Domesticado

Boric toma posse com todo o apoio do imperialismo

Posse do novo presidente do Chile reforçou a sua completa adesão ao imperialismo

boric-e-pinera (1)

Boric inicia seu mandato aliado ao imperialismo – Reprodução

Nesta sexta-feira (11), o recém eleito presidente do Chile, Gabriel Boric, assumiu oficialmente a presidência do país com uma forte cobertura, sobretudo da imprensa internacional, que o classificou como o símbolo da “nova esquerda”. Em seu discurso, Boric enfatizou a necessidade de estabilizar o país após as grandes revoltas populares que marcaram o fim do governo Piñera, como também declarou estar a frente de um “novo governo” de esquerda na América Latina, buscando se diferenciar dos governos nacionalistas, e sinalizando mais uma vez, sua posição em prol do imperialismo.

A cobertura da imprensa internacional enfatizou o lado “diferente” de Boric. No Brasil, a Revista Isto É, enfatizou a mudança de um “revoltado barbudo” no período das mobilizações estudantis, para o “novo Boric”, um jovem presidente, “democrático”, que não usa gravatas e busca promover a participação das mulheres no parlamento.

Abarrotado de uma clara campanha identitária, Boric se dirigiu nas últimas semanas a se colocar como o propagador desta política no Chile, algo comemorado pela esquerda pequeno-burguesa, e é claro, pelo imperialismo. Como se não bastasse, Boric vem deixando bem claro de que lado está na luta contra os Estados Unidos e todo o imperialismo.

Em relação a situação da Venezuela, o recém eleito presidente do Chile fez duros ataques à Maduro, afirmando que o mesmo, assim como diz a campanha da imprensa burguesa, ataca os direitos humanos e promove uma destruição de seu país. Boric atacou Maduro nas redes sociais, como também afirmou que o seu governo, um dos mais populares e anti-imperialistas do continente, seria um “desastre”. Boric também atacou Cuba e Nicarágua, outros pilares importantes da resistência latino-americana.

Sobre o Brasil, o recém eleito citou Lula, porém afirmou ver com bons olhos o golpista Fernando Henrique Cardoso, demonstrando estar disposto a fazer o mesmo que a burguesia chilena sempre fez no país, levando a frente a política neoliberal.

Além disso, o presidente chileno dirigiu seus ataques também à Rússia e ao governo nacionalista de Vladmir Putin, condenando a ação russa na Ucrânia e se colocando, como todo o imperialismo, ao lado do governo de Zelensky que, desde 2014 no poder, tem como um dos principais pilares de sustentação as milícias paramilitares nazistas.

Boric segue o caminho que toda a esquerda pequeno-burguesa brasileira almeja. Em uma aliança com partidos da direita dito “moderada”, com uma retórica identitária e uma campanha de “bom moço” para a imprensa burguesa, Boric é visto por figuras como Guilherme Boulos, no Brasil, como um exemplo a ser seguido, e, pelo imperialismo, como um respiro em meio a verdadeira convulsão social que explodiu por mais de um ano no Chile.

Boric ascendeu como um traidor da mobilização popular, uma figura que enquanto o país ia em direção a uma verdadeira revolução, se colocou como um apoio da burguesia no interior do movimento, para boicotar a mobilização. Boric se opôs às manifestações, se colocando também como um dos principais apoiadores da nova constituinte que, na prática, não mudou nada da constituição que já existia desde a ditadura de Pinochet.

Como não bastasse, Boric vem relutando em garantir liberdade aos mais de mil presos políticos que o governo de Piñera fez durante as manifestações. Suas posições são tão antagônicas aos interesses da população que, durante sua posse, nesta sexta-feira, seu governo colocou como primeiro ato a polícia para reprimir manifestantes que exigiam liberdade para os presos políticos.

A transição de governos também foi pacífica para os interesses do imperialismo, que classifica Boric como um “social democrata moderado”, e que em um gesto de aliança com a direita, aceitou fazer de bom grado a cerimônia de transição abraçando o ditador Piñera, abandonando de vez, a sua imagem de um suposto de líder das manifestações populares.

Boric inicia seu governo em um momento de crise do imperialismo. O governo dos Estados Unidos necessita de aliados na América Latina, considerada pelos mesmos como seu “quintal”, contendo a forte crise que se espalha pelo continente e viabilizando a reorganização do regime imperialista, a medida que os confrontos internacionais contra os países atrasados, como Rússia e China, se aprofundam em larga escala.

Boric já se revelou ser um novo direitista a governar com uma fantasia de esquerdista, graças a campanha identitária. Um novo Lenin Moreno, um homem que colocará na ordem do dia as prioridades do imperialismo e não da população chilena, mostrando na prática a que serve a “nova esquerda” representada no Brasil sobretudo, pelo PSOL.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.