Tensão no Equador

Governo equatoriano joga exército contra manifestantes

Crescem os enfrentamentos no Equador, o país vem sofrendo pressão do neoliberalismo e população reage.

Protesto no Equador

Protesto do povo equatoriano contra o governo direitista de Lasso. – Foto: Reprodução

Com o aumento da crise social promovida pelas políticas econômicas neoliberais, as quais só trazem arrocho, desemprego, violência e fome para os povos, manifestantes indígenas do Equador entraram em confronto com as forças de segurança de Quito, a capital equatoriana.

Nessa terça-feira (21), as Forças Armadas do país afirmaram que não permitirão protestos que atentem contra a “democracia” no Equador. Na segunda-feira (20), milhares de indígenas protestaram em passeata contra as políticas do presidente Guillerme Lasso, que vem criando obstáculos para atender os dez pedidos feitos pelos povos indígenas. Aumento do orçamento para saúde e educação, redução dos preços dos combustíveis, limite da expansão petrolífera e ampliação do prazo para pagamento de dívidas estão na relação dos pedidos.

Na passeata, alguns manifestantes jogaram paus nos policiais e entraram em confronto com eles, que os atacaram com gás lacrimogêneo e munições não letais. Em comunicado à imprensa, o ministro da Defesa, Luís Lara, implicitamente prometeu intensificar ainda mais a violência contra os justos protestos do povo. “As Forças Armadas não permitirão que se tente romper a ordem constitucional ou qualquer ação contra a democracia e as leis da República. Convocamos os equatorianos à unidade nacional”, disse Lara.

Não existe unidade nacional em torno da política econômica imperialista. Existe, sim, uma polarização que os governos e seus meios de comunicação hegemônicos querem esconder e faltar com a verdade, mentir.  O povo está sendo sufocado. Esses enfrentamentos são frutos da política de morte imposta pelo imperialismo sobre os países da América Latina, que tem como propagadores os governos direitistas da região.

Mas a população equatoriana, como outras que certamene farão o mesmo, começa a se insurgir, se organizar e partirá para o ataque, pois não tem mais condições de arcar com o parasitismo dos banqueiros e do capital financeiro internacional, que esfola economicamente através de juros extorsivos os países mais pobres. Além desse arrocho e aumento da inflação, os capitalistas estão roubando o patrimônio nacional por meio das criminosas operações de privatização.

É preciso apoiar todas as lutas dos povos oprimidos contra o imperialismo e seus capachos, como esse Guillermo Lasso. Para assegurar a libertação da classe operária, é fundamental pôr abaixo essa política neoliberal de desemprego, fome e morte.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.