• Capa
  • Europa
  • O ocidente aceita refugiados ucranianos como família

"Minha cama é sua cama"

O ocidente aceita refugiados ucranianos como família

Ocidentais apoiam ucranianos apenas quando lutam contra os russos ou servem como escudos humanos para os nazistas

refugiados na polonia

Fronteira polaco-ucraniana – Reprodução

─ RIA Novosti, Vladmir Kornilov, tradução do DCO ─

Os refugiados ucranianos estão se tornando um grande problema para muitos países. Na semana passada, seu número ultrapassou a marca simbólica de cinco milhões de pessoas. Apesar da desaceleração, o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados agora prevê que o número total de cidadãos ucranianos que deixarão sua terra natal será de 8,3 milhões. Talvez este ainda seja um cenário otimista.

Artigos Relacionados

Para muitos estados, um afluxo tão incrível de refugiados tornou-se um fardo insuportável, alguns reclamam que não apenas atingiram o limite das possibilidades, mas também as ultrapassaram. Isto é especialmente verdade na Polônia, na capital da qual os ucranianos já aumentaram a população em quase 20%. É muito curioso que aquelas potências que dão a maior contribuição para instigar a guerra e, acima de tudo, exigem “lutar até o último ucraniano” se esforcem para impedir que cidadãos da Ucrânia entrem em seu território ou para limitar sua entrada ao limite. Em primeiro lugar, estamos a falar dos EUA e do Reino Unido.

Por exemplo, Londres resistiu à admissão de refugiados ucranianos por muito tempo e depois foi forçada a aprovar o esquema “Casa para a Ucrânia”, que previa a presença de patrocinadores que estavam prontos para receber convidados em troca de 350 libras do governo subvenção. No entanto, no outro dia, o jornal The Observer, depois de conversar com os envolvidos na implementação deste esquema, revelou que o governo está deliberadamente fazendo tudo para atrapalhar e conter o número de ucranianos que chegam.

O esquema padrão de trabalho dos serviços de migração britânicos agora é assim: vistos de entrada são emitidos para toda a família de ucranianos, com exceção de um dos filhos, o que fecha a oportunidade para a família entrar em Albion. Uma fonte disse ao jornal: “Isso permite que o governo diga que emitimos muitos vistos. No entanto, recusar um cria uma garantia de que os ucranianos não virão”. Em apoio ao The Observer citou vários exemplos que comprovam a existência desta prática deliberada.

De uma forma tão simples, Londres relata sua preocupação com o destino dos ucranianos, mostrando: veja, mais de 40.000 vistos foram emitidos para eles. Ao mesmo tempo, a fidelidade ao pacto de Boris Johnson “A Ucrânia deve lutar até a última gota de sangue” é mantida. Portanto, apenas 6.600 ucranianos chegaram à Grã-Bretanha no momento.

Mas restrições ainda mais sérias à entrada de refugiados da Ucrânia existem nos Estados Unidos, que estão tão ativamente jogando lenha no fogo de um conflito militar lá, mas eles mesmos não estão ansiosos para ver os ucranianos em casa. Apesar do fato de o presidente Joe Biden ter anunciado inicialmente sua prontidão para aceitar até 100.000 refugiados, até meados de abril, os Estados Unidos permaneceram o antilíder absoluto nesse assunto, aceitando apenas 12 pessoas. Não é um erro de digitação, são 12! Não milhares, não milhões, mas 12 (doze) pessoas! E isso apesar do fato de uma cidade de tendas com refugiados ucranianos que acreditavam que Biden já ter aparecido na fronteira entre o México e os Estados Unidos. Descobriu-se que o presidente dos EUA está muito mais feliz com os ucranianos em território polonês do que sozinho.

E apenas na semana passada, percebendo que um número tão escasso de vistos para refugiados parece completamente ridículo no contexto de constantes garantias de amor pela Ucrânia, Biden anunciou solenemente que estava introduzindo um programa separado para a admissão de ucranianos. Acredite ou não, ela realmente copia o esquema britânico muito fraudulento que o The Observer tanto critica. Ou seja, para entrar nos Estados Unidos, um ucraniano também deve ter um patrocinador entre cidadãos americanos ou organizações não governamentais. Isso difere do esquema britânico apenas porque Washington nem se preocupou em alocar nem mesmo o dinheiro miserável que Londres promete para a admissão de refugiados como compensação de custos.

O novo programa de Biden começou apenas esta semana e, portanto, ainda é difícil avaliar como funcionará na prática. Apesar do apoio inédito na sociedade (78%) à ideia de aceitar refugiados ucranianos, até os jornais leais aos democratas expressam seu ceticismo em relação a esse programa e, aliás, indicam que apenas 67.000 ucranianos podem realmente se candidatar à participação nele , e não cem, como prometido pela Casa Branca. Sessenta e sete mil em comparação com os oito milhões de refugiados projetados é uma gota no balde. E certamente não corresponde à contribuição de Washington para alimentar o conflito ucraniano.

Além disso, já vemos como a ideia de “patrocínio” de refugiados ucranianos leva a escândalos e coloca estes últimos em situação de completa dependência, expondo-os ao risco de exploração e, de fato, escravidão sexual (e principalmente as mulheres vão ). Por exemplo, um repórter do britânico The Times recentemente conduziu um experimento ao se passar por um refugiado ucraniano em plataformas online para encontrar tais patrocinadores. E me deparei com ofertas de homens britânicos mais velhos para dividir sua cama em troca de moradia. Em dois dias, ela recebeu 75 ofertas de ajuda, 41 das quais eram de homens solteiros e continham alusões inequívocas aos serviços que a mulher ucraniana imaginária deveria fornecer em troca.

