Bruxelas

80.000 trabalhadores vão às ruas contra ação belga na Ucrânia

Em resposta à inflação, manifestantes afirmam que governo belga deve se preocupar com seu povo, e não com a guerra na Ucrânia

1440x810_cmsv2_7308b59d-4cac-566a-8716-719510c8e954-6283858

Trabalhadores belgas vão às ruas de Bruxelas denunciar a crise econômica do país e o o servilismo do país à política imperialista – Foto: Reprodução

Trabalhadores belgas e sindicatos foram às ruas de Bruxelas, capital da Bélgica, protestar contra a crise inflacionária e o envolvimento do país na guerra da Ucrânia, à mando do imperialismo. A polícia informou que o protesto atraiu 70.000 pessoas, mas, segundo as organizações sindicais, o número de manifestantes girou em torno de 80.000. Já outros meios de comunicação falam em até 100.000 manifestantes.

A crise econômica pela qual passa o país, denunciada pelo grande ato, se manifesta de maneira grave no salário mínimo e na diminuição do poder de compra dos trabalhadores. Setores como alimentação, o gás, combustível e condições de vida de uma maneira geral, estão chegando a preços absurdos. Para levar a questão ao extremo, a posição imperialista dos Estados Unidos e da União Europeia em relação à guerra na Ucrânia está levando vários países da Europa ao colapso econômico, devido à dependência do mercado europeu ocidental aos russos.

Em entrevista ao portal Euronews, Abigail Urban, uma trabalhadora do setor de serviços gerais que cria quatro filhos, declarou:

“Todos os dias tenho de escolher entre pôr combustível para ir trabalhar, alimentar a minha família ou aquecê-la, principalmente durante o inverno. Participo [do ato] porque precisamos de liberdade sindical, de negociar, de fazer as coisas avançar. As pessoas estão prestes a morrer por causa da precariedade, porque está tudo aumentando, menos os salários”

Tudo isso demonstra a profundidade da derrocada do imperialismo e a crise ampla em que o capitalismo está metido, entrando em colapso geral.

No ato, foi registrada a presença de denúncias em cartazes e faixas que diziam: “dinheiro para os salários e não para a guerra” e “A Bélgica não é escrava”.  Os trabalhadores belgas reivindicam, de maneira acertada, que a preocupação do governo deve ser com os seus salários que estão sendo vítimas da inflação, e traduzem as péssimas condições que o povo belga está passando, e não com a guerra na Ucrânia. O cartaz que denuncia uma “Bélgica escrava” se refere ao financiamento que o governo envia aos exércitos ucranianos, prestando serviço aos imperialistas da OTAN, enquanto o povo é abandonado às loucuras da crise.

Thierry Bodson, presidente da Federação Geral do Trabalho da Bélgica (FGTB), também teve sua entrevista reproduzida pelo Euronews, e chama muito a atenção sua preocupação em denunciar o autoritarismo do governo belga:

“Atualmente, o simples fato de participar de um piquete de greve ou de bloquear a circulação é suficiente, de acordo com o Código Penal, para condenar uma pessoa, nomeadamente a prisão com pena suspensa”

O imperialismo esconde a verdade por trás de uma cortina de fumaça, construída através de órgãos de imprensa financiados por grandes empresários capitalistas e governos imperialistas. Os europeus estão passando maus bocados por conta da guerra na Ucrânia, isso revela algo que este diário vem denunciando: a derrocada do capitalismo imperialista.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.