• Capa
  • Europa
  • O que está acontecendo dentro e ao redor da Ucrânia  

Oficial

O que está acontecendo dentro e ao redor da Ucrânia  

Foi postado em 14 de março de 2022

partido comunista russo (1)

Partido Comunista da Federação Russa – Reprodução

─ Partido Comunista da Federação Russa, Viatcheslav Tetekin Há uma guerra na Ucrânia. Externamente, parece um conflito armado entre a Rússia e a Ucrânia. Todas as forças políticas, incluindo a esquerda, falaram sobre esses eventos. A gama de avaliações: de humanístico-emocional (“as pessoas estão morrendo, pare a guerra”) a puramente de classe (“O Ocidente está empurrando dois regimes oligárquicos”). Na verdade, esse conflito tem raízes profundas. Ao analisar a situação, devemos levar em conta tanto o conteúdo nacional da luta de classes quanto o conteúdo de classe da luta nacional.

O que é a Ucrânia? O território da atual Ucrânia, até meados do século XVII, era um espaço pouco povoado, contestado pelos países vizinhos. No início do século 20, as terras da atual Ucrânia foram divididas entre a Polônia, Império Austro-Hungaro e Rússia. Após a revolução de 1917 na Rússia, algumas dessas terras declararam temporariamente a independência. No entanto, em 1922, elas se juntaram à URSS como a República Socialista Soviética da Ucrânia. Assim, a Ucrânia ganhou a condição de Estado, embora limitada.

Artigos Relacionados

A Ucrânia era um país agrícola. Para garantir seu desenvolvimento, em 1918, por sugestão de Vladimir Lenin, seis regiões industriais russas, incluindo Donetsk e Lugansk, que nunca fizeram parte da Ucrânia, foram transferidas para a Ucrânia. Em 1939, a Galiza (Ucrânia Ocidental) foi anexada à Ucrânia, depois de anteriormente fazer parte da Polônia. O atual território da Ucrânia é o resultado de sua entrada na URSS. É composto por peças díspares: da Galiza (Lviv), com forte influência do catolicismo, ao leste da Ucrânia, que gravita fortemente em torno da Rússia.

A Ucrânia socialista desenvolveu-se poderosamente. A construção de aeronaves e foguetes, petroquímica, indústria de energia elétrica (quatro usinas nucleares) e indústrias de defesa foram adicionadas à extração de metal e carvão. Como parte da URSS, a Ucrânia recebeu não apenas a maior parte de seu território atual, mas também o potencial econômico que a tornou a 10ª maior economia da Europa. Os políticos ucranianos eram dominantes na liderança soviética. Nikita Khruschev, Leonid Brezhnev e Konstantin Tchernenko dirigiram a URSS de 1953 a 1983.

Após o colapso da URSS em dezembro de 1991, a Ucrânia tornou-se um estado independente pela primeira vez em sua história. Mas isso destruiu a integração econômica secular com a Rússia. O modelo de “mercado” levou à desindustrialização da Ucrânia e a uma queda acentuada no padrão de vida da população. Com base na privatização predatória, surgiu uma classe oligárquica.

Agora é o país mais pobre da Europa. O nível de corrupção e a diferenciação social são os mais altos do mundo. A indústria manufatureira, com exceção da metalurgia, está praticamente destruída. A economia depende de empréstimos ocidentais e transferências de dinheiro de trabalhadores migrantes que partiram para a Europa e a Rússia em busca de trabalho (cerca de 10 milhões de seus 45 milhões de habitantes), e que são em sua maikoria especialistas qualificados. A degradação do capital humano chegou ao seu limite. O país está à beira de uma catástrofe nacional.

A população da Ucrânia está fortemente insatisfeita. No entanto, essa insatisfação com as autoridades pró-ocidentais é manipulada de tal forma que, a cada eleição, ainda mais forças pró-ocidentais vencem. Em fevereiro de 2014, um golpe de estado apoiado pelos EUA e pela OTAN foi realizado na Ucrânia. O Departamento de Estado dos EUA declarou publicamente que investiu US$ 5 bilhões em sua preparação.

