Crise sanitária

Cremação em massa: Índia tem recordes diários de covid-19

A política genocida dos capitalistas levou a uma hecatombe sanitária na Índia

2021-04-15T104520Z_602383269_RC2AWM96GYK8_RTRMADP_3_HEALTH-CORONAVIRUS-INDIA-HOSPITAL (1)

Doentes com coronavírus no hospital Lok Nayak Jai Prakash (LNJP), Nova Dhéli – REUTERS – DANISH SIDDIQUI

Redação do DCO

Nas últimas semanas, a imprensa internacional tem relatado um avanço gigantesco no número de casos de contaminação por Covid-19 na Índia. Nas últimas 24 horas, o país registrou 346.786 casos e 2.600 mortes pela doença, batendo um recorde pelo 3º dia consecutivo no número de contaminados e tornando-se então o novo epicentro da pandemia.

Médicos e profissionais indianos vêm alertando para o iminente colapso do sistema de saúde. Os hospitais já estão superlotados, os medicamentos necessários estão em falta e o estoque de oxigênio chegando ao fim.

Epicentro da pandemia

A nível mundial, mais de 893.000 casos de Covid foram registrados nas últimas 24 horas, batendo o recorde desde o início da pandemia. Mais de um terço desses casos são justamente da Índia, ultrapassando os Estados Unidos, que tinham alcançado o maior número até então, em janeiro de 2021.

Colapso e subnotificação

Com a grande explosão da doença, os cemitérios e crematórios não conseguem mais dar conta do número de mortos, fazendo com que na capital econômica do país, Nova Délhi, fossem realizadas cremações em massa.

Essa cerimônia de cremação em massa e o aumento exorbitante no número de contágios são indícios de que o número de mortos pela doença divulgados pela imprensa é subnotificado. Sendo a Índia um país mais pobre que o Brasil, como, por exemplo, o número de casos divulgados na Índia é 5 vezes maior que no Brasil e ainda assim são registradas menos mortes?

Nova variante

Recentemente, uma nova variante do coronavírus foi encontrada na Índia, semelhante a variante de Manaus, mas com um potencial de transmissibilidade ainda maior. A nova cepa denominada B.1.617 estava presente em pelo menos 20% dos 10.787 testes analisados no estado de Maharashtra.

“É uma variante que apresenta mutações na proteína S, não é nada diferente do que estamos observando aqui no Brasil. O acúmulo dessas mutações nesses pontos da proteína faz com que essas novas cepas consigam escapar parcialmente de uma resposta prévia, seja por anticorpos produzidos pelas vacinas ou por uma infecção anterior”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, Flávio da Fonseca.

Fechamento de fronteiras

Após o descobrimento na nova variante e diante do rápido avanço da contaminação no país, alguns países anunciaram limitações temporárias no tráfego de passageiros vindos da Índia, como a Alemanha.

Neste sábado (24), o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, afirmou as limitações adotadas em seu país com relação ao país indiano e, também, que em breve adicionará a Índia na lista de países de alto risco, fazendo todas as pessoas com mais de seis anos que viajam de tais países realizarem um teste de Covid-19 e isolar-se na chegada ao território alemão.

“Para não prejudicar nossa campanha de vacinação, precisamos limitar significativamente nosso tráfego de passageiros com a Índia”, disse o ministro. 

A partir da noite do domingo (25), apenas cidadãos alemães poderão cruzar a fronteira da Índia para a Alemanha.

Além da Alemanha, o porta-voz da Organização de Aviação Civil iraniana, Hassan Zibakhsh, anunciou que proibirá totalmente o tráfego aéreo com a Índia.

Política genocida dos capitalistas

A crise sanitária na Índia mostra a profundidade do genocídio promovido pelos capitalistas. O país é o segundo mais populoso do mundo e, portanto, deveria haver uma atenção internacional para conter o avanço do vírus. 

Porém, tanto a burguesia imperialista, quanto a indiana, não têm nenhum interesse em conter o avanço do vírus. Preferem manter a economia funcionando para salvar os capitalistas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.