• Capa
  • Europa
  • EUA e OTAN armam os neonazistas na Ucrânia… novamente!

Apoiadores do nazismo

EUA e OTAN armam os neonazistas na Ucrânia… novamente!

Desde o golpe de 2014 EUA, OTAN e Israel promovem os agrupamentos nazistas ucranianos e agora novas revelações vêm à tona

im_3358638792b9b2929ff078bddd70c9a6

Imagem deletada do sítio do Batalhão Azov datada de 2018 quando exercícios militares em conjunto ao Imperialismo foram realizados – Reprodução

Tem ficado cada vez mais difícil para a imprensa imperialista esconder o envolvimento direto de batalhões nazistas no conflito da Ucrânia. Tentativas foram feitas de normalizar a situação, afinal de contas neonazistas existem por todos os lados, em quase todos os países. A desculpa não colou, batalhões abertamente nazistas organizados dentro do exército e do aparato policial do Estado são escancaradamente visíveis na Ucrânia.

Passou-se então a uma apologia descarada destes elementos afinal de contas lutam contra os “verdadeiros monstros”, os russos. Tornou-se justificado, portanto, treiná-los e armá-los até os dentes com o melhor que o imperialismo tem a oferecer, fornecer todo tipo de apoio até mesmo estrangeiros perdidos confundidos pela intensa propaganda da imprensa corporativa para que sirvam de bucha de canhão na “grande batalha” pela defesa de Kiev.

Algo em torno de vinte mil mercenários de 52 países diferentes já se inscreveram na Legião Internacional pela Defesa Territorial da Ucrânia, dentre aqueles que de fato cruzaram as fronteiras da Polônia já houve diversas baixas e também muitas deserções como pudemos constatar em diversos depoimentos que viralizaram ao longo da última semana.

AJUDE O PCO A IR COBRIR A GUERRA – FAÇA UMA CONTRIBUIÇÃO

Tratando dos números brutos, o exército ucraniano já recebeu pelo menos 3,8 bilhões de dólares dos EUA desde o golpe de estado que depôs o governo democraticamente eleito de Viktor Yakunovich e cerca de 55 mil soldados ucranianos, dentre eles diversos neonazistas tão defendidos pelos partidários da OTAN, receberam treinamento dos britânicos e dos canadenses. É também amplamente documentado o fato de a CIA ter trazido diversos ucranianos que combateram ao longo das tropas de Hitler para o território americano e que ali permaneceram com financiamento do Estado norte-americano para que no momento servissem sua grande missão na Ucrânia como um trunfo contra os russos, em especial a partir do final do anos 80, pouco antes do colapso soviético. Este grande apoio foi reconhecido pelo grande “democrata” Zelenski em um discurso ao Congresso dos Estados Unidos no dia 16 de março, pouco menos de uma semana atrás. A indústria de armas norte-americana também agradece um tanto a política de uso da Ucrânia como um instrumento de provocação aos russos, as corporações Lockheed Martin e Northtrop viram um aumento de 20% no preço de suas ações quando a Rússia finalmente se envolveu militarmente na situação ucraniana.

Por que investir tantos recursos para treinar e armar os grupos neonazistas? Naturalmente, estes servem de sustentação para o regime pró imperialista no país, mas isto não é tudo, o Imperialismo gostaria que para os russos houvesse um Afeganistão 2.0. Esta ideia circula dentre os pensadores “atlanticistas” desde pelo menos 2019 e recentemente vimos a tese sair da boca de ninguém menos do que Hillary Clinton, a principal arquiteta da contrarrevolução no Oriente Médio como resposta à Primavera Árabe, que derrubou o governo nacionalista de Gaddafi na Líbia e que reduziu o país a um mercado de escravos a céu aberto, além, é claro, de alimentar os mais diversos grupos jihadistas, nas palavras dos norte-americanos os “Rebeldes Moderados”, que cometeram as mais diversas atrocidades pela região com o intuito de derrubar o governo de Bashar al-Assad. Foi somente com o envolvimento russo que alguma estabilidade na região foi alcançada.

O Imperialismo agora almeja fomentar uma espécie de Internacional Nazista na Ucrânia que pode ter consequências profundamente danosas para o Leste europeu, com o apoio é claro dos mais diversos governos democráticos do Imperialismo e as ditaduras apoiadas por ele, como exemplo a Polônia. Construir artificialmente um movimento insurgente na Ucrânia para ali aprisionar os russos ao custo, é claro, da população civil que nada tem a ver com isto, e que também não nutre o menor interesse pela empreitada. É muito improvável que uma guerrilha nazista tenha sucesso, os russos têm se mostrado enérgicos e é provável que todo nazista que já não tenha fugido para Polônia encontre sua justa punição nas mãos dos chechenos e do resto das tropas russas.

Dediquemos algumas linhas a outros batalhões nazistas que não os famosos Azov, Aidar e Tornado, cujos benfeitores e cujos atos já foram muitas vezes denunciados neste Diário. O menos conhecido agrupamento neonazista chamado Centuria participou de diversos exercícios militares com países como a França e a Alemanha. Impossível não lembrar aqui do tuíte do jornalista Pepe Escobar dizendo que uma das consequências da campanha de desnazificação de Putin era desmascarar a renazificação da Alemanha (agora governada pela coligação dos social-democratas e dos verdes), segundo um estudo publicado no IERES. Neonazistas não foram treinados somente em território ucraniano e polonês, alguns elementos chegaram até mesmo a receber treinamento até recentemente, não somente durante a Guerra Fria, em território norte-americano.

Falta discutir o elemento mais embaraçoso talvez, mas que não é de forma alguma surpreendente, que é o envolvimento de Israel e do Sionismo na Ucrânia. A questão de que Zelenski é judeu para alguns tem sido uma espécie de negação do caráter nazistóide do regime ucraniano, nada mais longe da verdade, o Batalhão Azov, por exemplo, tem o mesmo patrono que o presidente fantoche: o oligarca judeu Kolomoiski. Denuncia-se que Israel tem ajudado a armar o batalhão, em propagandas dos nazistas pode-se ver rifles Tavor de fabricação israelense.

Escondem-se atrás do Holocausto para apoiar o que sobrou de pior da influência nazista no leste europeu fomentada pelo Imperialismo. É muito importante sempre reiterar o papel dos nazistas no conflito na Ucrânia, com o apoio do Imperialismo e de todos os governos imperialistas supostamente democráticos, tudo em concordância com a onda absurda de russofobia que tem assolado o mal chamado “mundo livre”. As tropas russas enterrarão os nazistas na Ucrânia e será um feito progressista a vitória da Rússia na Ucrânia!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.