• Capa
  • Europa
  • Franceses vão às ruas contra a vacinação obrigatória

"Passaporte sanitário"

Franceses vão às ruas contra a vacinação obrigatória

Macron quer tornar a vida social dos franceses não vacinados inviável, aprofundando uma crise que transforma o país central do imperialismo europeu em um barril de pólvora

French President Emmanuel Macron delivers a speech to set out plans for reforming the European Union at the Sorbonne in Paris, France, September 26, 2017.   REUTERS/Ludovic Marin/Pool

Estimado pelos banqueiros, presidente francês segue atacando duramente a população francesa – Foto: Ludovic Marin/Reuters

Redação do DCO

(*) Por Tiago Carneiro, correspondente em Luxemburgo

No dia 12 de junho, o presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, falou, em cadeia nacional, sobre os seguintes tópicos: obrigação da vacina para determinadas classes de trabalhadores, como os profissionais de saúde, sobre o chamado “passaporte sanitário” e sobre reformas no seguro desemprego. O ponto que mais causou polêmica foi, justamente, a vacina obrigatória, que contrasta com o que o presidente Francês declarou em dezembro de 2020, em suas redes sociais: “digo e repito: a vacina não será obrigatória. Somos o país do iluminismo e de Louis Pasteur”. Além disso, é importante dizer que uma grande parcela da população francesa não quer ser vacinada. Por exemplo, em março de 2021, 58% da população não queria se vacinar contra o Covid-19, de acordo com reportagem do Le Figaro publicada no dia 3 de março. Uma sondagem mais recente, apresentada pelo jornal Le Monde, no dia 21 de maio, já apresentava dados mais favoráveis à vacinação: 20% da população francesa não quer se vacinar.  

Artigos Relacionados

Voltando ao pronunciamento feito por Macron, de uma forma geral, a vacinação seria obrigatória para os que o presidente classificou de “pessoas em contato com ‘o público mais frágil”’, como os trabalhadores de hospitais e outros estabelecimentos médicos, asilos ou cuidadores. Ainda, de acordo com Macron, “essas pessoas terão até o dia 15 de Setembro para se vacinar. Após essa data haverá um controle e punições serão aplicadas aos que não estiverem vacinados”.  Ou seja, na prática, o trabalhador “que lida com um público frágil” ou se vacina, ou terá que escolher outro trabalho. Essa atitude arbitrária e ditatorial por parte do governo francês deixou muitos trabalhadores da saúde enfurecidos, alguns deles estão até considerando mudar de emprego, como mostra reportagem da Reuters publicada no dia 13 de Julho. 

À primeira vista, a obrigação da vacina seria apenas destinada aos que trabalham com o “público frágil”. Entretanto, a França também irá tornar mais restrita a circulação de pessoas que não se vacinaram, ou seja, não irá obrigar a vacinação, mas dificultará a vida dos não vacinados ao ponto de torná-la uma necessidade prática. Isso se dará através do endurecimento das regras do chamado “passaporte sanitário”. Esse documento não é um passaporte propriamente dito, mas a partir de 21 de julho, quem desejar participar de certos eventos e frequentar locais públicos com pelo menos 50 pessoas, por exemplo, precisará mostrar um teste de Covid-19 negativo realizado a menos de 48 horas, certificado de vacinação (apenas de vacinas do imperialismo), dentre outros documentos. Existe um aplicativo para smartphones que facilita esse processo, disponibilizando QR codes.

Na declaração do dia 12 de julho, Macron anunciou que no começo de agosto essas restrições se aplicarão a lugares do dia-a-dia, tais como bares, restaurantes, shopping centers e transporte público. Até aí, “tudo bem”, as pessoas não vacinadas podem realizar um teste de Covid gratuito para obter o “passaporte”, por mais que seja desagradável realizar um teste a cada 3 dias. Entretanto, os testes não requisitados por um médico deixarão de ser gratuitos ou reembolsáveis, fazendo com que os não vacinados tenham que realizar um exame pago cada vez que pretendam sair de casa. Assim, o governo francês “não obriga” a tomar vacina, mas tornará a vida em sociedade dos não vacinados praticamente inviável.

Aqui, é importante relembrar a desastrosa conduta do governo francês para “combater” a pandemia. A potência imperialista já amarga 111.500 mortos entre quase seis milhões de casos. Nos dois primeiros trimestres de 2020, o país não tinha testes ou qualquer tipo de equipamento de proteção individual para a população. Apenas em maio de 2020 as máscaras passaram a estar amplamente disponíveis para a compra. Os hospitais eram um caos e os profissionais de saúde estavam em uma situação deplorável. As “medidas” tomadas pelo governo francês foram sempre baseadas na repressão: toques de recolher, restrição à circulação para um raio de 1 km, papéis para sair de casa, policiais em motocicletas pedindo documentos. Mas, claro, sempre com uma boa dose de demagogia: em abril de 2020, às 20:00, era possível ouvir toda a cidade batendo palmas para os corajosos profissionais da saúde. Um ritual que se repetiu por algumas semanas. Um ano e três meses depois, acabaram-se as palmas.

Aparentemente, em um primeiro momento, as novas medidas autoritárias de Macron surtiram algum efeito, pois, no dia seguinte ao pronunciamento, cerca de um milhão de pessoas reservaram um horário para serem vacinadas. Por outro lado, no dia 14 de julho, a “festa nacional francesa”, o dia em que se comemora a queda da Bastilha, milhares de cidadãos franceses saíram às ruas na França gritando “liberdade! Liberdade!”. Essas pessoas são justamente os que se opõem à vacinação obrigatória e ao endurecimento das regras do passaporte sanitário. Segundo o canal de televisão France 24, em Paris, os manifestantes foram reprimidos pela polícia com gás lacrimogêneo. 

Macron encontra-se em uma situação delicada. A desastrosa política imperialista frente à pandemia, rigorosamente seguida por seu governo, resultou em uma crise social muito aguda, o que levou ao movimento dos coletes amarelos, duramente reprimido pelas forças policiais. O país encontra-se em uma situação delicada: no fim do ano de 2020, cerca de 15% da população francesa estava na pobreza. Isso tudo vem se refletindo nos resultados sofríveis que o partido de Macron obteve nas eleições departamentais francesas, ficando em quinto lugar geral.  Por fim, como o governo não mostra que irá ceder no endurecimento do “passaporte sanitário”, nem na vacinação obrigatória, essas manifestações tendem a crescer, aumentando a crise no seio de um país central do imperialismo europeu.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.