Menu da Rede

PCdoB põe estudantes a reboque dos maiores inimigos da educação

Anterior
Próximo

Miguel Díaz-Canel

“Defendemos a Revolução acima de tudo”

Presidente cubano reage às provocações imperialistas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Miguel Díaz-Canel – Foto: Reprodução

Publicidade

Por Granma – Órgão oficial do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba

Os Estados Unidos têm estado incômodos por 60 anos por causa do exemplo da Revolução Cubana, disse neste domingo o primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba e presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, numa intervenção especial do Palácio da Revolução para explicar ao povo a mais recente provocação orquestrada por pequenos grupos contrarrevolucionários.

O chefe de Estado iniciou seu discurso com uma saudação revolucionária a todo o nosso povo e disse: «Infelizmente temos que interromper a rotina dominical, que todas nossas famílias aproveitam para descansar e dividir, para informar-lhes e partilhar com vocês um conjunto de elementos sobre os eventos que estão acontecendo hoje, que dizem respeito a todo um nível de provocação sistemática em escala, que tem promovido a contrarrevolução nestes dias».

«Quais são os antecedentes da situação que vivemos?», perguntou ele.

«Temos sido honestos, temos sido transparentes, temos sido claros e em todos os momentos temos explicado ao nosso povo a complexidade dos momentos atuais».

«Lembro-me que há mais de um ano e meio, quando começou o segundo semestre de 2019, tivemos que explicar que íamos para uma conjuntura difícil, e usamos esse termo, que mais tarde foi tomado como parte do humor popular, porque estamos nessa conjuntura há muito tempo … com base em todos os sinais que o governo dos Estados Unidos, liderado pelo governo Trump, dava em relação a Cuba».

Ele lembrou que começou a se intensificar todo um conjunto de medidas restritivas do bloqueio; a perseguição financeira, a perseguição energética, com o objetivo de sufocar a economia do nosso país.

Díaz-Canel denunciou o desejo longamente esperado de provocar uma grande revolta social em Cuba, para a qual contribuem para toda aquela propaganda e todas as construções ideológicas que fizeram para convocar as chamadas intervenções humanitárias, que culminam em intervenções e ingerências militares, que esmagam os direitos e a soberania, a independência de todos os povos.

Essa sucessão de ações hostis continuou, disse ele. «Depois vieram as 243 medidas que todos nós conhecemos. E nos últimos dias desse governo se decidiu incluir Cuba na lista dos países patrocinadores do terrorismo».

Reiterou que essa «é uma lista totalmente espúria, uma lista ilegítima e uma lista unilateral, que os Estados Unidos assumem por acreditar que são a potência que domina o mundo, que são os imperadores deste mundo».

Ele ressaltou que, infelizmente, devido à falta de dignidade existente em um grupo de instituições internacionais e também em uma parte importante de alguns países, muitos se submetem de uma vez a todas essas medidas e ações. «É preciso reconhecer que outros não permitem que lhes sejam impostas, mas também são limitados pelo alcance extraterritorial que elas têm».

«E isso aumentou ainda mais todas essas limitações, todas essas restrições, que sobretudo implicaram que o país fosse imediatamente cortado de suas principais fontes de receita em divisas: estou falando do turismo, estou falando das viagens de cubanos e americanos ao nosso país, das remessas que as famílias cubanas tanto esperam de seus parentes nos Estados Unidos».

O presidente cubano denunciou também que se elaborou um tremendo plano para desacreditar as brigadas médicas cubanas, e por essa colaboração médica, além da colaboração solidária de Cuba, também era ingressada uma parte importante de divisas estrangeiras, e tudo isso foi provocando uma situação de escassez no país: «Escassez de alimentos, escassez de medicamentos, escassez de matérias-primas e insumos para poder desenvolver o nosso processo econômico e produtivo, que ao mesmo tempo paga impostos às exportações e insumos das pessoas; portanto, aqui dois elementos importantes são eliminados: a capacidade de exportar e receber divisas para importar e investir, e a capacidade dos processos de produção para desenvolver todo um conjunto de bens e serviços para nossa população».

Ele sublinhou que o país «teve limitação de combustível, limitação de peças de reposição, e tudo isso gerou um grupo de insatisfações, aumentou os problemas acumulados, que não temos conseguido resolver e que vinham do período especial, e a isso se juntou uma feroz campanha mediática de descrédito como parte da chamada guerra não convencional, que tenta, por um lado, romper a unidade entre o Partido, o Governo, o Estado e o povo, que tenta colocar o Governo como insuficiente, incapaz de proporcionar bem-estar ao povo cubano e que pretende erguer o governo dos Estados Unidos “muito preocupados com esse povo” que injustamente bloqueou, indicando que é através dele que se pode aspirar ao desenvolvimento e ao progresso de um país como o nosso».

