• Capa
  • Europa
  • Direitos aos poloneses: “O colapso da Ucrânia é inevitável.”

Distribuição de território

Direitos aos poloneses: “O colapso da Ucrânia é inevitável.”

Zakharova disse que Zelensky de fato legaliza a tomada da Ucrânia pelos poloneses

polonesas

Fronteira União Européia – Reprodução

─ Gazeta.Ru, tradução DCO ─ No dia anterior, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou um projeto de lei que efetivamente igualaria os poloneses aos ucranianos, dando-lhes os mesmos direitos, exceto o direito de votar nas eleições. Na Rússia e na Bielorrússia, a decisão do líder ucraniano foi tomada com hostilidade.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, disse que desta forma Kiev legaliza de fato a tomada de seus próprios territórios e “dissemina ativamente sua independência”. O deputado Adalbi Shkhagoshev acredita que “uma campanha perigosa usando Zelensky e a Polônia” pode levar a um confronto direto entre as tropas da Otan e a Federação Russa. E o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, expressou temores de que Varsóvia mais tarde também queira anexar o oeste da Bielorrússia.

O membro do Comitê de Segurança e Anticorrupção da Duma do Estado , Adalbi Shkhagoshev, expressou confiança de que o novo acordo para simplificar a passagem de fronteiras comuns para ucranianos e poloneses confirma os planos da Polônia de expandir seus territórios.

O membro do Comitê de Segurança e Anticorrupção da Duma do Estado , Adalbi Shkhagoshev, expressou confiança de que o novo acordo para simplificar a passagem de fronteiras comuns para ucranianos e poloneses confirma os planos da Polônia de expandir seus territórios.

“Toda a conversa teórica de que a Polônia está pronta para aceitar parte do território da Ucrânia está se movendo em prática”, disse Shkhagoshev em entrevista à RIA Novosti. Ressaltou que tal cenário poderia provocar um confronto entre a Federação Russa e a OTAN .

Segundo o parlamentar, a Polônia “entra em uma grande política de implementação dos planos da Otan com participação física no conflito”, que está sendo implementada com a participação do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

“Avisamos que esta é uma campanha muito perigosa usando Zelensky e a Polônia, que pode levar a um confronto direto entre as tropas da OTAN e a Rússia, já que a Polônia é membro da aliança”, explicou Shkhagoshev.

O deputado da Duma de Estado, Mikhail Sheremet , acredita que Zelensky , tentando concluir acordos internacionais com a Polônia, está seguindo o caminho de transferir os territórios ucranianos ocidentais para Varsóvia. As autoridades polonesas, segundo ele, têm “planos de ocupação nutridos” há muito tempo e agora estão tentando colocá-los em prática. O líder ucraniano, por sua vez, está ciente do inevitável colapso do país e, portanto, tomou tal decisão.

“Zelensky percebeu que o colapso do país é inevitável, já que a parte sudeste da Ucrânia já foi completamente perdida. Portanto, em um surto febril, ele se dirigiu para a transferência real dos territórios ucranianos ocidentais sob o controle da Polônia, que há muito planejava a ocupação dessas terras. Hoje, surgiu um bom momento para vestir e encobrir tudo isso com uma preocupação imaginária pelo povo ucraniano ”, disse Sheremet.

Ele enfatizou que Varsóvia “com seu ódio russofóbico e apoio aos neonazistas ucranianos põe em perigo toda a União Europeia ”, e pediu às autoridades polonesas que não tentem impedir a Rússia de concluir a operação especial.

“De fato legalizar a apreensão de seu país”

O fato de Kiev, reivindicando os direitos especiais dos poloneses, estar tentando transferir para eles os direitos sobre seus próprios territórios, também foi afirmado pela representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova .

“Sob o pretexto de preservar sua própria identidade, o regime de Kiev a está destruindo, atirando em si mesmo por oito anos e agora fazendo algo sem precedentes – legalizando a tomada de fato de seu país”, escreveu o diplomata no Telegram.

Zelensky, voltando-se para o parlamento nacional com um pedido para aprovar os direitos especiais dos cidadãos poloneses, “essencialmente lhes permite tudo”, disse Zakharova.

“Um casus de soberania, não se pode dizer o contrário. Não separatistas, mas o próprio presidente do país transfere direitos para os cidadãos de outro país no território de seu estado, sem introduzi-los na cidadania da Ucrânia ”, diz o post.

O representante do Ministério das Relações Exteriores ficou surpreso com o fato de que o regime de Kiev “está dispersando tão ativamente sua independência, sua independência”.

“Que tipo de reclamações o governo ucraniano pode ter contra os crimeanos? A soberania da Ucrânia não incomoda tanto ninguém em Bankova que a questão principal não é como preservá-la, mas a quem entregá-la ”, concluiu.

“Esta é a estratégia deles para a Bielorrússia Ocidental”

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko , também expressou preocupação com o anunciado projeto de lei Zelensky. A estratégia do Ocidente de se apoderar de terras estrangeiras pode ser aplicada no futuro ao oeste da Bielorrússia, acredita ele.

“Estamos preocupados que eles, os poloneses, membros da OTAN, estejam prontos para sair e tomar, como era antes de 1939, a Ucrânia Ocidental. Isso nos preocupa não apenas do ponto de vista da segurança atual. Esta é a estratégia deles também para a Bielorrússia Ocidental. Portanto, mantemos nossos ouvidos abertos”, disse o político na reunião de hoje com o presidente Vladimir Putin em Sochi.

De acordo com o líder bielorrusso, os ucranianos ainda “terão que pedir” aos bielorrussos que “não permitam que a parte ocidental se separe”.

O que Zelensky e Duda prometeram

No dia anterior, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou a assinatura de um acordo com a Polônia para simplificar as passagens de fronteira, bem como a apresentação à  Verkhovna Rada de um projeto de lei sobre o status legal especial dos poloneses na Ucrânia. Este último funcionará por analogia com o polonês, onde os deslocados temporários da Ucrânia foram, na verdade, equiparados aos cidadãos poloneses, mas sem direito a voto. A situação atual “involuntariamente forçou a Ucrânia e a Polônia a esquecer as disputas sobre um passado comum”, destacou o político.

“Somos parentes. E não deve haver limites ou barreiras entre nós. Os povos ucraniano e polonês mentalmente não compartilham fronteiras há muito tempo. Portanto, decidimos traduzir isso em um acordo bilateral apropriado em um futuro próximo”, disse Zelensky.

No início de maio, o presidente polonês Andrzej Duda expressou a esperança de que “não haverá mais fronteiras entre a Polônia e a Ucrânia, e os povos dos dois países poderão viver juntos nesta terra”.

Desde o início da operação especial russa, a Polônia recebeu mais refugiados ucranianos do que todos os outros países europeus juntos. Segundo a ONU , desde 24 de fevereiro, 6,4 milhões de ucranianos partiram para os países vizinhos. Destes, mais de 3,5 milhões de pessoas foram para a Polônia.

Membros da Fundação para o Diálogo Aberto da Polônia, criada para ajudar os ucranianos, expressam temor de que uma crise humanitária comece em breve no país, já que os programas de apoio e reassentamento de refugiados não funcionam. Os poloneses, que abrigaram os ucranianos, recorrem à organização com pedidos de ajuda.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.