• Capa
  • América Latina
  • Candidata em Honduras fala em “socialismo democrático” e empregos

Eleições

Candidata em Honduras fala em “socialismo democrático” e empregos

Xiomara Castro, do Partido Libertad y Refundación “Libre”, radicaliza seu discurso nacionalista burguês, marcando um avanço na luta do povo hondurenho

Xiomara Castro honduras

Xiomara radicalizou seu discurso nacionalista burguês, desviando de suas tendência moderada – Foto: AFP

Foram iniciadas as preparações iniciais para as eleições em Honduras, que ocorrerão em novembro deste ano. Tal acontecimento ocorre num cenário de 12 anos de golpe de Estado, dado pela polícia e o exército ondurenho em conjunto com o imperialismo norte-americano no ex-presidente Manuel Zelaya, que governou o país de 2006 a 2009.

As eleições que ocorreram desde o golpe foram fraudadas e o país vive uma ditadura ferrenha. A pobreza atinge cerca de 70% da população, casos de corrupção, grandes e pequenos, explodem por todo país, água potável, energia elétrica, transportes e medicamentos são recursos de difícil acesso para a população, sobretudo após os furacões Eta e Iota, ocorridos no final de 2020 — tudo isso em conjunto com a pandemia. A situação, que já era precária devido ao golpe dado em 2009, saiu completamente do controle enquanto a população afunda numa espiral de desgraças.

O atual governo de Juan Orlando Hernández (Partido Nacional) é extremamente impopular e seu partido está no poder desde o golpe descarado em Zelaya. Apoiado pelo imperialismo norte-americano, Hernández foi presidente do Congresso Nacional Hondurenho de 2010 a 2013, tendo então assumido a presidência do país e estado no poder desde então. As eleições ao qual participou foram muito contestadas e, em teoria, Hernandez não poderia ter sido reeleito, como ocorreu em 2017 — por não poder ficar no poder por mais tempo, eleições foram convocadas no país.

Uma das candidatas que mais chama atenção é Xiomara Castro, do Partido Libertad y Refundación “Libre”, que é também esposa do ex-presidente Zelaya. As posições de Xiomara são moderadas e seu partido é de ideologia nacionalista e, mesmo neste cenário, a candidata parece ter radicalizado, ao menos um pouco, seu discurso habitual.

As propostas de Xiomara incluem realizar uma constituinte e formular o que ela chama de “socialismo democrático” — apesar de o tal socialismo democrático representar, na prática, um reformismo dos mais puros, tal proposta, em conjunto com a questão da constituinte, é um avanço no teor do discurso da candidata que, por sua vez, tem caráter moderado. Prometer mudanças efetivas aos trabalhadores e colocar essas possibilidades na mesa durante a campanha de uma eleição presidencial é uma efetiva evolução para políticos como Xiomara — assim como um fio de esperança para o povo hondurenho.

“O programa de governo que proponho preconiza a mudança do obsoleto e esgotado sistema que nos oprime,  a construção da democracia participativa e a sua refundação sobre critérios renovados, nascidos do debate geral”, afirmou a candidata.

“No governo do Libre (partido), a democracia e o poder popular serão a alavanca e o ponto de apoio, as principais ferramentas para alcançar uma distribuição equitativa dos benefícios sociais. Assentará na construção do poder do povo soberano e no funcionamento de mecanismos que garantam uma maior participação nas decisões, para que o povo assuma com as suas próprias mãos a condução do destino coletivo e defenda a nação contra os criminosos.”

O programa de Xiomara ainda inclui propostas como a geração de empregos, a luta ferrenha pelo direito dos trabalhadores e o estabelecimento de relações econômicas com a China.

As ações de Xiomara são exemplos a serem seguidos por figuras como o ex-presidente Lula. Ambos são reformistas moderados mas, mesmo por este caminho, o nacionalismo burguês ainda possui o papel de se radicalizar para, no mínimo, formular programas contra a burguesia e o imperialismo.

Prometer mudanças para os trabalhadores e trabalhar para que  o imperialismo tire suas garras do país é algo que deveria ser levado adiante pelos dois, reforçando seu caráter popular e estabelecendo uma luta contra a direita e a burguesia

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.