• Capa
  • Ásia e Oceania
  • Doenças, mutações: os crimes da guerra química dos EUA no Vietnã

Crime contra a humanidade

Doenças, mutações: os crimes da guerra química dos EUA no Vietnã

Até hoje nascem vietnamitas com problemas graves de saúde devido aos ataques com armas químicas feitos pelos EUA

Screenshot 2022-08-10 17.34.43

Garoto sofreu alterações genéticas devido ao uso do agente laranja no Vietnã pelas tropas dos EUA – Foto: AP Photo / Richard Vogel

─ Sputnik News ─ Em 10 de agosto de 1961, os EUA iniciaram a guerra química no Vietnã, pulverizando 77 milhões de litros de desfolhantes sobre o Vietnã do Sul até o final de 1971.

Ao longo da década, cerca de três milhões de vietnamitas se tornaram vítimas da dioxina, causadora de várias doenças e mutações genéticas.

Ao todo, 14% do território do Vietnã acabou sendo afetado por este veneno, que levou a consequências trágicas para a terra e a natureza. Quase por completo foram erradicados 500 mil hectares de manguezais e cerca de um milhão de hectares de floresta tropical acabou infectado, junto com 100 mil hectares de bosques. O Exército norte-americano arruinou 70% das plantações de coco e 60% das plantações de seringueiras.

A Sputnik preparou uma seleção de fotos que recorda este crime de guerra que segue deixando sequelas pelo mundo.

Como parte de seu programa de guerra química na operação Ranch Hand, a Força Aérea dos EUA pulverizou 77 milhões de litros do desfolhante agente laranja durante a Guerra do Vietnã.

Dois gêmeos siameses de um ano de idade no Hospital Viet Duc, em Hanói. Este centro era especializado no tratamento de crianças afetadas pelo agente laranja, utilizado pelo Exército norte-americano durante a guerra.

Um membro da Associação de Veteranos com Deficiência da Coreia segura uma imagem que mostra os efeitos nocivos do agente laranja durante um protesto em frente à Casa Branca, em Washington, em 2006.

Sinal de “perigo” próximo da base aérea de Bien Hoa, Vietnã, onde a Força Aérea dos EUA armazenava os barris com o agente laranja. Décadas depois de sua utilização, o solo segue contaminado com dioxina.

Nesta foto, registrada em 2005, aparece Xuan Minh, um garoto de três anos no Hospital Tu Du. O garoto sofreu alterações genéticas devido ao uso do agente laranja no Vietnã pelas tropas dos EUA.

Soldados com equipamentos de proteção realizam procedimentos de descontaminação e desativação de projéteis que não explodiram no aeroporto de Da Nang, no Vietnã. O local foi identificado como um dos “pontos quentes” da contaminação por dioxina.

Nguyen Thuong Hai (à direita), de oito anos, está lendo uma revista em quadrinhos com seu amigo no balanço da Aldeia da Paz de Thanh Xuan, em Hanói, em 2000. Hai é um dos 100 garotos com deficiência mental e/ou física que vivem neste centro, que cuida principalmente das vítimas do agente laranja.

Barris de 200 litros com agente laranja armazenados em uma de suas bases no Vietnã durante a guerra.

Manifestantes em frente à Corte de Apelações dos EUA, em Nova York, exigem uma resposta das empresas norte-americanas que cometeram crimes de guerra ao fornecer desfolhantes químicos tóxicos para utilização durante a Guerra do Vietnã.

Soldados norte-americanos pulverizam desfolhante agente laranja nos campos de arroz durante a Guerra do Vietnã.

Truong Ngoc Diep, de 4 anos, nascido com uma deficiência causada pelo agente laranja, que foi amplamente utilizado pelo Exército norte-americano durante a Guerra do Vietnã. Em 2009, a Suprema Corte dos EUA rejeitou a demanda coletiva de quatro milhões de vítimas do agente laranja, alegando que, apesar dos danos colossais sofridos pelos civis, não se deve culpar os EUA, já que tinham como objetivo usar a substância tóxica como desfolhante.

Uma placa dizendo “área contaminada com dioxinas. Pecuária, criação de aves e pesca são proibidas” em Ho Sen, próximo do aeroporto de Da Nang, onde havia uma base aérea norte-americana durante a guerra.

Leia a edição de hoje do Diário Causa Operária, n. 6.826

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.