Lacaio do imperialismo

Ao romper com a Venezuela, quem se deu mal foi o Brasil

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada destaca os impactos econômicos para o Brasil do rompimento das relações diplomáticas com a Venezuela

81334828 brasilbrasilia df28 02 2019o presidente da republica jair bolsonaro recebe o a

O Brasil deu apoio logístico às tentativas de invasão da Venezuela e apoiou as medidas do imperialismo contra o regime chavista – Reprodução

No começo de 2019, meses após tomar posse no governo federal, o presidente fascista Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) rompeu as relações diplomáticas com a Venezuela. Um documento elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), intitulado “Brasil-Venezuela: evolução das relações bilaterais e implicações da crise venezuelana para a inserção regional brasileira, 1990-2021”, divulgado nesta sexta-feira (26), revela os impactos negativos dessa medida.

O texto alerta para os prejuízos econômicos que resultaram da ruptura das relações com a nação vizinha. Este país deve cerca de US$800 milhões por empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Nos próximos anos, a falta de pagamento pode alcançar a cifra de US$2 bilhões. A ruptura das relações coloca em suspensão os pagamentos, uma vez que não há relacionamento entre os dois governos. Por sua vez, o Brasil fechou suas embaixadas em Caracas.

O estado de Roraima, localizado numa região fronteiriça, foi particularmente afetado. O fim da importação da energia elétrica da Venezuela, em março de 2019, obrigou o estado a gastar cerca de US$ 275 milhões por ano para acionar as usinas termelétricas a diesel, sendo que elas são mais caras e poluentes. Antes do rompimento, Roraima gastava US$ 50 milhões anuais em importação de energia.

Chile, Equador e Uruguai têm governos que não manifestam simpatias pelo regime político chavista de Nicolás Maduro (PSUV).  Entretanto, estas nações mantêm atividade diplomática, com consulados e embaixadas abertos em Caracas.

É importante destacar que um fator que aprofundou o desgaste e o rompimento das relações entre os dois países foi o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela por parte do governo brasileiro. A política externa do Brasil se direciona ativamente à desestabilização do vizinho desde o golpe de Estado de 2016. O governo Bolsonaro forneceu apoio logístico a uma tentativa de invasão da Venezuela já no seu primeiro ano. Inclusive, cogitou-se uma invasão militar da Colômbia com apoio das forças armadas brasileiras.

O governo Bolsonaro é um capacho do imperialismo mundial, em particular dos Estados Unidos, na América do Sul. Houve denúncias de participação de autoridades brasileiras na organização e execução do golpe de Estado de 2019 na Bolívia.

O governo chavista é vítima de uma política de desestabilização através da imprensa capitalista, cerco diplomático e bloqueio econômico e comercial por parte do imperialismo. Em diversas ocasiões, o regime bolivariano teve de colocar o País – forças armadas bolivarianas, milícias populares e o conjunto do povo – de prontidão para uma possibilidade de invasão militar dos Estados Unidos. Provocações foram feitas nesse sentido, inclusive com a aproximação de forças navais americanas da costa venezuelana.  

A questão central do imperialismo em relação à Venezuela é a tomada de suas reservas de petróleo. Os discursos do imperialismo e seus lacaios sobre a necessidade de “restabelecer a democracia” são uma fachada para esconder os verdadeiros interesses políticos e econômicos. A política de golpe de Estado, destinada a forçar uma mudança de regime, só pode ter como consequência a instauração de uma ditadura pró-imperialista contra o povo e a entrega das riquezas naturais, privatizações, retirada de direitos sociais e trabalhistas e destruição das conquistas dos governo bolivarianos.

É fundamental a mobilização das massas por um governo dos trabalhadores no Brasil, que coloque fim à política de desestabilização da Venezuela implementada pela direita golpista e continuada pelo bolsonarismo. A única política exterior que gere benefícios aos dois países é a integração política, econômica e cultural e a união em função da luta contra as ingerências do imperialismo e em defesa da soberania nacional.  

O imperialismo tem de intensificar a ofensiva contra os países atrasados no contexto de crise capitalista. No caso em tela, a questão central é o petróleo. A Venezuela detém uma das maiores – senão a maior – reservas de petróleo do mundo. Isso lhe confere uma importância estratégica nas relações internacionais e na economia.

O golpe de Estado de 2016 e a fraude eleitoral de 2018 procuraram desmontar os mecanismos de integração política e econômica entre os dois países. Exemplos destes mecanismos foram a criação da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) pelos governos nacionalistas. O governo Bolsonaro rompeu com a política de defesa da soberania nacional e alinhou a política externa do País com os interesses do imperialismo norte-americano.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.