Sem solução

Permanência de Duque coloca Colômbia sob impasse

Mortes, prisões e desaparecimentos multiplicam-se enquanto governo retoma o aumento de impostos

primera-linea

Na falta de um partido organizado, jovens anarquistas assumem a linha de frente dos atos colombianos – Foto: Reprodução

Redação do DCO

O governo ditatorial de Iván Duque anunciou, no último dia 25, a detenção de pelo menos 134 pessoas ligadas ao grupo “Primera Línea” (“Primeira Linha” em português ou “Linha de Frente” em tradução livre), organização surgida durante os protestos que vêm sacudindo o país desde o dia 28 de abril. Segundo o regime, as prisões ocorreram em várias cidades colombianas.

“O trabalho da Polícia e da ‘Fiscalía General’ (equivalente à Procuradoria Geral da República no Brasil) levou à captura de 134 pessoas responsáveis pela criminalidade urbana pertencentes à ‘Primera Línea’, através de 34 operações em 18 cidades. Seguiremos trabalhando por uma democracia segura”, publicou nas redes sociais o ministro da Defesa, Diego Molano. Segundo a agência de notícias russa Sputnik, os presos estão sendo acusados de envolvimento em ações que incluem vandalismo, ataques contra as forças de repressão, contra a infraestrutura, bloqueios de rodovias, entre outros “crimes”. Do total de prisões, 21 foram efetuadas na capital colombiana, Bogotá, e 20 na cidade de Cali.

Tendência latina

Terceira maior cidade da Colômbia, Cali tem se destacado como epicentro das mais radicalizadas manifestações desde o levante iniciado no dia de 28 de abril. Vem desta cidade, próxima à costa do Pacífico, a “Unión de Resistencias Cali” (URC), responsável por agrupar vários grupos identificados com o coletivo “Primera Línea”.

Após o Comité Nacional de Paro (Comitê Nacional de Greve) anunciar a suspensão dos protestos no dia 15 de junho, uma liderança da organização, de identidade não revelada, garantiu ao Sputnik que a continuidade dos protestos após a suspensão chamada pelo CNP deve-se à atividade do URC (“La Primera Línea de Colombia analiza dónde ubicarse en las elecciones de 2022“, 20/7/2021).

Inspirado em coletivos homônimos surgidos durante os protestos do Chile, em 2019, o “Primera Línea” colombiano reúne manifestantes, maioritariamente jovens, de diferentes regiões do país para reagir à repressão policial em meio às manifestações. Com métodos similares aos “black blocks” brasileiros, são conhecidos por trajarem máscaras e capuz durante os protestos, usarem tipos rudimentares de escudos e agruparem um setor menos disposto a aceitar a violência estatal do que o padrão da esquerda pequeno-burguesa.

O governo Duque, por sua vez, acusa os coletivos de serem financiados pela guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) e também por dissidências das FARC.

Enquanto isso, a ONG Indepaz identificou 80 pessoas mortas pela polícia colombiana. Durante o primeiro semestre de 2021, a ONG identificou 55 massacres com 206 mortes no país. Até o dia 20 de julho, pelo menos 346 manifestantes haviam desaparecido na Colômbia e 83 perderam a vista pelos ataques perpetrados pela repressão. 

Reforma tributária ressurge

Há oito dias de completarem-se três meses dos protestos que incendiaram a Colômbia, no último dia 20 de julho, a ditadura controlada com mão de ferro por Ivan Duque voltou a apresentar um projeto de reforma tributária aumentando a incidência de impostos sobre a população, com a perspectiva de arrecadar cerca de 15,2 trilhões de pesos a mais (US$3,95 bilhões segundo a cotação do dólar em 20/7). A proposta apresentada em meados de abril e que desencadearam a atual onda de protestos previa aumento nos impostos da ordem de 23,4 trilhões (US$6,089 bilhões).

Para tornar o aumento palatável, o governo Duque promete aliar a proposta com medidas de cunho social, como o subsídio de 25% do salário mínimo destinado às empresas para que contratem jovens e gratuidade na mensalidade universitária para estudantes oriundos de famílias pobres. “A lei de investimento social, que construiremos entre todos nós, é o maior salto no desenvolvimento humano nas últimas décadas”, defendeu Duque ao apresentar a proposta aos parlamentares no Congresso. No dia 20 de julho, comemora-se a Independência da Colômbia. Entre a população, a recepção ao retorno da proposta foi bem menos entusiasmada.

“Como pode ser justo que eles comprem armas com nossos impostos para matar pessoas comuns? Viemos apoiar a juventude”, disse à agência de notícias Reuters a aposentada Alicia, de 68 anos (“Colombia government sends $3.9 bln tax reform to congress amid renewed protests“, 21/7/2021, Julia Symmes Cobb, Reuters). Alicia era uma entre cerca de 10 mil manifestantes que foram às ruas de Bogotá, em 23 pontos de protestos ocorridos no dia e que deixaram um rastro de destruição na capital. Os dados foram apurados pelo sítio norte-americano Democracy Now (“Colombia Erupts in Protest Again over Right-Wing Gov’t Tax Plans Even as “Solidarity Is Criminalized”, 21/7/2021), que informa ainda a realização de manifestações em Barranquila, Cali e muitas outras cidades, incluindo 10 das 32 capitais provinciais do país.

A exemplo de outras experiências na América do Sul, destacadamente o Equador de Lenín Moreno e suas reformas econômicas, a retomada da reforma tributária pelo governo Duque reforça a ineficácia da luta pontual e a necessidade da mobilização popular derrubar o governo. A reforma, tema de interesse vital do imperialismo e por isso mesmo, recorrente, continuará ameaçando roubar a população enquanto o regime fantoche não for posto abaixo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.