Abaixo a ditadura

Povo chileno se levanta novamente contra Sebastián Piñera

Dois anos depois, recomeça o levante popular no Chile

chile

Cena da rebelião chilena de 2019 – Foto: Mauricio Arriagada

Redação do DCO

No dia 18 de outubro último, quando completaram-se dois anos do início da insurreição popular chilena de 2019, o povo chileno mais uma vez se levantou.

Apenas nesse dia, o saldo foi de dois mortos e 450 pessoas detidas, marcando o que parece ser a segunda fase do levante popular iniciado em 2019 contra a ditadura direitista de Sebastián Piñera. Em 2019, o estopim da rebelião foi o aumento do preço das passagens de metrô. Porém, como tantas vezes antes na história, em poucos meses o levante havia ultrapassado em muito esses limites e colocou em xeque não apenas o governo de Sebastián Piñera, mas todo o regime político herdeiro da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), talvez a ditadura mais sangrenta e assassina da América Latina.

A ditadura Pinochet foi responsável pela primeira experiência neoliberal da história em um país inteiro. Assim como os figurões dessa ditadura não sofreram punição alguma, inclusive o próprio Pinochet, que virou senador vitalício, nada mais natural que a devastação neoliberal não tenha sido revertida até hoje.

Muito pelo contrário. Foi o avanço dos ataques neoliberais contra as massas que conseguiram transformar uma queixa contra o preço do metrô em uma insurreição que colocou todo o regime político chileno contra a parede. Foi nesse momento que a esquerda poderia ter dirigido o movimento e derrubado o governo Piñera, o que levaria provavelmente à formação de um governo operário. Mas essa esquerda preferiu canalizar toda a revolta para a via institucional, o que desembocou em uma Assembleia Constituinte, que começou seus trabalhos neste ano. O grande problema aqui é que a esquerda não precisava da direita e fez acordo com ela, contendo as massas, o que manteve intacta toda a estrutura do regime político chileno e a propriedade privada capitalista.

Por outro lado, a crise econômica e social se tornou mais profunda e a política de contenção da insatisfação popular dentro dos limites institucionais se esgotou, explicando o novo levante de 2021. O outro lado da moeda dessa agravamento da crise é o crescimento da extrema-direita de José Antonio Kast, mostrando que a época das meias-medidas já acabaram faz muito tempo. A burguesia percebeu isso, mas a esquerda chilena, assim como a do Brasil, parece não ver isso ainda. As massas chilenas deram uma segunda chance para a esquerda. Se ela não organizar as massas e assumir sua responsabilidade, será varrida por uma nova direção dos trabalhadores ou pela extrema-direita.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.