Exclusão mundial

Enquanto EUA e Europa se imunizam, África vacina apenas 1,6%

Países ricos e grandes indústrias farmacêuticas continuam lucrando e excluindo a imunização da população mundial

vacina-covid-19-unsplash-scaled-1

80% das doses aplicadas no mundo foram para os países ricos e em desenvolvimento – Foto: Reprodução

Redação do DCO

Desde o início da pandemia, os grandes capitalistas parasitas visualizaram a possibilidade de lucrar com a vida e a morte das pessoas por meio da venda das vacinas. Na ânsia natural que os países ficaram em salvar a vida de sua população, a frustração foi ocorrendo e muitos governos ficaram sem condições de comprar e produzir sua própria vacina, cuja patente ficou restrita aos países ricos, que não permitiram quebra-la, inclusive com apoio de governos lacaios do imperialismo, como é o caso do governo brasileiro do fascista Jair Bolsonaro.

Quase metade das doses aplicadas no mundo foram destinadas e administradas pelos Estados Unidos e China, enquanto a África, continente mais pobre e explorado do globo, ficou com apenas 2% do total, o que demonstra o abismo entre países ricos e pobres na política mundial de imunização. Já foram aplicadas no mundo mais de 4 bilhões de doses. Destas, 80% foram para os países ricos e em desenvolvimento e  a metade ficou com os EUA e a China.

No Brasil, cujo governo fez de tudo para não adquirir vacina, não fez um planejamento sério, boicotou todo tipo de planejamento aliado à ciência e pesquisa, a imunização da população segue bastante lenta, com apenas 19% da população vacinada com as duas doses, o que é muito pouco para um país que já levou a óbito mais de meio milhão de pessoas.

Na África, que tem 17% da população mundial, apenas 1,6% das 4 bilhões de doses globais foram aplicadas no continente, que já perdeu 166,6 mil pessoas, com mais de 6 milhões de infecções, sem levar em conta a subnotificação. Os europeus são 38% de imunizados.

Os principais fatores para consolidar essa desigualdade na imunização mundial estão na dependência de empresas estrangeiras, problemas logísticos e o fornecimento de imunizantes, além da ganância dos países ricos à custa de milhares de vidas ceifadas direta e indiretamente pelo Covid.

A desigualdade também ocorre no mercado interno dos próprios continentes. A África do Sul, por exemplo, tem melhores condições de comercializar as doses e imunizantes do que dezenas de países africanos. A Tanzânia vacinou seu primeiro habitante há duas semanas. Burundi e Eritreia nem começaram, um claro absurdo que mostra  a inércia e maldade das potências e instituições internacionais do globo na luta para salvar vidas, sobretudo a dos mais necessitados e carentes.

O Diretor da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus,  denunciou a “desigualdade escandalosa” na imunização mundial:

“Não tem uma forma mais diplomática de dizer: um pequeno número de países que fabrica e compra a maioria das vacinas no mundo controla o destino do resto do planeta”.

O diretor alerta, ainda, que “registramos mais casos desde o início deste ano do que em todo o ano de 2020. Se a tendência atual persistir, o número de mortos vai ultrapassar o alcançado no ano passado dentro de três semanas. É muito trágico”. Ainda assim a burguesia mundial, promotora da morte e parasita do dinheiro alheio de centenas de países, estimula a reabertura do comércio, das escolas e passam a falsa sensação que a pandemia está normalizada. Uma pandemia que já gerou mais de 3,4 milhões de mortos, destas 115 mil foram profissionais da saúde, com tendência de aumento devido às novas variantes do vírus, da lentidão e desigualdade abissal e desorganizada da vacinação.

Para salvar vidas é necessário denunciar os consórcios farsantes de vacinação, comandados por países e empresas mais interessados em comercializar para quem paga mais do que de fato salvar vidas. Ao contrário do que vemos na prática em relações aos discursos dos principais órgãos internacionais e empresas fornecedoras de vacina, o Secretário-Geral da Organização Mundial de Saúde(ONU), António Guterres, afirmou que “Nós estamos em guerra contra um vírus. Precisamos da lógica e urgência de uma economia de guerra para aumentar a capacidade de nossas armas”. Pura retórica diante de tanta ganância e absurdos vindos com a reabertura do comércio e das escolas.

É necessária uma campanha internacional para quebrar imediatamente as patentes das vacinas, facilitar a distribuição dos imunizantes, acabar com todos os bloqueios econômicos genocidas do imperialismo, que impedem dezenas de países, como Cuba, de imunizar sua população; e colocar o povo no comando do planejamento nacional de suas respectivas campanhas de vacinação.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.