Devastação imperialista

Caos, pobreza e fome: legado dos EUA no Afeganistão

Humilhado militarmente, imperialismo impõe um bloqueio econômico destrutivo ao povo afegão

44695 fe7081ad3423cfd3 5

Imperialismo é a maior força de opressão contra a classe operária em todo o mundo – Foto: Reprodução

─ Xinhua ─

Cabul, 20 dez (Xinhua) – O ano de saída foi difícil para os afegãos. Quase tão rapidamente quanto chegaram, as forças lideradas pelos EUA correram para casa após 20 anos. A precisão militar com que a evacuação foi executada contrasta fortemente com o caos que ficou para trás.

A atividade econômica está paralisada. A pobreza está aumentando.

No verão, a missão liderada pelos EUA fugiu do Afeganistão diante de sua chamada “guerra ao terror”, deixando nada além de lixo, pobreza extrema e desemprego universal. Enquanto os americanos e associados voltavam para o lugar de onde vieram, o governo que eles mantinham no poder entrou em colapso.

O Talibã assumiu o poder no dia 15 de agosto e formou um governo provisório no dia 7 de setembro.

COLAPSO INSTITUCIONAL

Forças estrangeiras indesejáveis ​​foram completamente ejetadas do país no final de agosto, encerrando uma presença militar que começou impulsivamente após os eventos catastróficos de 11 de setembro. O resultado mais óbvio de uma campanha destinada a trazer estabilidade à Ásia Central é um país com uma economia abalada. Este lamentável estado teria sido atingido a um custo de cerca de 2 trilhões de dólares americanos para Washington.

A guerra ainda nem acabou. Enquanto 300 combatentes do Estado Islâmico entregaram suas armas na província oriental de Nangarhar nos últimos dois meses, o grupo linha-dura assumiu a responsabilidade por uma série de explosões de bombas em todo o país. O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, minimizou as afirmações, dizendo que o emirado tem pouco a temer do grupo.

A administração interina foi incapaz de pagar os salários dos funcionários públicos. Dependente em grande parte da ajuda externa nos últimos 20 anos, o aparato estatal foi em grande parte destruído.

NADA NA MESA

A maioria dos afegãos enfrenta insegurança alimentar aguda e não consegue se alimentar. O Programa Mundial de Alimentos (PMA) e outras agências da ONU estimam que mais de 22 milhões dos 36 milhões de afegãos passarão fome neste inverno. Muitos serão incapazes de lidar com verdadeiras emergências de fome.

“O Afeganistão está enfrentando uma avalanche de fome e miséria como nunca vi em meus mais de vinte anos com o Programa Mundial de Alimentos”, disse recentemente a diretora do PMA no país, Mary-Ellen McGroarty. Os preços de bens básicos, incluindo farinha, óleo de cozinha e açúcar, quase dobraram.

“Infelizmente, não temos mais dinheiro para comprar nada. Todos estão sufocando em uma crise econômica causada pela mudança de regime”, disse Salim Khan, morador de Cabul.

NADA NO BANCO

Após a retirada militar dos EUA no Afeganistão e a tomada do país pelo Talibã em meados de agosto, Washington congelou mais de 9 bilhões de dólares do banco central do Afeganistão, deixando os novos governantes em crise.

Em meados de agosto, uma corrida aos bancos levou a um teto para saques de 200 dólares semanais. Os serviços básicos estão em colapso. Alimentos e outras ajudas para salvar vidas estão prestes a acabar. O ministro das Relações Exteriores do Afeganistão, Amir Khan Muttaqi, exigiu que Washington desbloqueie os ativos de seu país.

“A América paralisou o sistema bancário. É por isso que os bancos não podem dar dinheiro aos seus clientes. As restrições aos serviços bancários levaram ao aumento dos preços dos alimentos nos últimos dois meses”, disse Sayed Mohammed, que não retirou dinheiro de seu conta naquela semana.

“O alto preço do dólar americano afetou nossos negócios. As pessoas não têm dinheiro para comprar itens, o preço da farinha, do arroz e do óleo de cozinha está muito mais alto agora do que há um mês. Em alguns dias, um pedaço de pão custava 10 afeganes. Hoje tive que vender por 20. Como o preço da farinha sobe com o aumento do câmbio, não temos escolha a não ser aumentar o preço do nosso pão”. 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.