• Capa
  • Europa
  • Itália: o ataque ao CGIL e a luta dos trabalhadores por liberdade

Green Pass

Itália: o ataque ao CGIL e a luta dos trabalhadores por liberdade

Apesar de repudiarmos o ataque ao CGIL por parte dos fascistas, a esquerda precisa entender que o Green Pass e outras medidas restritivas são antipopulares e arbitrárias

italia cgil

Confronto com a polícia durante protesto contra o Green Pass – Foto: Reuters

O aumento da repressão estatal durante o período da pandemia foi significativo e as medidas restritivas instauradas não têm sido bem recebidas. Proibição de sair de seu próprio país, impedimento de frequentar espaços de lazer, obrigatoriedade da vacina sob diversas penas, mas, em contrapartida, os ambientes de trabalho não pararam de funcionar, as fábricas se tornaram um perigoso local de contaminação e os patrões continuam lucrando.

O recente ataque de fascistas ao principal sindicato da Itália, a Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL), é um sintoma dessa crise que se instaurou no país e acaba por apontar um caminho que até então não foi compreendido pela esquerda. Grupos de extrema-direita, como o Forza Nuova e o movimento antivacina, invadiram o sindicato durante um protesto contra o “Green Pass” (passaporte da vacina italiano), e destruíram tudo que encontravam pela frente. 

De acordo com a imprensa, o protesto teve cerca de 10 mil pessoas e seu objetivo inicial era invadir o escritório do primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, que estava fortemente protegido pela polícia. Tudo isso resultou em confrontos com a polícia de um lado e a destruição do sindicato do outro — 12 pessoas foram presas.

A Itália foi o primeiro país da União Europeia a adotar a obrigatoriedade do Green Pass, tendo o feito no dia 8 de outubro, enquanto os protestos aconteceram no dia seguinte. Além de impedir a entrada de pessoas em determinados locais, o passaporte também dá liberdade para que o empregador demita o trabalhador que não queira se vacinar. Os manifestantes acusaram o sindicato de traição por não se oporem abertamente ao Green Pass. Já o líder do sindicato, Maurizio Landini, pediu a proibição dos partidos fascistas na Itália.

Se por um lado o ataque ao sindicato é, de fato, um absurdo, por outro não devemos deixar de considerar que o Green Pass é sim uma medida restritiva e fascista que não deve ser apoiada. O continente europeu está explodindo com protestos contra essa medida e, ao contrário do que diz boa parte da imprensa, também contam com a participação da população e da esquerda.

Isso acaba se tornando um fator de confusão, dado que grupos de extrema-direita também acabaram se misturando no processo. Independentemente disso, é fato que o passaporte da vacina é uma medida fascista. A esquerda, ao não se posicionar claramente ou ao ir a favor da repressão, acaba cumprindo um papel nessa confusão, fazendo com que o movimento da direita seja cada vez mais propagandeado como “defensor da liberdade”, mesmo que seja apenas propaganda e, na realidade, sejam defensores do imperialismo.

Após estes acontecimentos, a CGIL organizou um protesto para o dia 16 de outubro pedindo a extinção dos partidos fascistas por ataques à democracia. Neste também estavam presentes o ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, e Giuseppe Conte, ex primeiro-ministro e integrante do direitista Movimento 5 Estrelas, que afirmou que a manifestação “é uma grande festa da democracia sem cor política”.

Outra questão a ser abordada é o pedido de proibição dos partidos fascistas por “ameaçarem a democracia”. Apesar de o pedido ter sido desencadeado pelos ataques à sede do sindicato, não há dúvidas que essa reivindicação já existia. No entanto, é importante ressaltar que pedir a proibição de uma organização por coisas abstratas como “não defender a democracia” é uma atitude perigosa e abre brechas para muitas manobras direitistas, como proibir um partido de esquerda por defender, por exemplo, a quebra de vidraças de bancos ou a insurreição popular contra a polícia.

O protesto realizado pela CGIL contra os fascistas foi uma atitude correta. Entretanto, levar essa reivindicação e colocar tal poder na mão do Estado burguês é entregar uma faca na mão do assassino e coloca em cheque toda e qualquer tentativa de revolta da população, inclusive na questão do Green Pass.

As medidas arbitrárias do Estado não devem ser apoiadas. O passaporte da vacina é algo arbitrário e a esquerda deve mobilizar o povo e se opor a essas ações, assim como deve demonstrar que os fascistas nada querem com a liberdade e que essa pauta pertence à esquerda.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.