Os neonazistas chegaram ao poder. Trata-se, em primeiro lugar, de pessoas da Ucrânia Ocidental (Galiza), que durante séculos esteve sob o domínio da Polônia e do Império  Austro-Hungaro. Sentimentos extremamente nacionalistas, antissemitas, anti-poloneses, russofóbicos e anticomunistas são historicamente fortes ali. Após a invasão da URSS por Hitler, as tropas alemãs foram recebidas na Ucrânia Ocidental com flores. As divisões SS formadas ali, lutaram contra o Exército Vermelho. Nacionalistas locais, liderados pelo admirador de Hitler, Stepan Bandera, começaram a exterminar a população judaica. Na Ucrânia, cerca de 1,5 milhão de judeus foram mortos – um quarto de todas as vítimas do Holocausto. Durante o “massacre de Volyn” em 1944, cerca de 100.000 poloneses foram brutalmente assassinados na Ucrânia Ocidental. As forças de Bandera destruíram os guerrilheiros soviéticos e queimaram vivos homens, mulheres e crianças em centenas de aldeias na Bielorrússia.

Após a guerra, de 1945 a 1953, rebeldes anticomunistas e anti-soviéticos apoiados pelos EUA e Reino Unido na Ucrânia Ocidental desencadearam o terror contra a população civil. Durante esses anos, as forças de Bandera mataram cerca de 50.000 civis. Essa é a natureza das forças – descendentes e seguidores de fascistas – que chegaram ao poder após o golpe de 2014. As tradições de terror antipolonês, antissemita e antirusso são muito fortes entre os neonazistas que agora realmente governam a Ucrânia. Quarenta e dois opositores do nazismo foram queimados vivos no prédio dos Sindicatos em Odessa em 2 de maio de 2014.

É uma aliança de neonazistas com o capital oligárquico. Banderas ou Azov (como os Sturmabteilung da SS) na Alemanha, servem como um destacamento de choque das grandes empresas. A única diferença é que os Banderas se abstêm do antissemitismo absoluto, tendo estabelecido uma unidade de classe com a oligarquia local. Os Banderas controlam rigidamente cada movimento do poder estatal, chantageando-os constantemente com a ameaça de um golpe. Por outro lado, a política da Ucrânia é determinada pela Embaixada dos EUA em Kiev.

A natureza do atual estado ucraniano é uma aliança do grande capital e da burocracia estatal, contando com elementos criminosos e fascistas sob o pleno controle político e financeiro dos Estados Unidos.

Desde 2014, a ideologia nazista foi implantada na Ucrânia. O Dia da Vitória sobre o fascismo – 9 de maio – foi cancelado. Os fascistas ucranianos – organizadores e participantes das atrocidades da guerra – são oficialmente reconhecidos como heróis nacionais. Todos os anos, marchas da tocha são realizadas em homenagem aos criminosos fascistas. Ruas e praças têm seus nomes. O Partido Comunista da Ucrânia opera na clandestinidade. A intimidação e o assassinato de políticos e jornalistas tornaram-se constantes. Monumentos a Lenin e tudo relacionado à memória da vida na URSS estão sendo destruídos.

Ao mesmo tempo, começou uma tentativa de assimilar à força a população russa da Ucrânia, com a supressão da língua russa. Assim como uma tentativa de introduzir o africâner em vez do inglês na África do Sul levou ao levante de Soweto em 1976, o mesmo aconteceu na Ucrânia. Uma tentativa de transferir a escolaridade do russo para o ucraniano deu origem a uma poderosa resistência nas regiões de Donetsk e Lugansk. As pessoas pegaram em armas. Em maio de 2014, foi realizado um referendo no qual 87% dos cidadãos votaram pela independência. Foi assim que surgiram as repúblicas populares de Donetsk (DPR) e Lugansk (LPR). Depois de várias tentativas frustradas de invadir o LPR-DPR, os nazistas de Kiev passaram ao terror.Durante oito anos de bombardeios por armas de grande calibre, mais de 13.000 civis, incluindo crianças, mulheres e idosos, foram mortos em LPR-DPR. Com completo silêncio da comunidade mundial.

Os comunistas da Rússia participam ativamente na defesa da LPR-DPR. Centenas de comunistas estão lutando contra os nazistas como parte das tropas das repúblicas populares. Dezenas de comunistas morreram nesta luta. Nesses oito anos, o Partido Comunista da Federação Russa (CPRF) enviou 93 comboios de ajuda humanitária a essas repúblicas, com um peso total de 13.000 toneladas, e recebeu milhares de crianças para tratamento na Rússia. Por todos esses anos, o PCRF, liderado por Gennady Zyuganov, exigiu da liderança da Rússia o reconhecimento da independência do Donbass.

