• Capa
  • Europa
  • Boutcha: Imagens e vídeos manipulados para uma mentira

Massacre da verdade

Boutcha: Imagens e vídeos manipulados para uma mentira

Quando imagens e vídeos de satélite são manipulados para contar uma história falsa

WhatsApp Image 2022-04-05 at 17.57.46 (2) (1)

Cenários aterrorizantes – Reprodução

─ Donbass Insider ─ À medida que cresce o escândalo em torno do massacre de Boutcha, novos elementos provam que este episódio é bem digno das valas comuns de Timisoara, entre a desinformação do New York Times que sai de imagens de satélite que não retêm água, a Ucrânia divulgando vídeo de drone tirada em outro dia, e a verdade que emerge no vídeo filmado por tropas ucranianas encarregadas de ‘limpar a cidade’.

Após meu artigo de ontem destacando várias inconsistências na narrativa oficial do massacre de Boutcha , novas informações vieram para reforçar minha análise.

Primeiro, postagens de um canal do Telegram dedicado à vida em Boutcha mostram fotos de 31 de março de 2022, onde não há corpos nas ruas. E nenhuma menção a eles também.

Outras informações obtidas graças a este canal Telegram, verifica-se que o exército ucraniano desembarcou em Boutcha em 1 de abril de 2022 , e não no dia 2, como sugeria o vídeo de Botsman (comandante ucraniano). Isso sugere que as tropas ucranianas podem ser responsáveis ​​pelas mortes visíveis no vídeo de 1º de abril ( veja o artigo de ontem).

Voltemos a este vídeo de Botsman, que já nos tinha revelado que os soldados ucranianos tinham recebido autorização para disparar contra homens sem braçadeiras azuis (marca de soldados ucranianos).

O blogueiro russo Rybar descobriu que ao aumentar o som dos últimos segundos deste vídeo (postado pelo próprio Botsman eu o lembro), ouvimos um homem dizer ”  por favor, não me mate  “, depois um barulho abafado, semelhante a um tiro (a filmagem go-pro não tem um microfone de alta qualidade, e diminuir o som ao editar o vídeo antes de postá-lo ficou quase inaudível). Então eu mesmo aumentei o som dos últimos segundos deste vídeo ao máximo para conferir, e de fato é isso que ouvimos (veja o vídeo abaixo).

Fotos de satélite ajudam a localizar este vídeo como tendo sido filmado na rua Vokzalnaya, onde uma coluna de equipamentos russos foi destruída em 27 de fevereiro de 2022 (material visto no vídeo).

Os maus tratos a pessoas suspeitas de colaborar com as forças russas também são visíveis neste vídeo filmado pelos próprios ucranianos. Os homens presos são severamente espancados por soldados ucranianos, inclusive na cabeça.

Como resultado, reforça-se a hipótese de um massacre de civis de Boutcha com a ajuda das forças russas, pelas forças armadas ucranianas. De fato, vários dos corpos visíveis nas fotos estão localizados perto de rações militares russas, que os civis tiveram que obter como ajuda humanitária da Rússia.

No entanto, o deputado ucraniano, Alexeï Jouravko, publicou o vídeo da entrevista de uma mulher que deixou Boutcha em 25 de março. Esta mulher conta como sua casa foi bombardeada uma hora depois que ela aceitou ajuda humanitária do exército russo. Claramente, denunciantes (provavelmente vizinhos, pois como prova a entrevista dada em Meduza , membros dos batalhões de defesa territorial estavam em Boutcha) relataram que ela havia aceitado ajuda russa, e o exército ucraniano bombardeou sua casa.

Estabelecido isso, vamos agora aos últimos elementos fornecidos para provar que os soldados russos mataram esses civis bem antes de sua partida. Primeiro tivemos o New York Times , que nos tirou do chapéu com imagens de satélite Maxar supostamente datadas de 19 de março de 2022 e mostrando manchas escuras que seriam corpos.

Imagem de satélite Maxar
Maxar foto de satélite do massacre de Boutcha

Problema já não entendemos porque as fotos de 28 de fevereiro são de boa qualidade, mas as de 19 e 21 de março estão pixeladas até a morte. Com esse grau de qualidade, fingir que essas manchas escuras são corpos é como ler folhas de chá. Basicamente todo mundo vê o que quer.

Mas onde fica mais preso é que, se essas pessoas tivessem sido mortas em 19 de março de 2022, isso significaria que os corpos permaneceriam do lado de fora por duas semanas antes de serem descobertos! No entanto, a menos que confinado em uma câmara fria (temperatura entre 2 e 4°C, que retarda o processo, mas não o interrompe), o corpo começará a apodrecer dois a três dias após a morte.

No entanto , a partir de 20 de março, as temperaturas sobem para chegar a 16°C nos dias 22 e 23 de março. O tempo está ficando mais ensolarado, o que significa que está ainda mais quente no asfalto escuro onde os corpos estão. O que significa que em duas semanas a putrefação desses corpos deve estar bem avançada.

Os corpos deveriam estar inchados com os gases resultantes da putrefação dos órgãos internos, e dos corpos deveria ter escapado líquido vermelho-escuro de putrefação que exalaria um odor repugnante (eu assisti a uma exumação corporal no verão de 2016 , e posso garanto que mesmo a 20m de distância dos caras cavando o cheiro era doentio).

