• Capa
  • América Latina
  • Cuba, exemplo no tratamento dos trabalhadores durante a pandemia

Estado operário

Cuba, exemplo no tratamento dos trabalhadores durante a pandemia

País governado pelos trabalhadores garantiu salário a todos os que tiveram de ficar em casa sem trabalhar

cubaaaa (1)

Trabalhadora Cubana – Reprodução

─ Granma ─ Quase dois anos após a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter classificado a Covid-19 como uma pandemia, as perspectivas permanecem sombrias no planeta.

Nem as vacinas contra o coronavírus, criadas de forma acelerada pelos cientistas, nem as repetidas tentativas de muitos países de voltar à normalidade, conseguiram superar a crise econômica global, derivada de uma situação que parece algo próprio de um filme, mas que — como já sabemos — é pura realidade.

Como outra indicação de que as coisas não estão indo bem, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) acaba de declarar em um comunicado que o número de desempregados até 2022 é estimado em 207 milhões de pessoas (5,9% da força de trabalho), um número significativamente superior aos 186 milhões que existiam em 2019.

O documento, assinado por Guy Ryder, diretor-geral dessa agência da ONU, acrescenta que este é um dos efeitos mais severos da pandemia.

Enquanto as análises da devastação do Covid-19 muitas vezes se concentram nos 5,5 milhões de mortes, no número de mortes que pode causar ao corpo humano e nos trilhões de dólares que custou, a OIT adverte que as consequências mais graves incluem também os milhões de pessoas que saíram do mercado de trabalho.

A questão não é nova. Em julho de 2021, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, observou que, segundo as Nações Unidas, 255 milhões de empregos em tempo integral foram perdidos em todo o mundo durante a Covid-19, quatro vezes mais do que na crise financeira de 2007-2009.

O recente comunicado da OIT afirma que, longe de mudar, a taxa oficial de desemprego em 2022 permanece mais alta do que antes da pandemia, e prevê que esta situação continuará até pelo menos 2023.

Como sempre, as nações do Sul suportam o peso e os prognósticos são menos encorajadores, com diferenças acentuadas em comparação com a América do Norte e a Europa.

Entretanto, o exemplo cubano mostra que este não precisa ser o caso.

CUBA NO MAPA GLOBAL

Mesmo quando a pandemia atingiu duramente a Ilha caribenha, reduzindo drasticamente suas principais fontes de renda, como o turismo, Cuba implementou importantes salvaguardas destinadas a proteger os trabalhadores e suas famílias.

Em 1º de abril de 2020, apenas 20 dias após o aparecimento dos primeiros casos de coronavírus no país, o ministério do Trabalho e Previdência Social aprovou as primeiras medidas para a proteção trabalhista da população.

Neste ponto, é difícil encontrar uma casa cubana na qual um de seus membros não tenha sido colocado em quarentena, ou uma mãe que não aproveitou a possibilidade de ficar em casa para cuidar de seus filhos após o ano letivo ter sido suspenso, ou alguém que teve a oportunidade de trabalhar remotamente ou teletrabalhar.

Foi até aprovado o pagamento do salário médio aos trabalhadores (mãe, pai ou parente) que não frequentam o trabalho porque têm que ir ao centro de saúde para a vacinação contra a Covid-19, ao menor encarregado de seus cuidados.

Portanto, falar de garantias em termos de trabalho, salários e previdência social durante os quase dois anos da pandemia é falar de algo que tem tocado a grande maioria dos cubanos.

Em julho do ano passado, o primeiro vice-ministro e ministro da Economia e Planejamento, Alejandro Gil Fernández, declarou que somente no primeiro semestre de 2021, 596 milhões de pesos foram pagos em garantias salariais, contra o orçamento do Estado.

Embora seja fácil dizer, os cubanos sabem bem como tem sido complexo, para um país que em meio à epidemia da Covid-19 também teve que lidar com as 243 medidas que o governo dos Estados Unidos mantém em vigor com o objetivo de sufocar nossa economia.

No entanto, enquanto a OIT adverte que “sem um esforço conjunto e políticas eficazes, tanto em nível internacional quanto nacional, é muito provável que em alguns países sejam necessários anos para reparar os danos», o exemplo de Cuba poderia servir como referência e fonte de esperança, pois embora a COVID-19 tenha sido difícil para todos, tem sido muito mais difícil para esta Ilha bloqueada e assediada.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.