Traidor

Pedro Castillo, o Lenín Moreno peruano

Pedro Castillo, presidente do Peru, tira máscara e se mostra capacho do imperialismo.

pedro castillo mascara chapeu

Pedro Castillo – Foto: reprodução

Redação do DCO

O presidente do Peru, Pedro Castillo, rachou com o seu partido, o Peru Libre. O presidente do país declarava-se marxista durante as eleições e concorreu, de modo bastante acirrado, com Keiko Fujimori, filha do ex-ditador do Peru Alberto Fujimori. Durante as eleições, todo o apoio que recebeu foi baseado no fato de ele ser supostamente radical de esquerda – o Peru vive intensas crises políticas e revoltas contra o sistema estabelecido: para se ter uma ideia, nos últimos 5 anos, o país teve 5 presidentes diferentes.

O cidadão que ganhou as graças de alguns setores da esquerda internacional – setores altamente iludidos e confusos – possui um passado obscuro, pouco conhecido e que levantava dúvidas sobre o seu posicionamento já na época. Ele foi membro de um grupo paramilitar reacionário chamado Ronda. Os rondeiros existiam para combater, militarmente, o Sendero Luminoso, que era um grupo de guerrilhas campesinas no Peru, que ganhou muito destaque durante a ditadura militar de tal país.

Na tentativa de ser aceito pelo imperialismo, Castillo abandonou completamente o programa que foi eleito prometendo defender; rompeu com as lideranças de seu partido e começou a distribuir cargos no governo para a direita. Tal giro político lembra muito o de Lenín Moreno no Equador.

Lenín Moreno era o vice-presidente do governo de Rafael Côrrea, um governo nacionalista burguês que foi golpeado pelo imperialismo. Com a queda do governo de esquerda de Rafael, Lenín Moreno assumiu prometendo manter a plataforma de governo. Enquanto isso, na realidade, ele rompeu completamente com isso: adotou o neoliberalismo, sucateou os serviços públicos, defendeu os interesses imperialistas e, portanto, rompeu também com toda a base popular que ele poderia ter. Sendo altamente odiado, foram levantados gigantescos protestos contra ele e sua política até o fim de seu mandato.

Aqui no Brasil, tentaram chantagear Dilma da mesma forma: como ela negou ser subserviente ao imperialismo, sofreu o golpe de Estado. Em certa medida, o golpe que ela sofreu serve como um indicativo de que, de fato, ela levava adiante uma política de defesa dos interesses da classe operária em alguma medida e, de todo modo, de oposição ao imperialismo. Isso é uma confissão do próprio Michel Temer, que chegou a declarar que se ela tivesse feito a ponte para o futuro, não sofreria o impeachment.

No Peru, Pedro Castillo tenta seguir os passos de Lenín Moreno: abandonar a base popular, ser odiado pelo povo, mas amado pelos banqueiros. Ele arranca as máscaras de “progressista” que um dia usou. No entanto, não há garantia alguma de que a burguesia o abraçará. O governo de Castillo se mostra como inimigo do povo, como extremamente fragilizado e não é possível prever de antemão os resultados desse giro à direita: ou a burguesia o acolherá como novo carrasco da classe operária ou o jogará aos leões em busca de um nome mais forte. Mas, de todo modo, a política marxista é a de combater esses farsantes, de não enterrar a luta no terreno meramente eleitoral – embora, em algum momento, a luta política possa vir a ser tratado também nele, mas nunca nele.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.