Crise do imperialismo

Macron perde maioria absoluta legislativa; extrema-direita avança

Eleições para o legislativo do país foram marcada por um índice altíssimo de abstenções, bem como um domínio por parte da extrema-direita de Le Pen

AWXGKFXDTZAI7E2V5KJZ53O2OE

Derrota gigantesca de Macron e avanço da extrema-direita expuseram a completa crise do imperialismo, que está se mostrando totalmente incapaz de controlar a situação à nível internacional – Foto: Reprodução

As eleições para o legislativo francês expuseram a crise pela qual passa o imperialismo: o partido do principal representante da burguesia, o partido do presidente Emmanuel Macron, perdeu a maioria que tinha no parlamento. Dos 577 deputados do parlamento francês, a coalizão presidencial, chamada de Juntos!, não conseguiu os 289 deputados necessários para formar maioria.

Enquanto isso, o NUPES – que é a coalizão de esquerda da qual o Mélenchon faz parte – teve entre 150 e 200 deputados; e a extrema-direita teve o crescimento percentual mais elevado, alcançando 89 assentos: antes destas eleições legislativas, o Reunião Nacional não tinha alcançado sequer 15 deputados, que é o número mínimo necessário para formar um grupo parlamentar.

Com as eleições legislativas, o partido que representa mais fundamentalmente o imperialismo se enfraqueceu e deu lugar a uma gigantesca escalada da extrema-direita, fenômeno que indica que o imperialismo já não consegue mais controlar a situação. A esquerda se mostrou incapaz de captar o descontentamento popular contra o governo Macron, que afluiu para a extrema-direita.

O descontentamento com o regime político de conjunto e, portanto, com a esquerda que se identifica com ele, foi demonstrado também pelo alto índice de abstenções, de modo que, no primeiro turno das eleições legislativas, obteve-se mais de 50% de pessoas que não foram votar.

O fato de o Nova União Popular, Ecológica e Social (NUPES) não estar captando a indignação popular e estar, efetivamente, jogando a classe operária nos braços da extrema-direita, revela o completo fracasso da política de frente ampla e quais são os resultados quando a esquerda decide se tornar porta-voz do regime político decrépito e odiado pelo povo.

A derrota de Macron nas eleições legislativas, bem como a quase derrota nas eleições presidenciais para a fascista Marine Le Pen – e ele só não perdeu por conta do “voto útil” de muitos setores da esquerda, que se colocaram à reboque do imperialismo sob a justificativa de “combater o fascismo” – também indicam a falência da política neoliberal.

A frente ampla com os setores inimigos do povo serve apenas para, aos olhos da classe operária, identificar a esquerda com o regime político, com suas instituições e com a direita imperialista. Tudo isso compõe o cenário perfeito para o crescimento da extrema-direita, que se torna o verdadeiro para-raios da indignação do povo, que é cada vez mais crescente.

A esquerda deve se apoiar na mobilização da classe operária contra o regime político e contra toda a direita, ao invés de levar à frente esta política falida da frente ampla, que consiste em se aliar aos inimigos do povo com a suposta justificativa de combater o fascismo. O apoio à direita neoliberal não representa uma derrota do fascismo, mas sim uma capitulação ao imperialismo e, na prática, significa rifar as lutas dos oprimidos em favor de cargos e interesses pessoais e pequeno-burgueses.

No fim das contas, quando a esquerda se alia aos seus inimigos de classe, o que ela está fazendo é fortalecer a extrema-direita, ao contribuir para, erroneamente, formar na consciência das massas a ideia de que seria o fascismo a única corrente política verdadeiramente antidemocrática.

A esquerda deve ser a corrente política que guiará a classe operária para derrotar toda a direita, não só o fascismo, como também a direita tradicional. A classe operária deve, através de sua própria mobilização, unir-se não com seus inimigos de classe, mas consigo mesma, com a classe operária de todos os outros países, e, na unidade, atuar contra o sistema capitalista, contra a direita, contra a OTAN e contra o imperialismo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.