«São receitas hipócritas bem conhecidas e discursos de dupla moral, que conhecemos muito bem ao longo da história dos Estados Unidos em relação a Cuba. Sabemos como intervieram em nosso país, como se apropriaram de nossa Ilha, como mantiveram o domínio de nossa Ilha na etapa da pseudorrepública e como esses interesses foram atingidos com o triunfo da Revolução Cubana».

«E há 60 anos que se incomodam muito com o exemplo da Revolução Cubana e aumentam constantemente …, aplicam um bloqueio injusto, criminoso, cruel, que se intensifica agora, pior em condições de pandemia. Aí está a perversidade manifesta, a maldade de todas essas intenções: bloqueio e ações restritivas, que nunca fizeram contra nenhum outro país, nem contra aqueles que consideram seus principais inimigos».

«Portanto, tem sido uma obra e uma política de maldade contra uma pequena Ilha, que só pretende defender a sua independência, a sua soberania e construir, com autodeterminação, sua sociedade de acordo com os princípios que mais de 86% aprovou, tem apoiado no exercício amplo e democrático que apoiamos para aprovar a atual Constituição da República de Cuba».

«E em meio a essas condições começa a pandemia, uma pandemia que não afetou apenas Cuba, uma pandemia que afetou o mundo inteiro, uma pandemia que afetou também os Estados Unidos, que afetou os países ricos. É preciso dizer que os Estados Unidos e esses países ricos não tiveram toda a capacidade de enfrentar os efeitos desta pandemia em seus primeiros dias».

«E em muitos desses países do primeiro mundo, com muito mais riqueza, os sistemas de saúde entraram em colapso, as salas de cuidados intensivos entraram em colapso. Os pobres ficaram em desvantagem, porque não existem políticas públicas voltadas para o povo, para sua salvação».

Disse que a nação setentrional do Norte e esses países ricos têm indicadores em relação ao enfrentamento da pandemia com resultados piores que os de Cuba em muitos casos.

«E fomos afetados por aquela pandemia e, em meio a todas essas restrições, com as reservas que o país criou, com o pouco que tínhamos no país, com o pouco que conseguimos adquirir neste ano difícil e meio, é que temos sido capazes de enfrentar todos esses desafios e todos esses desafios».

«E o fizemos com coragem, o fizemos sem desistir e, sobretudo, o fizemos partilhando o pouco que temos entre todos, e não o fizemos apenas em Cuba, nós o compartilhamos com o mundo, porque existe o exemplo das brigadas internacionalistas Henry Reeve, que se deslocaram a lugares brutalmente afetados pela pandemia».

«E assim progredimos, controlamos surtos e mais surtos, com uma grande capacidade de sacrifício de nosso povo, de nossos cientistas, nosso pessoal da Saúde, de quase todo o país envolvido nisso».

Díaz-Canel assinalou que foram criadas cinco vacinas candidatas, uma delas reconhecida como vacina, que é a primeira vacina da América Latina contra a COVID-19. Cuba já está vacinando sua população e esse é um processo que leva tempo. É preciso produzir vacinas, mas hoje temos uma das áreas de vacinação mais altas do mundo e em poucas semanas já atingimos mais de 20% do total da população vacinada », disse.

Nos últimos meses, ele alertou, cepas mais agressivas começaram a aparecer, causando mais transmissão da doença, e em meio a essa situação outro grupo de complicações começa a aparecer.

«Em primeiro lugar, os casos ocorrem com uma velocidade e acúmulo que superam as capacidades que temos sido capazes de criar para atender esses casos nas instituições do Estado. Por outro lado, tivemos que ir abrir vagas em outros centros», explicou.

Nesse sentido, defendeu que ao abrir mais locais, aos quais se deve dar prioridade energética – em meio ao acúmulo de problemas na geração de eletricidade, que têm levado a maiores danos –, a quantidade de circuitos que temos que proteger para atender esses pacientes aumentou.

Por ter mais pacientes, continuou ele, as reservas de remédios também estão se esgotando e as formas de adquiri-los são muito difíceis; e no meio disso tudo continuamos com vontade, continuamos pensando em tudo, trabalhando para todos.

«Agora tivemos que recorrer à experiência da internação domiciliar por falta de capacidade de um grupo de províncias, e tivemos que convocar, então, as famílias para que tivessem uma participação mais direta e responsável. A gente não se cansa de admirar essa capacidade de resistência criativa que nosso povo tem».

«Com estes valores, assegurou, se os acompanharmos com responsabilidade, no menor tempo possível, com vacinação, cumprindo as medidas sanitárias necessárias, sairemos mais cedo ou mais tarde deste pico pandêmico, que não é apenas um caso cubano. Cuba conseguiu adiá-lo com tudo o que fizemos e nós também vamos vencê-lo».

«Então, de forma muito covarde, sutil, oportunista, perversa, a partir das situações mais complicadas que tivemos em províncias como Matanzas e Ciego de Ávila, aqueles que sempre apoiaram o bloqueio, os que serviram como mercenários, lacaios do império ianque, começam a surgir com doutrinas de intervenção humanitária, de corredor humanitário, para fortalecer o critério de que o Governo cubano não é capaz de sair desta situação, como se estivessem tão interessados no bem-estar e na saúde de nosso povo», declarou o presidente.

