• Capa
  • América Latina
  • Esquerda vence eleições em Honduras graças à mobilização popular

Confronto com o imperialismo

Esquerda vence eleições em Honduras graças à mobilização popular

Xiomara Castro fez uma campanha baseada na mobilização das massas, de vermelho, com propostas combativas como uma assembleia constituinte

163798502961a1ab0587f65 1637985029 3x2 md (1)

Xiomara Castro em mobilização por sua eleição – Foto: reprodução

Xiomara Castro, candidata do Partido Liberdade e Refundação (Libre), declarou: “revertemos o autoritarismo e o ‘continuísmo'”. “Ganhamos!”, disse, em sua primeira declaração à imprensa, autoproclamando vitória nas eleições presidente de Honduras, na noite desse domingo (28).

Conforme o Conselho Eleitoral do país, Castro tem ─ até a última edição desta reportagem ─ 53,53% dos votos, contra 34,02% do candidato da direita, o prefeito da capital Tegucigalpa, Nasry Asfura (Partido Nacional), com 30% das urnas apuradas.

“Vamos por uma democracia direta, vamos por uma democracia participativa”, afirmou Xiomara, que fez uma campanha baseada na mobilização popular. Ela logicamente aposta também na conciliação de classes, como é natural da esquerda nacionalista latino-americana. Porém, a situação política no país ─ como em todo o continente ─ é de uma polarização que torna difícil a conciliação com a burguesia e o imperialismo, como demonstrou a mobilização das massas populares hondurenhas nesses 12 anos desde o golpe de Estado contra Manuel Zelaya, em 2009.

Xiomara (esposa de Zelaya) não só denunciou o golpe de estado durante o período de campanha eleitoral, mas também prometeu um programa popular contra a ingerência imperialista no país e chamou a população a sair às ruas como forma desmontar o esquema eleitoral que mantém no governo o mesmo partido golpista, o Partido Nacional de Honduras.

Sua candidatura também reflete os esforços da própria esquerda nacional, que, após 2009, organizou um partido nacionalista de esquerda, o Libre, encabeçado pelo próprio Zelaya em seu giro à esquerda.

Dentre seu programa de luta, Xiomara fala em um “socialismo democrático” e prometeu legalizar o aborto no país. Além disso, prometeu voltar a estabelecer um comércio com a China, o que vai completamente na contramão do que é imposto pelo imperialismo, em especial os EUA, no país. Após a promessa de estreitar relações com o país asiático, o governo de Taiwan (governo fantoche do imperialismo) soltou notas dizendo que “a China não cumpre com suas promessas”, nada além do que palavras vazias de sentido real, mas ditas pelo imperialismo.

O tema é importante, pois, após o golpe de estado, Honduras se tornou um dos únicos 15 países no mundo a ter relações diplomáticas com a Ilha Formosa (Taiwan). A eleição de Xiomara se transformaria em um duro golpe contra o imperialismo.

A campanha mobilizou uma ampla parcela da população, se tornando uma das mais acirradas de todos os tempos no país e levando, inclusive, a enfrentamentos físicos e assassinatos (31 pessoas foram mortas nesse período por motivos políticos).

O clima é de extrema tensão e muitos são os indícios de que, mesmo após a vitória, o clima não irá esfriar, com a possibilidade de que haja um clima de guerra civil pelo país, com muitas pessoas tendo estocado alimentos em casa nos últimos dias.

A preocupação do imperialismo é tamanha que os EUA enviaram seu chefe da diplomacia para a América Latina, Brian Nichols, ao país para assegurar que nada saia de seu controle.

A campanha de Xiomara, portanto, se transformou em um exemplo de que não há como a esquerda governar nenhum país da América Latina sem se confrontar fortemente com o imperialismo. É necessário ver o exemplo e segui-lo aqui no Brasil, mobilizando a população contra o golpe de estado e lutando pela candidatura de Lula em 2022.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.