Ahmad Manasra

Cresce o apelo pela libertação do menino prisioneiro palestino 

Manasra, que sofre de problemas de saúde mental, está apelando da rejeição de seu pedido de liberdade condicional

ahmad (1)

Ahmad Manasra foi preso pelas autoridades israelenses quando tinha 13 anos – Reprodução

─ Aljazeera.com ─ Os palestinos estão aumentando os pedidos pela libertação de Ahmad Manasra, que foi preso e interrogado em circunstâncias horríveis aos 13 anos, antes de ser preso por Israel, e atualmente sofre de sérios problemas de saúde mental.

Uma audiência para revisar o caso de Manasra, agora com 21 anos, foi realizada no tribunal distrital de Beer Sabaa (Beersheva) na tarde de quarta-feira.

Os advogados de Manasra apelaram ao tribunal contra a rejeição de um comitê especial da prisão ao pedido anterior de Manasra para que seu caso fosse revisado por um comitê de liberdade condicional depois de cumprir seis anos de sua sentença de nove anos.

Logo após a audiência, um dos advogados de Ahmad, Khaled Zabarqa, disse que o tribunal decidiu que o comitê deve revisar seu caso e ouvir os argumentos do advogado. Não está claro quando a sessão do comitê será realizada.

De acordo com os regulamentos, os presos que cumpriram dois terços de suas sentenças são elegíveis para esta revisão. O comitê originalmente rejeitou a análise de seu arquivo com base no fato de que era um caso de “terrorismo” – para o qual tais regulamentos não se aplicam.

“Estas são todas tentativas de tentar mudar as condições em que ele está, mesmo que o tiremos apenas alguns dias antes”, disse seu tio, que compartilha o mesmo nome, à Al Jazeera.

Ahmad Manasra foi inicialmente condenado a 12 anos de prisão, depois reduzido para nove anos, por estar com seu primo Hassan Manasra, que supostamente esfaqueou dois colonos israelenses perto do assentamento ilegal de Pisgat Ze’ev em Jerusalém Oriental ocupada em 2015.

Hassan, que tinha 15 anos na época, foi morto a tiros por um civil israelense, enquanto Ahmad foi severamente espancado por uma multidão israelense e atropelado por um motorista israelense, sofrendo fraturas no crânio e hemorragia interna.

Um vídeo mostrando Ahmad Manasra sangrando no chão e ofegando por ajuda, enquanto espectadores israelenses gritavam e xingavam o menino, dizendo-lhe para “morrer”, atraiu ampla atenção e indignação. Outro vídeo de Manasra passando por um duro interrogatório israelense após o incidente causou ainda mais raiva.

Apesar de não ter participado do ataque – que os tribunais reconheceram – Manasra foi acusado de tentativa de homicídio .

No momento da prisão de Manasra, a lei israelense afirmava que crianças menores de 14 anos não podiam ser responsabilizadas criminalmente.

Para contornar isso, as autoridades israelenses esperaram até Manasra completar 14 anos para sentenciá-lo, antes que a lei fosse alterada pelo governo em agosto de 2016.

A nova lei afirma que é permitido “aprisionar um menor condenado por crimes graves, como homicídio, tentativa de homicídio ou homicídio culposo”.

Saúde mental

Manasra foi mantido em confinamento solitário nos últimos cinco meses, o que só piorou sua condição de saúde mental , cujos sinais começaram a aparecer cerca de um ano e meio atrás, de acordo com o advogado de Manasra, Khaled Zabarqa, e seu tio.

Em dezembro de 2021, um médico externo foi autorizado a visitar Manasra pela primeira vez desde sua prisão. O médico, psiquiatra dos Médicos Sem Fronteiras (MSF), emitiu um relatório médico, que desde então foi anexado ao arquivo do caso, afirmando que Manasra sofre de esquizofrenia.

“Sua saúde mental está se deteriorando dentro da prisão. Fica chorando, imagina coisas e situações que não existem, confunde a fala”, disse o tio de Manasra. “Já estive na prisão e vi casos como esse – achávamos que era uma fase que ia passar – mas ele só está piorando.”

“Devemos usar as ferramentas que estão à nossa disposição”, disse Zabarqa à Al Jazeera, embora admitindo que não esperava um resultado positivo dos tribunais israelenses.

“Ahmad deveria ter sido solto há muito tempo”, acrescentou Zabarqa, notando a não participação de Manasra no ataque.

“Ele está sofrendo, é um doente mental crônico e há um perigo real para sua vida. A última vez que o visitei, há três semanas, ele me perguntou se tenho certeza se é ilegal no Islã que as pessoas [se matem]”, disse Zabarqa.

Campanha global

A Rede Palestina-Global de Saúde Mental lançou uma campanha no mês passado pedindo a libertação imediata de Ahmad, o que gerou repercussão nas mídias sociais sob a hashtag #FreeAhmadManasra.

Uma petição online tem mais de 178.000 assinaturas até agora.

“Queremos atestar o fato de que Ahmad foi submetido a castigos e abusos contínuos, múltiplas torturas físicas, psicológicas e sociais, incluindo privação de conectividade familiar, visitas e comunicação com seus pais e irmãos e recente confinamento solitário”, disse o comunicado. Network disse em um comunicado de 6 de março.

Bilal Odeh, um dos organizadores da campanha e especialista social e psicológico, disse que a saúde mental de Manasra está “altamente prejudicada como resultado da tremenda pressão que foi colocada sobre ele desde sua prisão violenta [e] as violações de seu direito como criança. ”.

“Sua saúde mental se deteriorou severamente no último período, como resultado de seu confinamento solitário contínuo”, disse Odeh à Al Jazeera.

Odeh disse que as autoridades prisionais israelenses tornaram muito difícil obter informações médicas sobre Manasra, e que o relatório do médico que diagnostica o caso de Manasra como esquizofrenia não pode ser admitido como um relatório médico oficial.

“Há uma necessidade séria de liberá-lo imediatamente, para que ele possa receber o apoio psicológico de que precisa, estar com sua família e diminuir seu sofrimento e o de sua família”.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.