Jornalista assassinada

Investigação aponta culpa de israelenses

Investigação independente aponta que a culpa do assassinato muito provavelmente foi por fogo israelense

al-jazeera-journalist-shireen-abu-akleh-killed-in-west-bank-network-accuses-israeli-authorities-of-a-blatant-murder-780x470 (1)

Velório da jornalista Abu Akleh – Foto: Reprodução

Enquanto Israel e os palestinos discutem sobre a investigação sobre o assassinato do jornalista da Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, vários grupos independentes lançaram suas próprias investigações. Uma equipe de pesquisa de código aberto disse que suas descobertas iniciais apoiaram testemunhas palestinas que disseram que ela foi morta por fogo israelense.

O resultado dessas investigações pode ajudar a moldar a opinião internacional sobre quem é o responsável pela morte de Abu Akleh, principalmente se uma investigação militar oficial israelense se arrastar. Israel e os palestinos estão presos em uma guerra de narrativas que já colocou Israel na defensiva.

Artigos Relacionados

Abu Akleh, um palestino-americano e veterano de 25 anos do canal via satélite, foi morto na quarta-feira passada enquanto cobria um ataque militar israelense no campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia ocupada. Ela era um nome familiar em todo o mundo árabe, conhecida por documentar as dificuldades da vida palestina sob o domínio israelense, agora em sua sexta década.

O secretário de Estado, Antony Blinken, disse no domingo que conversou com a família de Abu Akleh para expressar condolências e respeito por seu trabalho “bem como a necessidade de uma investigação imediata e confiável” sobre sua morte.

Autoridades e testemunhas palestinas, incluindo jornalistas que estavam com ela, dizem que ela foi morta por fogo do exército. Os militares, depois de inicialmente dizerem que homens armados palestinos poderiam ter sido os responsáveis, mais tarde voltaram atrás e agora dizem que ela também pode ter sido atingida por disparos israelenses errôneos.

Israel pediu uma investigação conjunta com os palestinos, dizendo que a bala deve ser analisada por especialistas em balística para chegar a conclusões firmes. Autoridades palestinas se recusaram, dizendo que não confiam em Israel. Grupos de direitos humanos dizem que Israel tem um histórico ruim de investigar irregularidades de suas forças de segurança.

Depois de dizer mais cedo que aceitaria um parceiro externo, os palestinos disseram no final do domingo que lidariam com a investigação sozinhos e apresentariam resultados muito em breve.

“Também nos recusamos a fazer uma investigação internacional porque confiamos em nossas capacidades como instituição de segurança”, anunciou o primeiro-ministro Mohammed Shtayyeh. “Não entregaremos nenhuma das provas a ninguém porque sabemos que essas pessoas são capazes de desfazer os fatos.” Ele ficou com o irmão de Abu Akleh, Anton, e o chefe do escritório local da Al Jazeera, Walid Al-Omari.

Com os dois lados em desacordo sobre a investigação de Abu Akleh, vários grupos de pesquisa e direitos humanos lançaram suas próprias investigações.

No fim de semana, Bellingcat, um consórcio internacional de pesquisadores com sede na Holanda, publicou uma análise de evidências de vídeo e áudio coletadas nas mídias sociais. O material veio de fontes militares palestinas e israelenses, e a análise analisou fatores como carimbos de hora, locais dos vídeos, sombras e uma análise forense de áudio de tiros.

O grupo descobriu que enquanto homens armados e soldados israelenses estavam na área, as evidências apoiaram relatos de testemunhas de que o fogo israelense matou Abu Akleh.

“Com base no que pudemos analisar, as IDF (soldados israelenses) estavam na posição mais próxima e tinham a linha de visão mais clara para Abu Akleh”, disse Giancarlo Fiorella, pesquisador principal da análise.

A Bellingcat está entre um número crescente de empresas que usam informações de “código aberto” , como vídeos de mídia social, gravações de câmeras de segurança e imagens de satélite, para reconstruir eventos .

Fiorella reconheceu que a análise não pode ser 100% certa sem evidências como a bala, as armas usadas pelo exército e as localizações por GPS das forças israelenses. Mas ele disse que o surgimento de evidências adicionais normalmente reforça conclusões preliminares e quase nunca as anula.

“Isso é o que fazemos quando não temos acesso a essas coisas”, disse ele.

O grupo israelense de direitos humanos B’Tselem disse que também está realizando sua própria análise. O grupo na semana passada desempenhou um papel fundamental no recuo dos militares de suas alegações iniciais de que homens armados palestinos pareciam ser responsáveis ​​por sua morte.

A alegação israelense foi baseada em um vídeo de mídia social em que um atirador palestino atira em um beco de Jenin e, em seguida, outros militantes vêm correndo para alegar que atiraram em um soldado. O exército disse que, como nenhum soldado foi ferido naquele dia, os atiradores poderiam estar se referindo a Abu Akleh, que usava um capacete de proteção e colete à prova de balas.

Um pesquisador do B’Tselem foi até a área e fez um vídeo mostrando que os atiradores palestinos estavam a cerca de 300 metros de onde Abu Akleh foi baleado, separados por uma série de muros e becos.

Dror Sadot, porta-voz do grupo, disse que B’Tselem começou a coletar depoimentos de testemunhas e pode tentar reconstruir o tiroteio com vídeos da cena. Mas ela disse que, neste momento, não foi possível chegar a uma conclusão sobre quem estava por trás do tiroteio.

Sadot disse que qualquer bala precisaria corresponder ao cano da arma. Os palestinos se recusaram a liberar a bala, e não está claro se os militares confiscaram as armas usadas naquele dia.

“A bala por si só não pode dizer muito” porque poderia ter sido disparada por qualquer um dos lados, disse ela. “O que pode ser feito é combinar uma bala com o cano”, disse ela.

Os militares israelenses não responderam aos pedidos de entrevista para discutir o status de sua investigação.

Jonathan Conricus, ex-porta-voz militar israelense e especialista em assuntos militares, disse que reconstruir um tiroteio em um terreno urbano densamente povoado é “muito complexo” e disse que evidências forenses, como a bala, são cruciais para chegar a conclusões firmes. Ele acusou a Autoridade Palestina de se recusar a cooperar para fins de propaganda.

“Sem a bala, qualquer investigação só poderá chegar a conclusões parciais e questionáveis”, disse Conricus. “Pode-se supor que a estratégia da Autoridade Palestina é exatamente essa: negar a Israel a capacidade de limpar seu nome, enquanto alavanca a simpatia global pela causa palestina.”

Enquanto isso, a polícia israelense no fim de semana lançou uma investigação sobre a conduta dos policiais que atacaram os enlutados no funeral de Abu Akleh, fazendo com que os carregadores do caixão quase derrubassem seu caixão .

Os jornais de domingo estavam cheios de críticas à polícia e ao que foi retratado como um desastre de relações públicas.

“As filmagens de sexta-feira são o oposto de bom senso e paciência”, escreveu o comentarista Oded Shalom no jornal Yediot Ahronot. “Ele documentou uma exibição chocante de brutalidade e violência desenfreadas.”

Nir Hasson, que cobre os assuntos de Jerusalém para o jornal Haaretz, disse que os problemas são muito mais profundos do que a imagem de Israel.

“Esta foi uma das expressões visuais mais extremas da ocupação e da humilhação que o povo palestino vive”, escreveu ele.

___

Os escritores da Associated Press Tia Goldenberg em Tel Aviv, Israel, e Matthew Lee em Berlim contribuíram para este relatório.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.