E este problema não se limita à Grã-Bretanha. Na Alemanha, até um vídeo satírico foi filmado em que um alemão idoso procura uma “jovem ucraniana esbelta” e, ao encontrá-la, diz alegremente: “Minha casa é sua casa, minha cama é sua cama”.

A mesma investigação do The Times descobriu que as ofertas para receber refugiados geralmente vêm de pessoas que cobiçam um subsídio do governo de £ 350 e são incapazes de apoiar os hóspedes. O que já cria muitos problemas e riscos para os ucranianos. Assim, uma certa Olga de 36 anos foi recentemente expulsa de uma casa “hospitaleira” em Brighton, acabando na rua. O país anfitrião não estimou quanto seus custos de água e aquecimento aumentariam quando um hóspede aparecesse (e nosso povo não representa o nível de economia na Europa). Como resultado, Olga foi obrigada a pagar 50 libras por semana para cobrir essas despesas , que ela não tinha.

A kievana Christina Sivolap, uma vez em Vancouver, Canadá, descobriu que tinha que passar por um exame médico regular. Acreditando ingenuamente que os procedimentos obrigatórios são gratuitos para os refugiados, ela recebeu uma conta de US$ 400, que não pode pagar. Mesmo na rica Suíça, os refugiados ucranianos descobrem que o país anfitrião não tem meios para sustentar os hóspedes. Eles acabam fazendo fila para instituições de caridade para alimentar seus filhos. E há muitas histórias tão tristes.

Os ucranianos que chegam à Europa e à América são confrontados com duras realidades quase imediatamente, percebendo de repente que os estados ocidentais os apoiam apenas quando lutam contra os russos ou servem como escudos humanos para os nazistas. Para a Rússia, os ucranianos são seu próprio povo, falando a mesma língua, entendendo nossos costumes, frequentando as mesmas igrejas, citando as mesmas obras literárias ou filmes clássicos soviéticos, cantando as mesmas músicas. Não é de surpreender que os refugiados da Ucrânia, e ainda mais das repúblicas agora independentes de Donbass, sejam recebidos aqui de uma maneira completamente diferente do que no Ocidente.

É ainda mais impressionante observar os gritos de propagandistas ocidentais de que a Rússia está supostamente “deportando à força milhares de ucranianos”. E isso, seguindo o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, é repetido por muitos meios de comunicação ocidentais, contando histórias de que pessoas infelizes são levadas para a Rússia quase sob ameaça de execuções. Alguns concordaramao fato de Moscou levar à força ucranianos para a Sibéria e além do Círculo Polar Ártico. Além disso, eles passam como uma “sensação” um programa estatal absolutamente voluntário para o retorno de compatriotas à Rússia, que está em operação desde 2006 e que até um milhão de pessoas, incluindo cidadãos da Ucrânia, usaram durante esse período. Imagine que trabalho colossal os jornalistas britânicos fizeram ao encontrar este programa nos recursos abertos do governo da Rússia e apresentá-lo como seu “exclusivo”.

É verdade que nesse coro de “sensações” exageradas sobre um período quase novo de “deportações de pessoas por Stalin” ocorrem graves fracassos. É apenas uma coisa quando eles escrevem sobre eles de Londres ou, na melhor das hipóteses, de Lvov. E é outra coisa quando repórteres ocidentais se comunicam diretamente com refugiados ucranianos na Rússia. Por exemplo, uma jornalista holandesa do jornal extremamente anti-russo NRC fez uma viagem especial a Muromtsevo, na região de Vladimir, onde conversou pessoalmente com os moradores do centro de recepção para cidadãos ucranianos. E, de repente, descobri que todos estão muito satisfeitos por terem acabado na Rússia, que são “pró-russos” e agradecem aos combatentes chechenos que os salvaram dos nazistas “Azov”.

Você pode imaginar o choque do público europeu com essas publicações depois de tudo o que eles ouviram sobre “atrocidades russas” e “deportações forçadas”. O jornal foi até obrigado a incluir uma explicação especial em seu artigo: “A visita do NRC ao centro de refugiados em Muromtsevo foi inesperada e não coordenada com ninguém, as pessoas falaram livremente e sem intimidação. A nosso pedido, eles compartilharam fotos e informações adicionais para apoiar a sua história.” Mas depois há o pós-escrito obrigatório: “Não está totalmente claro o quanto eles estão cientes dos eventos na Ucrânia depois de várias semanas sem a Internet e sob a influência da mídia estatal russa”.

Bem, sim, claro, os habitantes de Mariupol, que falam sobre as atrocidades de “Azov” e seu resgate pelos chechenos, estão muito menos cientes dos acontecimentos na Ucrânia do que os propagandistas anti-russos na Holanda, Grã-Bretanha ou os Estados Unidos. Caso contrário, não há como explicar ao leitor ocidental sua gratidão à Rússia. Como não explicar a diferença de atitude em relação aos refugiados ucranianos em nosso país, que os consideram nossos, e no Ocidente, onde eles querem apenas uma coisa – guerra com a Rússia até o último ucraniano.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.