Protestos de rua

Trabalhadores enfrentam ditadura imposta por Lasso no Equador

As principais organizações populares do País voltam às ruas sem medo do estado de exceção estabelecido pelo presidente banqueiro para implementar o seu projeto neoliberal.

8084347065 6c492983cb o (2)

O banqueiro no papel de presidente apela para um estado de exceção para impedir as manifestações populares – Foto: Gulllerme Lasso/ Site Flick

Redação do DCO

Na última terça, dia 26 de outubro, os trabalhadores, estudantes e um setor do movimento indígena foram às ruas para protestar contra o plano econômico proposto pelo banqueiro na função de presidente Guillermo Lasso. Diferentemente dos protestos anteriores, realizados em julho, agosto e setembro, estes são os primeiros realizados sob o estado de exceção decretado por Lasso há nove dias.

As manifestações e a greve geral, “o Paro Nacional”, foram convocadas pela Frente Unitária dos Trabalhadores, principal central sindical do país, pela Frente Popular e pela CONAIE (Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador).

Suas reivindicações são o congelamento dos preços do diesel a U$1,50 o galão e da gasolina a U$2,00 o galão, o apoio ao projeto do Código do Trabalho apresentado pela FUT, melhorias dos preços dos produtos agrícolas, mudanças nas políticas extrativistas e a garantia dos direitos coletivos das comunidades indígenas.

Na última sexta-feira, Lasso estabeleceu o congelamento dos combustíveis, mas só depois que autorizou um novo aumento com o diesel passando para US$1,90 e a gasolina a US$2,55. Vale esclarecer que, desde 2000, o país andino adota o dólar como moeda nacional, uma medida defendida no Brasil por alguns economistas tucanos, que provoca uma submissão ao imperialismo. Além disso, a partir de 2020, ainda no governo Lenín Moreno, são realizados aumentos mensais dos combustíveis mesmo sendo um país exportador de petróleo.

A mobilização popular tem recebido a adesão de outras importantes organizações como a Federação de Estudantes Universitários do Equador (FEUE) e a Confederação Nacional de Organizações Camponesas, Negras e Indígenas (FENOCIN) entre outras.

Chegando a cem dias no poder e sem maioria no parlamento e enfrentando manifestações populares cada vez maiores, Guillermo Lasso decretou um estado de exceção por 60 dias com a desculpa de combater o narcotráfico com o uso das forças armadas. Em 30 de setembro, ocorreu um enfrentamento em um presídio que provocou a morte de 119 presos que Lasso usou para justificar o estado de exceção.

O Decreto vai valer inicialmente para nove províncias das 24 existentes: El Oro, Guayas, Santa Elena, Manabi, Los Rios, Esmeraldas, Santo Domingo de los Tsáchilas, Pinchincha e Sucumbios. Com exceção da última, que faz fronteira com a Colômbia, as outras são próximas ao litoral e oito delas o candidato apoiado por ex-presidente Rafael Correa, o economista Andréz Arauz venceu nos dois turnos na eleição presidencial. Nestas províncias, está autorizado o emprego das Forças Armadas para o patrulhamento e revistas por 24 horas com a coordenação das forças policiais. Um prenúncio de um estado ditatorial.

Pelos informes que chegam durante o primeiro dia uma repórter foi agredida, Paloma Morante e dezoito pessoas teriam sido detidas por realizar bloqueios nas estradas. E no final do dia, a marcha na capital Quito foi reprimida com o uso de granadas de gás lacrimogêneo, ainda que os manifestantes reagissem lançando paus e pedras em resposta. O confronto se deu na praça San Domingo a 350 metros do palácio presidencial que estava protegido pelo exército além das tropas especiais da policia.

É necessário que a mobilização popular cresça para inviabilizar o projeto ditatorial de Lasso. Não se deve esquecer que o banqueiro agora presidente piorou ainda mais sua situação com a revelação no escândalo do Pandora Papers que tinha 14 empresas financeiras opacas. Segundo o jornal El País de três de outubro, dez estariam inativas e os seus familiares seriam herdeiros das empresas.  No dia 21 de outubro, o Ministério Público equatoriano abriu uma investigação contra o ditador por fraude fiscal o que pode levar ao reconhecimento que as eleições foram fraudadas.

O importante é que tudo isto incrementa a mobilização popular para que o povo equatoriano consiga superar os efeitos nefastos do projeto neoliberal da burguesia.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.