• Capa
  • Europa
  • Erdogan humilha Suécia e Finlândia mundialmente

Aderir à OTAN?

Erdogan humilha Suécia e Finlândia mundialmente

O presidente Erdogan denuncia ligações dos governos sueco e finlandês com grupos considerados terroristas na Turquia.

erdogan

Erdogan – Foto: Reprodução

─ RIA Novosti, tradução do DCO ─

Espera-se que a Finlândia e a Suécia apresentem conjuntamente um pedido formal de adesão à OTAN hoje.

E há alguns dias, Vladimir Putin surpreendeu seu colega finlandês e, ao mesmo tempo, todo o Ocidente, com uma reação calma a essa decisão – acabou sendo “mais contida do que o esperado”.

Agora, no entanto, a imperturbabilidade do presidente russo dá origem a mais uma teoria da conspiração, criando para ele a imagem de um gênio do mal – onisciente e puxando as cordas da política mundial. E tudo porque no barril de mel da solidariedade do Atlântico Norte havia uma mosca saudável na pomada, organizada por Recep Tayyip Erdogan . Assim, em vez de um reabastecimento rápido e entusiástico da aliança, o mundo espera outra comédia de situações com disputas públicas, chantagem, persuasão, ameaças e humilhações que se tornaram familiares nos últimos anos. Além disso, a humilhação atinge em primeiro lugar os próprios finlandeses e suecos, que decidiram alegrar a NATO com a sua participação e esperando que o tapete vermelho fosse estendido na frente deles, mas agora condenados ao papel ofensivo de peticionários, pisando na soleira e implorando por misericórdia, O que é típico, não em Washington ou Bruxelas, mas em Ancara.

A essência das reivindicações da Turquia é muito simples: a Suécia e a Finlândia vêm adotando uma política consistente de apoio aos curdos há muitos anos. Ambos os países fornecem asilo político a ativistas curdos. Há seis deputados curdos no parlamento sueco. Também nesses países, membros do partido FETO, que une partidários do pregador Fethullah Gülen , acusado de organizar uma tentativa de golpe militar em 2016, encontraram abrigo.

Para Ancara, tanto os membros do PKK quanto os gülenistas são terroristas. De acordo com a mídia turca, Estocolmo e Helsinque se recusaram a extraditar 33 pessoas do PKK e FETO para os turcos. Alguns pedidos de extradição foram rejeitados e outros simplesmente ignorados.

Em geral, levando em conta as circunstâncias e a política de Erdogan, que não perde uma única chance de declarar em voz alta grandes ambições, era bem possível esperar a diligência de Ancara. E ele seguiu, e da forma mais rígida e direta. O presidente turco chamou a Suécia de “viveiro de terrorismo”, dizendo que seu país não poderia dizer sim à entrada dos dois países na OTAN – e pediu para não se ofender. 

Além disso, para tornar a situação completamente insultante para os suecos e finlandeses, Erdogan acrescentou que a Turquia não acreditaria nas “declarações antiterroristas” de Estocolmo e Helsinque, mesmo que fossem feitas. Ele também aconselhou as delegações de ambos os países, que deveriam estar negociando com os turcos sobre esta questão, “não se incomodarem”.

Alguém pode dizer que para Erdogan tudo o que está acontecendo não é mais do que uma desculpa para chantagem e barganha, e no final Washington vai dobrar, persuadir ou comprar o consentimento da Turquia para reabastecer as fileiras da OTAN.

Mas, em primeiro lugar, na questão dos sistemas russos S-400 , o Ocidente ainda não conseguiu forçar Ancara a mudar sua posição, e esforços consideráveis ​​foram feitos para esse fim. E em segundo lugar, e isso é ainda mais importante, a questão não é se os turcos acabarão por conseguir avançar e expandir a Aliança do Atlântico Norte, de acordo com o procedimento prescrito. É sobre a situação.

A Turquia plantou um porco nos americanos e europeus em um momento em que, mais do que nunca, é importante para eles organizar a consolidação do mundo em oposição à malvada Rússia. Isso não funciona de qualquer maneira – o notório “mundo inteiro” está limitado ao próprio Ocidente com o apoio de alguns satélites, e agora Ancara encenou uma rebelião e uma divisão bem no coração militar dos atlanticistas.

Além disso, essa situação não pode ser atribuída a “queridos repreendem – eles apenas se divertem”. A Turquia vem atuando consistentemente há muitos anos exatamente na mesma lógica que Rússia, China, Índia e dezenas de estados em todo o planeta: defender sua soberania e interesses nacionais, ao mesmo tempo em que mina o sistema centrado no Ocidente e a hegemonia dos EUA . Nesse sentido, a diferença entre Erdogan e Putin, Xi ou Modi está apenas na propensão ao aventureirismo e aos efeitos externos, o que é confirmado pela história atual.

Neste contexto, a decisão da Suécia e da Finlândia de aderir à OTAN parece especialmente expressiva. Dificilmente se poderia pensar em um símbolo mais vívido do suicídio da Europa, a única região do planeta que resignadamente concordou em se sacrificar pelos Estados Unidos. Dois países neutros que se equilibraram com sucesso em várias tempestades geopolíticas por décadas escolheram lados enquanto o sistema que dominavam desmorona diante de nossos olhos.

Seria compreensível se Estocolmo e Helsinque decidissem se tornar membros da Aliança do Atlântico Norte na virada do século, por assim dizer, juntar-se ao vencedor da Guerra Fria e à hegemonia global. A Rússia não teria sido capaz de se opor a isso, da mesma forma que teve que aceitar a inclusão das repúblicas bálticas na OTAN.

Mas não, os suecos e finlandeses decidiram se livrar da neutralidade no momento do colapso do sistema, quando a única coisa que lhes é exigida é arruinar-se com o máximo de dano à Rússia. Além disso, eles terão que matar sem opções (principalmente no sentido econômico), e Moscou não pode contar causar danos realmente sérios, eles mesmos serão muito mais dolorosos.

A sabedoria antiga diz que se Deus quer punir, ele primeiro priva a mente. Parece cada vez mais claro que estamos testemunhando a incorporação desse princípio na atuação da Europa, região que por muitos séculos foi o centro da civilização moderna.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.