• Capa
  • Europa
  • Biden: “O bombardeio da OTAN não foi implacável o suficiente

"Devemos arrasar o terreno"

Biden: “O bombardeio da OTAN não foi implacável o suficiente

A justificativa formal da OTAN para os ataques foi o desejo de “proteger” os albaneses kosovares da limpeza étnica e de uma “catástrofe humanitária”

biden discurso de 2002

Em 2002 Joe Biden, então senador dos EUA – Reprodução

─ Sputnik News ─ Quinta-feira marca o 23º aniversário do início do bombardeio da OTAN na Iugoslávia em 1999. Em 78 dias, os jatos da OTAN realizaram 2.300 missões, lançando 420.000 mísseis e bombas, incluindo munições cluster e cartuchos de urânio empobrecido. Até 5.700 pessoas foram mortas, com dezenas de milhares mais diagnosticadas com câncer nos anos que se seguiram.

Antes de entrar no Salão Oval como vice-presidente de Barack Obama e depois como presidente, Joe Biden serviu como senador dos Estados Unidos por mais de 30 anos. Antes, durante e após o bombardeio da OTAN à Iugoslávia em 1999, Biden foi consistentemente um dos principais falcões em Washington, pressionando para que o conflito fosse expandido para uma invasão terrestre total.

“Olha, você provavelmente tem as únicas três pessoas aqui em Washington que acham que devemos ir direto para Belgrado e prender [o presidente iugoslavo Slobodan] Milosevich”, disse Biden em uma aparição em maio de 1999 no Meet the Press ao lado do agora falecido senador republicano John McCain.

“Mas não vamos brincar um com o outro. Nós somos as únicas três pessoas. O resto disso é malandragem. O Congresso Republicano nem votará pelo atentado. As forças da OTAN nem vão concordar com a ideia de tropas terrestres. E se o presidente vai ou não não é relevante. A questão para mim é: qual é a definição de vitória?” Biden reclamou.

“A definição de vitória era todas as tropas fora de Kosovo, os albaneses de volta ao Kosovo e uma força liderada pela OTAN em Kosovo. Isso não é vitória total. Essa não é a vitória que eu quero, essa não é a vitória que John quer. Eu tenho dito que deveríamos ir para o terreno, devemos anunciar que haverá baixas americanas. Devemos ir a Belgrado e devemos ter uma ocupação no estilo japonês/alemão daquele país e devemos ter julgamentos públicos para eliminar essa máscara de vitimização sérvia”, disse Biden.

Em um segundo vídeo, datado de 1998, antes do início da campanha aérea da OTAN, Biden discutiu com o legislador republicano Joe DioGuardi sobre a crise de Kosovo, gabando-se de ter pedido que Belgrado fosse bombardeado e que pilotos americanos destruíssem todas as pontes no rio Drina durante a intervenção da OTAN na Bósnia em 1995, que matou mais de 150 sérvios bósnios, destruiu infra-estrutura civil crítica e irradiou a região com munições DU.
Em um terceiro vídeo, de um jantar de gala de abril de 2002 da Liga Cívica Albanesa Americana na cidade de Nova York, Biden aparentemente embriagado prometeu continuar a apoiar as tropas americanas “no terreno com rifles carregados e baionetas desembainhadas” nos Bálcãs até que os EUA objetivos foram cumpridos.

“Continuarei com todas as fibras do meu ser para manter a América envolvida com tropas que podem atirar e matar para proteger os direitos dos albaneses onde quer que residam nos Bálcãs”, assegurou Biden. As forças dos EUA ficarão até que o “trabalho esteja concluído”, enfatizou o senador, definindo esse “trabalho” como colocar Kosovo, Macedônia e Albânia no caminho da adesão à OTAN e à UE.

“Por que alguns de vocês perguntam se eu fui tão implacável na Sérvia e [pós-Milosevich presidente Vojislav] Kostunica em quem eu não confio? 
Por que tenho sido tão relutante, tão persistente em não fornecer ajuda ao povo da Sérvia, que é muita gente boa – por quê? 
Porque enquanto não olharem em seus corações nunca poderão se curar da doença que são os oprimidos. 
E enquanto eles operarem nesse padrão, esse ciclo continuará e continuará e continuará. 
Então é por isso, não por vingança, mas por libertação – que é necessário que eles olhem o diabo nos olhos”, disse Biden.

Aniversário sombrio

A OTAN iniciou uma campanha de ataques aéreos e de mísseis de cruzeiro contra a República Federal da Iugoslávia em 23 de março de 1999. A operação, cinicamente apelidada de ‘Operação Noble Anvil’, continuou até 10 de junho de 1999, com um total de cerca de 22.000 toneladas métricas de bombas lançadas sobre o país. O uso de bombas de fragmentação (37.000 delas) e urânio empobrecido constituiu uma violação das leis da guerra, e médicos sérvios relataram um aumento dramático de doenças oncológicas, incluindo câncer juvenil, na esteira do conflito. Em 2017, a cientista sérvia Ljubisa Rakic ​​calculou que a quantidade de DU lançada na Iugoslávia era equivalente a cerca de 170 bombas de Hiroshima.
Estima-se que o bombardeio tenha causado perdas econômicas de até US$ 100 bilhões, destruindo ou danificando cerca de 25.000 edifícios residenciais, 470 km de estradas, 595 km de infraestrutura ferroviária, 14 aeroportos, 19 hospitais, 20 centros de saúde, 69 escolas, 18 jardins de infância, 176 monumentos culturais e 38 pontes. Isso incluiu um ataque à Rádio Televisão da Sérvia, que custou 16 vidas , e o bombardeio acidental da Embaixada da China em Belgrado, durante o qual três cidadãos chineses foram mortos. Ao todo, as autoridades sérvias estimam que mais de um terço dos alvos da OTAN eram civis.

A justificativa formal da OTAN para os ataques foi o desejo de “proteger” os albaneses kosovares da limpeza étnica e de uma “catástrofe humanitária”. Antes do início do conflito, separatistas albaneses aliados a forças islâmicas radicais entraram em confronto com o exército sérvio e as forças policiais em Kosovo e tentaram expulsar os sérvios étnicos da região. Depois que a campanha de bombardeio foi concluída e as tropas da OTAN entraram na região separatista, os separatistas continuaram sua campanha de violência contra os sérvios, com a OTAN quebrando sua promessa de desarmar os militantes kosovares – que foram posteriormente acusados ​​de uma série de crimes de guerra que vão desde assassinatos de civis à extração de órgãos .
Em 2008, Kosovo declarou unilateralmente a independência da Sérvia, forçando mais de 200.000 sérvios étnicos a deixar suas casas. Washington estabeleceu Camp Bondsteel – a segunda maior base militar americana na Europa, e desde então mantém “boas no chão” na região.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.