Brinquedinho dos banqueiros

Burocracia indígena quer acordo com a direita no Equador

Mais uma vez a principal organização indígena equatoriana trai as suas bases para viabilizar a continuidade de um governo neoliberal no país

48234454517_a526c6b7c5_o

Yazu Pérez, o representante “indigena” nas últimas eleições equatorianas para dividir o voto da esquerda – Azuay Ecológica Prefectura

Na última segunda-feira, foi mais uma vez comprovado que ser indígena não significa ser um lutador contra a opressão da burguesia e do imperialismo. O exemplo vem do Equador através da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE), que declarou a sua vontade de “dialogar” com o presidente neoliberal equatoriano, o banqueiro Guilherme Lasso.

Na nota, a CONAIE exige que o governo Lasso atenda às demandas dos cidadãos tais como fixação de preços dos combustíveis, redução da taxa de desemprego, atendimento à seguridade social e ao seguro rural e alocação dos recursos necessários para a saúde e educação. Ela igualmente diz que participará das mesas de negociação marcadas para iniciar em primeiro de outubro chamadas pelo banqueiro, digo presidente Lasso.

Artigos Relacionados

A organização alerta que poderá optar pela mobilização contra o governo caso não tenha suas demandas atendidas. Ela também assume que vai suspender sua participação nos protestos contra atual governo liberal desde sua posse há quatro meses.

Logo esta burocracia indígena resgata o papel que desempenhado nas imensas manifestações de outubro de 2019 quando praticamente uma insurreição conseguiu a derrubada do governo Lênin Moreno. Esta vitória não aconteceu por que as lideranças da CONAIE, mais correto dizer burocracia, aceitaram um acordo com Moreno que se limitou a volta de um subsídio sobre os combustíveis.

Com o fim da mobilização popular, o governo Moreno se reestruturou, perseguiu as lideranças que não aceitaram o acordo realizado. Contudo que este presidente chegou às eleições de 2021 tão enfraquecido que não quis concorrer à reeleição.

Contudo, da burocracia indígena da CONAIE, saiu o instrumento utilizado pela burguesia para dividir e confundir o eleitorado equatoriano  nas últimas eleições presidenciais, o ex-governador da província de Azuray, na região andina, Yazu Sacha Pérez Guartambel.

Ele foi o representante do Partido Pachakutik que se passa de esquerdista ao se dizer ecossocialista.  Assumindo o papel de ser a novidade a esquerda e uma opção  contra o candidato apoiado por Rafael Correia, o economista Andrés Arauz.

Yazu Pérez é um advogado nascido com o nome de Carlos Ranulfo, passou a usar este nome de origem em quéchua. Ele ganhou destaque nas manifestações de 2015 contra o Rafael Correa como o presidente da ECUARUANARI (Confederação dos Povos da Nacionalidade Kichwa do Equador, um braço da CONAIE), e nas eleições presidenciais de 2017 apoiou o Guillerme Lasso, dizendo preferiria “um governo dos banqueiros” a um ditadura. Além disso, considerou positivos os golpes contra a presidente Dilma e contra Evo Morales, pois seria a derrota da corrupção nestes países.

Não se pode esquecer que no segundo turno a burocracia indígena da CONAIE se posicionou pelo voto nulo, o que na época um voto para a direita visto que não era uma opção dentro da perspectiva de classe contra burguesia e o imperialismo, mas sim um acordo do capacho indígena dos banqueiros e acabou por viabilizar a eleição do atual governo.

Agora a burocracia indígena através da CONAIE acena um acordo para garantir a direita no poder. Ao mesmo tempo Pérez continua na sua função de confundir o eleitorado, pois saiu do partido em que foi candidato para montar um novo movimento no qual “as práticas da velha política não terão espaço” e as preocupações ambientais serão prioritárias, ou seja, o seu papel de dividir a esquerda e o eleitorado equatoriano continuará. Um belo brinquedo com ar de grande esquerdista a serviço do imperialismo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.