• Capa
  • Europa
  • Nadal critica a suspensão de Wimbledon aos russos

Covardia com atletas russos

Nadal critica a suspensão de Wimbledon aos russos

O espanhol também forneceu uma atualização sobre sua recuperação de lesão neste fim de semana

nadal (1)

O tenista Rafael Nadal – Reprodução

─ RT , Tradução DCO ─ O líder de todos os tempos em Grand Slams, Rafael Nadal, juntou-se ao rival de gerações Novak Djokovic para criticar a proibição de Wimbledon às estrelas do tênis russo. 

Embora os jogadores russos estejam atualmente autorizados a se apresentar nas turnês feminina e masculina da WTA e ATP sob status natural, os organizadores de Wimbledon, o All England Lawn Tennis Club (AELTC), anunciaram recentemente que nomes como Daniil Medvedev e Andrey Rublev não poderão competir em SW19 neste verão como uma resposta à operação militar em andamento na Ucrânia.

Artigos Relacionados

Antes de seu retorno às quadras de tênis no Masters de Madri após uma fratura por estresse na costela, no entanto, Nadal apelidou a ação de “muito injusta” com seus “companheiros russos” e colegas.

“Não é culpa deles o que está acontecendo neste momento”, disse Nadal  aos  repórteres.

Além disso, Nadal também não concorda com a possível remoção de pontos no ranking, o que poderia afetar a busca de Medvedev para recuperar o primeiro lugar do mundo de Djokovic.

“Os 2.000 pontos, sempre que vamos aos Grand Slams, eles são muito importantes e temos que ir a esses torneios. Então, teremos que ver as medidas que tomamos”,  disse Nadal.

Em outra parte da capital espanhola, enquanto assistia ao time favorito Real Madrid conquistar o 35º título da La Liga contra o Espanyol no sábado, onde foi o convidado de honra, Nadal também prometeu que está no caminho certo para jogar em seu torneio de maior sucesso, o Aberto da França, mais tarde neste mês.

O espanhol começou 2022 em excelente forma com seu triunfo no Aberto da Austrália sobre Medvedev na final, mas foi descartado em março após sofrer uma fratura por estresse em uma das costelas e dificuldades respiratórias ao cair para Taylor Fritz na última barreira em Indian Poços. 

Já de volta aos treinos, porém, e prestes a disputar o Masters, Nadal destacou que tem ” três semanas” até Roland Garros, no dia 22 de maio, onde é o recordista 13 vezes campeão da coroa atualmente possuída por Djokovic. 

“Por isso, confio que o treino diário me ajudará a ficar pronto”, continuou Nadal. “Aqui a demanda [em alta altitude em Madri] é máxima, mas o que pode ser feito, será feito.”

“O mais importante é estar saudável, mas acho que vou a Paris na hora certa. Três semanas são suficientes para ficar competitivo”,  afirmou Nadal.

Nos últimos dois meses, Nadal admitiu ter treinado “muito pouco” , pois sua costela tem sido  “muito incapacitante e também muito dolorosa” .

“Tive duas semanas muito ruins e depois foi muito, muito incapacitante. Não consegui fazer praticamente nada, mas é aqui, em casa, em Madri” , disse sobre o Masters, que já está em andamento.

No Aberto da França, porém, Nadal não é o único a enfrentar uma corrida contra o tempo para tentar se tornar o ‘Rei do Barro’.

Enquanto Medvedev também está de fora e voltou a treinar no início desta semana, o russo está de olho no Libema Open em 4 de junho, no início da temporada de grama, apesar de perder a chave principal em Wimbledon devido à proibição. 

O Aberto da França não terá tais proibições em vigor, com os russos autorizados a atuar sob status neutro. Mas o número dois do mundo já esperava ficar de fora por até dois meses depois de decidir se submeter a uma cirurgia para tratar uma pequena hérnia.

Quanto a Djokovic, seu progresso neste ano também foi atrofiado desde que um escândalo de visto e vacina o levou a ser deportado da Austrália e incapaz de defender sua coroa do Aberto da Austrália, que Nadal acabou levando para superá-lo em vitórias de todos os tempos em Grand Slams em 21.

O protocolo Covid foi suspenso na França, o que significa que Djokovic pode tentar recuperar a competição apesar de não estar vacinado, mas um segundo retorno difícil que recentemente o viu derrotado no Aberto da Sérvia por Andrey Rublev na final sugeriu que ‘Nole’ ainda está fora do ritmo .

Em recente entrevista coletiva, no entanto, Djokovic afirmou que Roland Garros  “é o objetivo final na temporada de saibro” .

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.