«Se quiserem ter um gesto com Cuba, se quiserem realmente preocupar-se com o povo, se quiserem resolver os problemas de Cuba: tirem o bloqueio e vejamos como vai ser tudo, por que não o fazem? Por que não têm a coragem de tirar o bloqueio, que fundamento legal e moral sustenta que um governo estrangeiro possa aplicar essa política a um país pequeno e em meio a situações tão adversas? Isso não é genocídio? ».

«Levantam», denunciou, «critérios de que somos uma ditadura, «uma ditadura que se preocupa em dar saúde a toda sua população, que busca o bem-estar de todos, que em meio a essa situação é capaz de realizar políticas públicas, que aspira a vacinação com uma vacina cubana, porque sabíamos que ninguém nos a venderia, porque não tínhamos dinheiro para comprá-la», afirmou.

«Que ditadura estranha!», exclamou. Agora gritam que somos assassinos, onde estão os assassinados em Cuba, onde estão os desaparecidos em Cuba, porque os outros países que sofreram esses picos pandêmicos não foram atacados pela imprensa e a intervenção humanitária não foi posta como solução para eles nem foram armadas essas campanhas para desacreditá-los como fazem para nós, enfatizou Díaz-Canel.

«Acredito que a vida, a história, os fatos mostram o que está por trás de tudo isto, que é sufocar-nos e acabar com a Revolução, e para isso procuram desencorajar o nosso povo, confundir o nosso povo. E quando as pessoas estão em condições severas, acontecem eventos como os que vivemos em San Antonio de los Baños». Sobre os eventos nesta área, detalhou:

Quem fez parte desse grupo? Foi formado por pessoas de povo, que têm necessidades, que estão vivenciando parte dessas carências; era formado por revolucionários confundidos ou que não têm todos os argumentos, ou que também estão expressando essas insatisfações, mas o fizeram de uma forma diferente, porque estavam em busca de argumentos, de explicações.

«Mas isto foi encabeçado por um núcleo de manipuladores que se prestam aos desígnios das campanhas SOS Matanzas ou SOS Cuba, ou o chamado panelaço, que preparam há vários dias, de modo que em várias cidades de Cuba houvessem manifestações ou motins sociais deste tipo. Isso é muito criminoso, numa hora em que as pessoas precisam estar em casa, se protegendo».

Os revolucionários de San Antonio de los Baños reconheceu Díaz-Canel, as autoridades da província, um grupo de nós, líderes do país chegamos ali, enfrentamos os contrarrevolucionários e falamos com os revolucionários, ou aqueles que nos perguntavam para obter explicações, para mostrar que a rua é dos revolucionários.

Ele lembrou que sabemos que existe outros grupos de pessoas em certas ruas ou praças, em outras cidades do país, onde se concentraram também por esses motivos tão insalubres. «Dou esta informação, também para ratificar que em Cuba as ruas são dos revolucionários, que o Estado, o Governo revolucionário, guiado pelo Partido, tem toda a vontade política para discutir, argumentar e participar com o povo na resolução dos problemas, mas reconhecendo qual é a verdadeira causa dos nossos problemas, sem nos deixarmos confundir».

Aqueles que estão incentivando as manifestações não querem um bem de saúde para Cuba, enfatizou. Lembrem-se que seu modelo é o neoliberal, é a privatização da saúde, dos serviços médicos, da educação, é que cada um se salve como puder, que quem tiver dinheiro possa ir para cuidar da saúde, alertou.

«Nós não vamos abrir mão da soberania, nem a independência do povo, nem a liberdade desta nação. Somos muitos os revolucionários nesta cidade que estamos dispostos a dar a vida e isso não é por slogan, é por convicção. Eles têm que passar por cima de nossos cadáveres se quiserem enfrentar a Revolução, e estamos prontos para tudo e estaremos lutando nas ruas».

Sabemos que incidentes desse tipo estão sendo orquestrados nas ruas de Havana e que há massas de revolucionários enfrentando elementos contrarrevolucionários. Separamos os revolucionários confundidos, separamos os habitantes de Cuba que podem ter certas preocupações, mas não vamos permitir que um contrarrevolucionário, mercenário, provoque a desestabilização de nosso povo.

“Por isso convocamos todos os revolucionários do nosso país, todos os comunistas, a tomarem as ruas em qualquer um dos lugares onde vão acontecer essas provocações hoje, de agora em diante e em todos estes dias», disse.

«Como disse no discurso de encerramento do Congresso do Partido, defendemos a Revolução em primeiro lugar, os revolucionários e, na primeira fila, os comunistas, e com essa convicção já estamos nas ruas, não vamos permitir para ninguém manipular nossa situação, nem que alguém possa defender um plano que não seja cubano, que não seja de bem-estar para os cubanos e que seja anexionista. Para isso chamamos os revolucionários e os comunistas deste país», concluiu.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.