• Capa
  • Europa
  • O imperialismo europeu está afundando (literalmente!)

Fortes chuvas

O imperialismo europeu está afundando (literalmente!)

Inundações colocam em xeque a capacidade do imperialismo de prover qualidade de vida e segurança à população

LRYGD3L6ZJFYBGLZHYTHKNOYIE (1)

Chuvas torrenciais e inundações afetam a Europa, e quem sofre é o povo – Foto: Le Parisien

Redação do DCO

(*) Por Tiago Carneiro, correspondente em Luxemburgo

Fortes chuvas assolaram a Europa Oeste, principalmente entre os dias 13 e 15 de Julho de 2021, resultando em fortes inundações nos territórios da França, Luxemburgo, Holanda, Bélgica e Alemanha. 

Artigos Relacionados

As chuvas já causaram, até o momento, cerca de 196 mortes e o número de desaparecidos, logo após o ocorrido, de acordo com a imprensa capitalista, chegava à casa do milhar (UOL Internacional, 16/07/2021). A maioria dos óbitos concentra-se na Alemanha, onde várias cidades foram destruídas, com cerca de 165 mortos, seguida da Bélgica, que reportou 31 mortos. Em Luxemburgo, onde a chuva não parou por dois dias, foram reportados apenas danos materiais. No total, cerca de 400 pessoas encontram-se alojadas em abrigos e 250 famílias estão sem eletricidade (Wort.lu, 19/07/2021). 

Durante a tempestade, em Luxemburgo, foram emitidos “alertas”, mas o serviço de meteorologia é acusado de incompetência por não “prever” que as precipitações pudessem acarretar em inundações. 

Também é válido dizer que o Sistema Europeu de Sensibilização para as Inundações (EFAS) chegou a emitir um alerta de “inundações extremas”, o mesmo vale para o  Deutscher Wetterdienst (DWD), o Serviço Meteorológico Federal Alemão. Entretanto, mesmo com os avisos, as autoridades das regiões atingidas, exceto em Liege, na Bélgica, não se esforçaram para evacuar os moradores. 

De acordo com Hannah Cloke, conselheira do EFAS, a tragédia foi maior porque os moradores das regiões atingidas não receberam os alertas emitidos pelo órgão (Wort.lu, 16/07/2021). Após o ocorrido, o governo alemão foi criticado por não ter avisado corretamente a população sobre a possibilidade de enchente ou realizado uma evacuação. O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, apenas “saiu pela tangente”, dizendo que essa medida cabe aos governos locais (G1, 19/07/2021). 

Apesar das autoridades dos países da Europa do Oeste tratarem as inundações como algo isolado, uma fatalidade, é importante dizer que essas inundações não são nenhuma novidade, acontecem todos os anos e são, de certa forma, esperadas. A diferença é que esse ano foi maior que as demais. Quem tiver dúvidas, basta buscar por  “crue de la seine xxxx” que será possível, independentemente do ano, encontrar imagens e notícias do rio Sena transbordando ou a ponto de transbordar. O mesmo vale para diversas regiões de Luxemburgo e da Europa do Oeste. Tomemos como exemplo o ano de 2020. É muito fácil encontrar imagens da periferia de Paris com grandes correntezas varrendo a cidade.

Essas inundações são tão costumeiras que em Paris ou na Cidade de Luxemburgo, na “cidade velha”, perto de seus respectivos rios, é possível ver placas que indicam o nível da água atingido na inundação do ano xxxx. Além disso, existem até verbetes na Wikipedia que falam das enchentes de anos anteriores, como, por exemplo, as inundações de 2013 “2013 European floods”. Ou, na França, os jornais e outros veículos de imprensa comparam a situação do ano corrente com a inundação de um determinado ano, ou inundações mais famosas, como a de 1910 (Crue de la Seine de 1910). Portanto, os danos poderiam ter sido minimizados se os governos agissem contra as enchentes. 

A irresponsabilidade com a qual os governantes dos países europeus lidam com as chuvas não é muito diferente, por exemplo, da Prefeitura de Fortaleza, que está ciente que irá chover no começo do ano, mas não toma as medidas cabíveis, deixando a cidade ser destruída pela chuva durante a quadra chuvosa. Mas, neste caso, não estamos falando de países pobres, mas dos representantes maiores do imperialismo europeu. Isso apenas mostra que, mesmo com recursos, não é prioridade desses governos, que servem aos banqueiros, investir no bem-estar e na segurança da população. 

Nesse cenário, após o ocorrido, não se encontra na imprensa capitalista declarações dos governantes sobre medidas para evitar que as enchentes ocorram com a mesma intensidade ano que vem, uma vez que, ano após ano, ocorrem ou ameaçam ocorrer. Os governantes simplesmente falam em “mudanças climáticas” e tudo fica por isso mesmo. Chega a ser estarrecedor que uma das “soluções” propostas por Carole Hartmann, deputada do Partido Democrata de Luxemburgo, seja, por exemplo, usar as sirenes da cidade para avisar em caso de uma nova inundação. Ela ainda reiterou: “Da próxima vez, você deve prestar atenção a isso […] Temos que nos posicionar melhor no futuro porque tais fenômenos também ocorrerão no futuro” (Luxemburger Wort, 21/07/2021).

Além disso, sabemos que o imperialismo sempre usa seu monopólio propagandístico para atacar seus desafetos. Durante as inundações que ocorreram na Rússia em 2019, mais especificamente no território de Krasnoyarsk, localizado na Sibéria, o jornal alemão Deutsche Welle apressou-se em divulgar uma caricatura criticando a postura do  governador da região enquanto falava com os locais. Maria Zakharova, representante oficial do Ministério de Relações Exteriores da Federação Russa, em suas redes sociais fez uma declaração nessa direção, lembrando o episódio ocorrido em 2019: “Aconselho a DW a dar uma olhada mais de perto na caricatura novamente, ela pode ser útil para demonstrar a comunicação de políticos alemães com cidadãos alemães após as enchentes na Alemanha”, declarou Zakharova. É como a famosa parábola do “argueiro (cisco) e da trave”, onde o hipócrita queria tirar o cisco do olho de uma outra pessoa, mas em seu olho tinha enterrada uma trave.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.