• Capa
  • Europa
  • EUA alertam Índia para não ajudar Rússia a minar dólar

Autoritarismo imperialista

EUA alertam Índia para não ajudar Rússia a minar dólar

Advertiu que haveria “consequências [para] países que tentam ativamente contornar ou preencher” essas penalidades à Rússia

Vice-conselheiro de Segurança Nacional Daleep Singh (1)

Vice-conselheiro de Segurança Nacional Daleep Singh – Reprodução

─ RT, tradução do DCO ─ Um alto funcionário de segurança nacional dos EUA pediu à Índia que reduza seus laços econômicos e militares com a Rússia, alertando para “consequências” para qualquer nação que ajude Moscou a evitar a recente onda de sanções ocidentais. 

Falando a repórteres após se reunir com autoridades indianas na quinta-feira, o vice-conselheiro de segurança nacional de Washington para economia internacional, Daleep Singh, pediu a Nova Délhi que não impulsione as importações de energia russa e evite quaisquer medidas que possam “minar” o dólar americano. 

Artigos Relacionados

“O que não gostaríamos de ver é uma rápida aceleração das importações da Índia da Rússia no que se refere à energia ou qualquer outra exportação que atualmente está sendo proibida pelos EUA” , disse ele, acrescentando que os Estados Unidos estão “muito interessados ​​em para que todos os países, especialmente nossos aliados e parceiros, não criem mecanismos que sustentem o rublo e que tentem minar o sistema financeiro baseado em dólar”.

Embora condenando a “guerra desnecessária” da Rússia contra a Ucrânia, Singh disse que sua visita à Índia foi “em um espírito de amizade para explicar os mecanismos de nossas sanções”, mas advertiu que haveria “consequências [para] países que tentam ativamente contornar ou preencher” essas penalidades.

Questionado sobre o que essas consequências poderiam acarretar, o conselheiro se recusou a dar detalhes, dizendo que isso fazia parte de “discussões privadas que não vou compartilhar publicamente”.

As observações de Singh seguiram relatos de que Moscou e Nova Délhi estão atualmente elaborando um sistema de pagamento em rupia-rublo, que permitiria que as duas nações conduzissem o comércio bilateral nas moedas uma da outra. A Índia também concordou recentemente em comprar uma quantidade de petróleo bruto russo com desconto, uma decisão impopular com os EUA e alguns aliados, que embarcaram em uma campanha de sanções punitivas destinada a isolar a economia da Rússia e destruir o rublo.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, também visitou a capital indiana na quinta-feira, coincidindo com reuniões oficiais com Singh e com a secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss.

Embora autoridades americanas, australianas e britânicas tenham criticado a recusa da Índia em acompanhar a onda de sanções, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, insistiu que Washington não está “procurando mudar” o “relacionamento” de qualquer nação com a Federação Russa, citando a Índia em particular.

“O que estamos procurando fazer, seja no contexto da Índia ou de outros parceiros e aliados em todo o mundo, é fazer tudo o que pudermos” para garantir que “a comunidade internacional esteja falando em uníssono”, acrescentou Price em comentários sobre A viagem de Lavrov.

Muitas vezes retratado como o “ arquiteto ” do regime de sanções dos EUA a Moscou, Singh citou os crescentes laços entre Rússia e China, alertando que sua parceria pode ter grandes consequências para a Índia, que há muito está presa em uma disputa territorial com Pequim. fronteira sino-indiana.

“Se você comparar isso com a realidade de que China e Rússia agora declararam uma parceria sem limites, e que a Rússia disse que a China é seu parceiro estratégico mais importante, por extensão, isso tem implicações reais para a Índia” , disse ele, alegando que Moscou não iria “correr em defesa da Índia” no caso de uma incursão chinesa.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.