Em março de 2015, por iniciativa da Rússia (com a participação da Alemanha e da França), foram concluídos os acordos de Minsk, que previam o status especial do LPR-DPR na Ucrânia. No entanto, a Ucrânia evitou sua implementação. Com o apoio dos Estados Unidos, Kiev estava se preparando para esmagar o LPR-DPR pela força das armas. Os EUA, o Reino Unido e outros membros da OTAN forneceram treinamento para o exército ucraniano. Eles construíram mais de 30 grandes instalações militares na Ucrânia, incluindo 15 laboratórios do Pentágono para o desenvolvimento de armas bacteriológicas (cólera, peste e outras doenças mortais). Também, a Ucrânia, com suas quatro usinas nucleares e enorme potencial técnico-científico, é capaz de construir uma bomba atômica. Esta intenção foi declarada publicamente. Havia o perigo de implantação de mísseis de cruzeiro dos EUA. A situação na Ucrânia ameaçava cada vez mais a segurança da Rússia.

Em dezembro de 2021, a Rússia propôs aos Estados Unidos falar sobre a não expansão da OTAN. Os EUA e a OTAN ignoraram a proposta. Em janeiro de 2022, a Rússia alertou que seria forçada a tomar medidas adicionais para proteger sua segurança. Ao mesmo tempo, soube-se que a Ucrânia havia concentrado 150.000 militares e batalhões nazistas em Donbass. Kiev, apoiada pelos EUA, estava se preparando para recuperar o controle sobre Donbass através da guerra em março deste ano.

Em 22 de fevereiro, o presidente Putin anunciou o reconhecimento da independência da LPR-DPR. Em 25 de fevereiro começou uma operação das Forças Armadas Russas.

A Rússia não vai ocupar a Ucrânia. O objetivo da operação é a libertação da Ucrânia dos nazistas e sua neutralidade (não adesão à OTAN). A tática das tropas russas é, ao atacar instalações militares, minimizar as baixas entre a população civil e os militares ucranianos e evitar a destruição da infraestrutura civil. São pessoas fraternas. Continuaremos a viver juntos. No entanto, os nazistas de Bandera usam as táticas mais repugnantes dos fascistas alemães, usando civis e suas casas como escudos humanos. Eles instalam artilharia e tanques em áreas residenciais e proíbem os cidadãos de deixar as zonas de guerra, transformando centenas de milhares de pessoas em reféns.

Essa nefasta tática nazista não é condenada no Ocidente. São os Estados Unidos, travando uma guerra de informação através da imprensa controlada por eles, (somente o Russia Today resiste), que está interessada na guerra. Os Estados Unidos atacam não apenas a Rússia, mas também a Europa. A guerra da OTAN contra a Iugoslávia em 1999 foi um meio de desestabilizar a União Européia. Hoje, o principal objetivo dos EUA é impedir o fornecimento de gás russo através do gasoduto Nord Stream-2, forçando a Europa a comprar gás liquefeito mais caro dos Estados Unidos, enfraquecendo fortemente a Alemanha e outros países da UE. O volume de comércio entre a Rússia e a UE é de US$ 260 bilhões por ano. O comércio da Rússia com os EUA é de apenas US$ 23 bilhões – 10 vezes menos. Portanto, as sanções impostas a pedido dos Estados Unidos atingiram, em primeiro lugar, a Europa.Os eventos na Ucrânia são mais uma guerra americana pelo controle do mundo.

A propósito, as alegações sobre a natureza global do boicote à Rússia são falsas. Os países BRICS (Brasil, Índia, China e África do Sul), que constituem 43% da população mundial, não apoiaram as sanções. A China é a primeira e a Índia a terceira maior economia do mundo. As sanções não foram apoiadas pela Ásia (excluindo o Japão e a Coreia do Sul, com suas bases militares americanas), pelo Oriente Médio ou pelos maiores países da América Latina – ou seja, pela maioria do mundo.

Há 30 anos sou um dos críticos mais ativos da política interna e externa da elite russa. Em seu caráter de classe, o poder oligárquico-burocrático na Rússia não é muito diferente do poder na Ucrânia (exceto sem fascismo e controle total dos EUA). No entanto, naqueles casos infelizmente raros em que os líderes da Rússia seguem uma linha que atende aos interesses históricos do país e do povo, o princípio da crítica “automática” dificilmente é apropriado.

Há muito defendo que as sanções terão um efeito benéfico na eliminação da dependência imposta pela Rússia ao Ocidente em várias áreas da vida. O governo russo já está dando os primeiros passos nessa direção. A tarefa das forças de esquerda é encorajar vigorosamente as autoridades a mudar não apenas a política externa, mas também o rumo socioeconômico, que não corresponde aos interesses do povo.

Viatcheslav Tetekin é Membro do Comitê Central do Partido Comunista da Federação Russa, Ex-Parlamentar da Duma Estatal Russa (2011-2016)

A seguinte declaração pode ser encontrada no site do Partido Comunista da Federação Russa em tinyurl.com/3mdkth7t 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.