Além disso, vermes, cães vadios, ratos e necrófagos teriam tempo de sobra para devorar alguns pedaços desses corpos. No entanto, este não é o caso, esses corpos estão intactos. Ninguém na rua onde essas pessoas foram mortas deixaria os corpos lá por duas semanas. Mesmo sob os bombardeios, os civis de Mariupol enterraram seus mortos nos dias seguintes à morte , tão horrível era o cheiro.

E ao contrário do que alguns dizem, as forças russas não impediram o enterro de corpos civis, já que a escavação da vala comum em meados de março (sobre a qual escrevi ontem) é confirmada por vários artigos ucranianos desse período.

Além disso, fotos mais recentes de alguns corpos confirmam que algo está errado com essa conta. Aqui estão as fotos tiradas pela Reuters.

Foto do massacre de Boutcha
Detalhe das mãos da vítima

Você pode ver claramente nas mãos que o corpo ainda está “fresco”. A pele ainda não assumiu uma cor verde e depois preta. Por outro lado, há sangue acumulado sob as unhas e a pele dos dedos fica enrugada como se tivessem permanecido na água por um tempo. Por outro lado, a pele da palma não apresenta marcas idênticas, o que parece indicar que a pessoa estava deitada de costas, com o braço atrás das costas, e que a mão direita estava encharcada em uma poça rasa. Mas o curativo branco que une as mãos é muito limpo. No geral, as roupas da vítima também estão muito limpas. Impossível estar tão limpo para um cadáver que estava na rua há duas semanas.

Uma foto do ciclista morto também questiona. Se olharmos para suas mãos, veremos que ele recebeu luvas, mas post-mortem. De fato, provavelmente por causa do rigor mortis, era impossível colocar todos os dedos corretamente. Por que colocar luvas em um homem morto?

Civil morto em Boutcha

Além disso, quase todos os mortos têm seus capuzes puxados sobre suas cabeças, ou estão de bruços. Se eles tivessem levado um tiro na cabeça, deveria haver sangue e buracos naqueles capuzes. Mas aí, nada. No geral, as roupas das vítimas estão em boas condições, o que também levanta dúvidas.

Acrescente-se que a data real das filmagens pelo satélite Maxar é questionada pela equipe do blogueiro Rybar.

Um satélite Maxar sobrevoou Boutcha em 19 de março por volta das 9h06. No entanto, medindo as sombras na imagem com esta data, a hora indicada corresponde às 11h30, ou seja, mais de duas horas de folga.

Uma análise mais aprofundada dos voluntários da equipe Rybar os levou à conclusão de que a imagem apresentada como sendo filmada em 19 de março de 2022, teria de fato sido tirada em 1º de abril de 2022 às 11h57 de Greenwich (14h57 local Tempo).

Outra tentativa, desta vez nos dizendo que um drone ucraniano teria filmado em 3 de março de 2022, tropas russas atirando em um civil:

Mas há alguns problemas de consistência. Para começar em 3 de março, um vídeo filmado em Boutcha e publicado no Telegram no mesmo dia, mostra soldados ucranianos levantando a bandeira ucraniana na cidade, enquanto está nevando! A pessoa que filma diz claramente que está em Boutcha em 3 de março no início dos vídeos. Claramente em 3 de março, Boutcha está sob controle ucraniano!

Podemos ver claramente neste vídeo que o chão está encharcado. Além disso, se observarmos a previsão do tempo para o dia anterior e 3 de março de 2022 , vemos que nevou nesses dois dias. No entanto, no vídeo supostamente filmado em 3 de março pelo drone, o asfalto está seco! Além disso, se olharmos para os jardins das casas à direita e à esquerda da rua por onde o homem se move, vemos que a grama começa timidamente a ficar verde novamente. No entanto, a grama só voltou a crescer aqui nos últimos dias, graças ao aumento das temperaturas. Em 3 de março de 2022, fazia apenas 1 a 2°C em Boutcha e estava nevando!

Então não há nada de errado com este vídeo. Na data anunciada a cidade estava sob controle ucraniano, e as ruas deveriam estar encharcadas por causa da nevasca!

Como vemos, os elementos trazidos pelos ucranianos e pela mídia ocidental para credenciar a tese da responsabilidade da Rússia pelo massacre de Boutcha não colam e mostram traços óbvios de uma tentativa de falsificar a história. Como em Timisoara, como no caso das armas de destruição em massa de Saddam Hussein, ou no caso das incubadoras no Kuwait .

E já depois desse caso de bandeira falsa, o exército ucraniano explodiu um tanque químico em Rubezhnoye, certamente para fazer crer em um ataque químico da Rússia, enquanto o exército russo e a milícia popular da LPR estão cercando a cidade. O Ministério da Defesa russo havia alertado que a Ucrânia poderia recorrer a tal provocação e, infelizmente, foi o que aconteceu.

A propaganda de guerra está em pleno andamento e tanto a Ucrânia quanto seus chefes ocidentais estão prontos para mentir para retratar os soldados russos como bestas sanguinárias e criminosos de guerra, enquanto as tropas russas estão fazendo tudo para preservar a vida dos civis neste conflito, e que distribuem centenas de toneladas de ajuda humanitária nas áreas sob seu controle.

Christelle Neant

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.