• Capa
  • Europa
  • Economia mundial pagará sanções contra a Rússia

Sanções russas

Economia mundial pagará sanções contra a Rússia

s esforços dos Estados Unidos e da União Européia para aplicar sanções à Rússia devido à sua operação militar especial na Ucrânia serão pagos pela economia mundial com uma recessão

Rusia-Sanciones (1)

Rússia cercada – Reprodução

─ Prensa Latina ─

Por Cira Rodríguez César

Redação Econômica

Desde o último dia 24 de fevereiro, segundo a base de dados Castellum.AI (plataforma que fornece informações sobre sanções globais), a Rússia é o país mais punido do mundo, à frente de Irã, Síria, República Popular da República Democrática da Coreia e da Venezuela.

Mais de 8.700 novas medidas restritivas são acionadas contra aquela nação, além das 2.695 que já estavam em vigor antes dessa data.

Após cinco meses de aprovação e aplicação de sete pacotes de sanções, fica claro que o objetivo de impor condições e afetar Moscou não funcionou até agora, segundo o especialista em relações internacionais boliviano Hugo Siles.

Em um balanço geral fica claro que o Ocidente, nos cadernos de projeção estratégica preparados antes da guerra, tinha o objetivo de promover na Rússia não apenas uma estagnação em sua economia, mas também um enfraquecimento estrutural de sua posição militar em um vasto Território euro-asiático, explicou Siles.

No Fórum dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, de 5 a 15 de julho, o vice-chanceler russo, Sergei Vershinin, destacou que as tentativas do Ocidente de culpar os outros causaria inflação nos próprios países que acompanham Washington em sua cruzada contra Moscou, e o que é pior, uma recessão global.

Com base nisso, ele destacou que os erros nas políticas macroeconômicas, alimentares e energéticas das maiores economias do hemisfério durante a pandemia de Covid-19 levaram a uma onda de instabilidade nos mercados globais de commodities antes mesmo do início da operação especial realizado pela Rússia para a desnazificação e desarmamento da Ucrânia.

Vershinin assegurou que, apesar de tudo projetado contra a economia da nação eurasiana, ela tem capacidade para aumentar as exportações de alimentos e fertilizantes para países da África e do Oriente Médio, a fim de contribuir para a solução do problema da fome.

Referindo-se à estabilidade dos mercados de energia, o alto responsável russo sublinhou que o seu país propôs formas de pagamento que escapam às sanções unilaterais dos Estados Unidos e da União Europeia (UE), enquanto em matéria financeira propôs a utilização de moedas nacionais para pagar as dívidas soberanas.

No entanto, ao ignorar tais propostas, as penalidades funcionam como um bumerangue que reverte os planos originais de destruir o sistema financeiro russo e, embora a Europa e os Estados Unidos promovam uma guerra energética contra Moscou, o mundo inteiro terá que responder por isso.

O especialista chinês Lin Boqiang também considerou que o objetivo das medidas era atingir as receitas de energia de Moscou ao menor custo possível para eles.

Mas a UE é fortemente dependente dos suprimentos russos, então o atual aumento nos preços dos hidrocarbonetos tem sido um empecilho para o bloco.

Como resultado, não apenas os Estados Unidos e a Europa enfrentariam custos potencialmente crescentes do petróleo, mas uma escalada da guerra energética entre a Rússia e o Ocidente pode trazer mudanças fundamentais na estrutura do fornecimento global de energia.

Um aumento mais acentuado dos preços do petróleo nesta situação pioraria inevitavelmente o estado da atual economia mundial, que está sob pressão da enorme inflação.

AMEAÇAS À HUMANIDADE E À ECONOMIA GLOBAL

O aumento dos preços dos alimentos, combustíveis e fertilizantes devido à guerra na Ucrânia ameaça arrastar nações de todo o mundo para a fome, com a consequente desestabilização, fome e migrações em massa em escala sem precedentes.

Tal alerta do diretor do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley, resume uma realidade perigosa: um recorde de 345 milhões de pessoas com fome aguda estão à beira da inanição, 25% a mais do que no início de 2022.

Essa é uma das consequências mais graves do conflito na Ucrânia -o celeiro da Europa-, seu impacto na disponibilidade de alimentos e na segurança alimentar global.

É por isso que, diante da escassez de alimentos, o Ocidente está repensando as sanções contra Moscou, porque a crise ameaça causar fome generalizada devido às restrições impostas aos produtos russos.

Essa é uma das maiores preocupações, pois as repercussões aumentam um problema alarmante de segurança alimentar em todo o mundo que não será fácil de reverter e que pode desencadear instabilidade social.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em maio os preços dos alimentos aumentaram quase 30% em relação ao preço de um ano atrás, impulsionados pelo aumento dos cereais e da carne.

“Sem fertilizantes, a escassez passará do milho e do trigo para todas as culturas básicas, como o arroz, e terá um impacto devastador em bilhões de pessoas na Ásia e também na América do Sul”, disse António Guterres, secretário-geral da ONU.

A isso se soma à onda de protecionismo causada pelo aumento do custo dos alimentos, como fizeram Indonésia, Índia e Malásia ao restringir suas exportações de óleo de cozinha, trigo e frango para garantir os mercados internos.

Segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, cerca de 20 países têm alguma forma de controle de exportação para reduzir o efeito da inflação sobre os alimentos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.