• Capa
  • Europa
  • Gasto com gás: “Entre 1.500 e 2.000 euros extra para uma família”

Alemanha se planeja

Gasto com gás: “Entre 1.500 e 2.000 euros extra para uma família”

Segundo o responsável da Agência Federal de Redes Alemã, este é um cenário com "custos adicionais entre 1.500 e 2.000 euros para uma família média"

Klaus Müller, Vorstand des Verbraucherzentrale Bundesverbands (VZBV), spricht bei einem Interview.

Klaus Muller, chefe da Agência Federal de Redes do país europeu – Reprodução

─ RT , Tradução DCO ─ A indústria e a população alemãs devem entender a gravidade da crise energética que pode ser desencadeada na Alemanha no caso de uma possível interrupção do fornecimento de gás russo, disse Klaus Muller, chefe da Agência Federal de Redes do país europeu, na terça-feira. entrevista para o ZEIT.

Três objetivos para evitar uma crise

Conforme explica Muller, as primeiras etapas da estratégia desenvolvida pelo país para evitar uma crise energética consistem em comprar, economizar e estocar gás.

O responsável explicou que a Alemanha também adere a três parâmetros que podem aumentar a sua independência do gás russo: reduzir o consumo, acumular mais gasolina e encher os tanques até metade, tarefas que poderão ser concluídas dentro de cerca de quatro anos “a um custo razoável” . Alemanha, embora isso signifique um desvio na política de neutralidade carbônica.

“Ao mesmo tempo, precisamos de uma expansão acelerada da rede e das energias renováveis”, acrescentou Muller.

Segundo Muller, no momento não é uma catástrofe iminente, já que os depósitos de gás do país não estão completamente vazios. “Mesmo que – falo no subjuntivo! – amanhã não haja mais entregas de gás da Rússia, para as quais não há indicações, a Alemanha tem outras fontes”, disse ele. “Atualmente temos gás suficiente  até o final do verão ou início do outono “, acrescentou o diretor da Agência Federal de Redes.

Uma emergência de gás

No entanto, revelou que a Alemanha também se prepara para outra fase, uma “emergência do gás”, quando as quantidades armazenadas já não cobrem todas as necessidades do país.

“Depois teremos que emitir ordens de fechamento ”, disse o chefe do regulador alemão, especificando que as autoridades terão que avaliar “de acordo com as circunstâncias” quem será o primeiro a ser desconectado do sistema de gás. “Em caso de emergência, poderemos identificar as indústrias e empresas mais importantes, que certamente correspondem aos setores alimentício e farmacêutico, por exemplo”, explicou.

O funcionário especificou que os regulamentos europeus definem residências particulares, hospitais e usinas a gás responsáveis ​​pelo aquecimento urbano como clientes mais protegidos. Mesmo assim, reconheceu que “a proteção ilimitada dos consumidores privados é muito difícil” de garantir nas condições atuais, pelo que exortou a todos a poupar energia.

“Não se trata mais de ficar agradável e quente”

Questionado se ainda é aceitável ter um apartamento individual com ar condicionado ou até mesmo uma sauna, Muller disse que “em uma emergência de gás, não seria mais justificável”. “Não só as empresas, mas também a população não veem a situação atual com a devida seriedade”, lamentou. “Para muitas pessoas, o cenário ainda pode parecer muito abstrato. Mas é um cenário em que também estamos falando de custos adicionais entre 1.500 e 2.000 euros (entre 1.630 e 2.170 dólares) para uma família média, ou talvez até 2.500 euros ( $ 2.715)  ou mais”, disse ele.

“Não se trata mais de ficar agradável e quente. Porque não posso descartar que no próximo inverno teremos que ficar sem gás russo”, revelou Muller. “No entanto, espero que o quarto do bebê e das crianças no chão seja suficientemente aquecido ou [o quarto] onde alguém que precise de cuidados durma. Mas não sei se pode ser agradável e quente no resto do apartamento.” , disse.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.