanha feita pelo Imperialismo contra o Talibã de que seriam sectários e esmagariam as outras forças políticas do país, a expectativa dos russos é muito razoável: foi somente quando o Talibã se converteu em uma verdadeira força afegã, e não meramente Pashtun, que conseguiram dirigir uma grande insurreição popular para expulsar a presença norte-americana do país.

Assim como a derrota dramática do Imperialismo no Afeganistão, uma espécie de Saigon 2.0, mas dessa vez sem trunfo diplomático algum por parte dos EUA, a guerra na Ucrânia tem cumprido um papel profundamente progressista no mundo. Desde então temos visto uma postura mais assertiva dos Houthis no Iêmen na guerra genocida perpetrada pela Arábia Saudita no país que bombardearam refinarias sauditas; vimos também ataques dos Iranianos a agentes do Mossad no Iraque; Israel sofreu o maior ataque cibernético da sua história; um fortalecimento da posição da Venezuela contra o Imperialismo; as ações chinesas em Taiwan; etc. A reação dos oprimidos começou pelo mundo todo e países de capitalismo atrasado importantes têm se recusado a boicotar os russos, dentre eles os outros integrantes dos BRICS, o que tem acontecido, na verdade, é uma aproximação destes países com a Rússia.

A Federação Russa e a sua liderança acabam cumprindo um papel de vanguarda nos agrupamentos dos países de capitalismo atrasado contra o Imperialismo devido ao seu grande poderio militar e à sua posição enérgica, dadas as ameaças da OTAN à sua existência em si. As operações militares russas na Ucrânia são mais um dos eventos marcantes do começo de uma nova onda revolucionária pelo mundo, independentemente do caráter do governo russo, os de cima já não conseguem mais dominar como antes.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.