Façam sua lição de casa

Global Times critica EUA em como lidar com seus problemas

O artigo publicado no Global Times tenta analisar o estado da crise que o país norte-americano está atravessando nos dias de hoje

calabiden

Presidente dos EUA Joe Biden – Reprodução

O dia 4 de julho foi marcado pelas celebrações do Dia da Independência dos Estados Unidos, data em que as Treze Colônias declararam sua separação do Império Britânico e, desde então, considerada o dia nacional no país.

Mesmo assim, nas vésperas do feriado, a mídia norte-americana estava cheia de notícias bastante controversas, tais como a morte do motorista negro Jayland Walker, baleado pela polícia por pelo menos 60 vezes, e o caso de uma vítima do estupro de dez anos, que teve que viajar de Ohio para Indiana para fazer um aborto.

O autor do artigo salienta que as histórias reveladas pela mídia “não devem existir em uma sociedade civilizada e desenvolvida”, mas ainda existem, assinalando a crise que a sociedade americana está enfrentando hoje em dia.

O autor do artigo lembra o discurso do presidente norte-americano pronunciado há um ano, em que Joe Biden falou da “confiança”, dizendo a América estava “se reunindo de novo”. Contudo, passado um ano, indica a publicação, o que vemos hoje é uma América mais dividida, confundida e caótica.

“Os problemas profundos acumulados nos EUA por muito tempo chegaram a um ponto em que explodiram de forma massiva. Problemas como tiroteios, polarização política, a grande diferença entre ricos e pobres, conflitos raciais, políticas partidárias e direitos da mulher se tornaram mais alarmantes em meio à pandemia de COVID-19 e à grave inflação”, especifica a publicação.

Entre os aspetos que mais agravam a situação já bastante tensa na sociedade americana o autor enumera as últimas decisões da Suprema Corte norte-americana, que, segundo o Global Times, “abriram ainda mais as feridas sociais da violência armada e dos direitos da mulher ao aborto”, que são geralmente consideradas graves violações da liberdade e da democracia e um retrocesso dos direitos humanos e da civilização.

“Do lado de fora, os Estados Unidos agora parecem um gigante com falta de equilíbrio, que se pode desequilibrar em qualquer momento.”

Outra questão que contribui ainda mais para a crise interna são as tentativas das autoridades norte-americanas de recuperar sua própria imagem de liderança. As recentes campanhas diplomáticas dos EUA, salienta o artigo, se estenderam por mais de 10.000 quilómetros desde a cúpula das Américas em Los Angeles até a cúpula do G7 na Alemanha e à cúpula da OTAN em Madri, Espanha.

“Embora o governo norte-americano esteja tentando seu melhor para demonstrar sua liderança no mundo, a principal questão para o mundo todo é se os EUA ainda possuem capacidade de se liderar a si mesmos.”

O autor da publicação supõe que, para compensar as falhas internas nos últimos anos, a presidência norte-americana tem buscado transferir os riscos e conflitos para o estrangeiro, efetuando ataques contra outros países, incluindo a China, vendo isso como um “truque de magia” para “encobrir problemas internos” e “inspirar a lealdade social”.

“Nos EUA, criticar a China se tornou ‘politicamente correto’, isso se tornou uma necessidade estratégica dos Estados Unidos. Mas foi provado inúmeras vezes que os EUA não podem ‘transferir’ seus próprios problemas. O que tem sido transferido é a energia limitada do círculo de tomada de decisões, que deveria ter se concentrado na solução de problemas internos dos Estados Unidos”, diz o artigo.

Para concluir, o autor enfatiza que, para pôr fim às políticas destrutivas de intervenção dos EUA nos assuntos internos dos países por todo o mundo, os americanos devem começar a lidar com seus próprios assuntos antes de mais nada.

“Neste Dia da Independência [dos Estados Unidos], aconselhamos sinceramente que os EUA lidem com seus próprios assuntos primeiramente e se importem menos com os assuntos dos outros. Neste caso, será melhor para os EUA e para todos.”

O status e a influência dos Estados Unidos na arena internacional dependem das capacidades de governação doméstica, conclui a publicação. Uma má governação em casa, salienta-se, não é convincente para os norte-americanos e preocupa os seus aliados.

“Seria melhor se Washington usasse sua implacabilidade na contenção da China para lidar com os problemas internos. É também o ponto em que deve centrar seus esforços na política ‘A América primeiro’.”

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.