Presos assassinados

Morte e prisões em massa são denunciadas em El Salvador

Em 100 dias do Estado de Exceção decretado por Nayib Bukele, 59 pessoas morreram e quase 49.000 foram detidas

el savador prisioneiros (1)

De acordo com o Observatório de Direitos Humanos, as mortes de numerosos presos sob custódia do Estado foram devido a espancamentos em prisões ou celas de prisão – Reprodução

─ TeleSur ─ Em 100 dias do Estado de Exceção decretado por Nayib Bukele, 59 pessoas morreram e quase 49.000 foram detidas.

O Observatório Universitário de Direitos Humanos (OUDH) da Universidade Centro-Americana de El Salvador publicou nesta quarta-feira um relatório sobre os primeiros 100 dias do regime de emergência que governa o país centro-americano desde março passado, que dá conta da morte de 59 detidos sob esse regime.

O documento, denominado “Regime de Exceção 100 Dias em El Salvador” e elaborado pelo Observatório Universitário de Direitos Humanos (OUDH) da Universidade Jesuíta Centro-Americana (UCA), indica que todas as vítimas são homens e que 27,1 por cento estavam entre 18 e 30 anos.

Percentual semelhante eram pessoas entre 31 e 40 anos, 35% tinham 42 anos ou mais e em 10% dos casos não foi possível identificar a idade.

De acordo com a denúncia da UCA, o regime de emergência levou a prisões em massa de pessoas e, em 26 de julho, havia pouco mais de 49.000 pessoas detidas sob ele.

Da mesma forma, referem que do número pouco mais de 1.100 são crianças entre os 12 e os 18 anos e há, além disso, uma diferença de quase 9.000 pessoas detidas entre os dados divulgados pela Polícia e pela Ouvidoria dos Direitos Humanos (PDDH). . , o que viola o disposto na Constituição que diz que todas as prisões devem ser notificadas ao PDDH.

Segundo a pesquisadora Natalia Ponce, do Observatório de Direitos Humanos, “as mortes de presos sob custódia do Estado se devem a espancamentos em presídios ou celas, agressões físicas de outros presos, e também por negligência no atendimento por não tratamento adequado.”

Mais de 49.000 supostos membros de gangues foram capturados em El Salvador durante quatro meses do regime de emergência, uma medida implementada desde o final de março para combater as gangues, conforme revelou na segunda-feira passada o chefe do Ministério da Justiça e Segurança, Gustavo Villatoro.

O regime excecional, aprovado em março e renovado sucessivamente na Assembleia Legislativa em quatro ocasiões, suspende o direito de ser informado dos motivos da sua detenção, bem como os limites da detenção administrativa, entre outros direitos associados à prevenção de detenções arbitrárias.

Leia a edição 6828, de hoje, 12/08/2022 do Diário Causa Operária abaixo:

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.