Luta Armada

Há 50 anos, Lamarca era assassinado durante Operação Pajuçara

50 anos atrás, Carlos Lamarca e seu companheiro, Zequinha, foram assassinados friamente pelas mãos do regime militar na Operação Pajuçara.

Lamarca ensina uma jovem moça a atirar – Foto: Reprodução

Redação do DCO

Nascido no ano de 1937, Carlos Lamarca foi um Capitão do exército brasileiro que desertou no ano de 1969, em plena ditadura militar. Após o ocorrido, Lamarca tornou-se um dos comandantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), uma das organizações de esquerda que participaram da luta armada contra os milicos.

Nos três anos em que esteve na militância armada, Lamarca e seu grupo foquista realizaram várias ações na ditadura, entre elas está a guerrilha no Vale do Ribeira e o sequestro do embaixador suíço, que foi trocado por 70 presos políticos.

Artigos Relacionados

Após suas ações com a VPR, Lamarca ingressou para o Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8) em março de 1971, organização de sua esposa, Lara, e de Carlos Marighella.  

Porém, seu destino final começou a ser traçado ainda em agosto do mesmo ano, quando um dos membros do MR-8, Carlos Benjamin, enquanto fugia da polícia, deixou seu carro em Ipanema onde haviam várias cartas de Lamarca para Lara e seu diário. A partir de tais informações, os militares aprofundaram suas buscas pelo paradeiro de Carlos. 

Antes de assassinar Lamarca, o governo militar matou a sangue frio sua esposa, Lara, morta a tiros em uma sala cheia de gás lacrimogêneo. 

A chamada Operação Pajuçara, em homenagem à praia maceioense, foi organizada pelo DOI-CODI baiano e contou com um efetivo militar total de 215 soldados com membros das 3 forças armadas, policiais militares, civis e federais e também com 18 membros do EAS. 

O comandante da operação era o major Nilton Cerqueira, um dos carrascos da ditadura.

No dia 28 de agosto, os militares sob comando de Cerqueira invadiram Buriti, onde se escondia Carlos Lamarca e outros guerrilheiros. Lamarca e um companheiro, Zequinha, estavam em um acampamento próximo da casa onde estavam abrigados os outros. Os homens de Cerqueira e Fleury – outro fascista sanguinário -, que se fez presente na captura, surpreenderam os vários militantes que estavam na casa, boa parte foi assassinada e/ou torturada.

Lamarca e Zequinha ouviram os tiros disparados em seu acampamento e fugiram pela mata e pelas montanhas baianas. Somente na primeira noite, os dois percorreram cerca de 9 quilômetros a pé, após serem denunciados por um povoado, apressam sua marcha e entram novamente na caatinga.

A fuga se deu por cerca de 20 dias e cerca de 300 km foram percorridos, até que Lamarca e Zequinha chegam próximos do município de Pintada, no distrito de Ibipetum, onde ambos, após descansarem nas adjacências de um pequeno povoado, foram denunciados novamente e surpreendidos pelas forças de repressão estatal. 

Zequinha chegou a tentar correr mas foi fuzilado pelos militares, o mesmo aconteceu com Lamarca enquanto ele se levantava. Carlos foi assassinado com 7 tiros.

Ambos assassinados pela ditadura.  Foto: Reprodução

Seus corpos foram carregados em pedaços de madeira e jogados em uma caminhonete que os levou até a base aérea de Salvador, BA. Os olhos de Carlos Lamarca e Zequinha ainda estavam abertos quando foram tiradas as fotos de seus corpos no chão de cimento da base.

“Por determinação do presidente da República, qualquer publicação sobre Carlos Lamarca fica encerrada a partir da presente data, em todo o país. Esclareço que qualquer referência favorecerá a criação do mito ou deturpação, propiciando imagem de mártir que prejudicará interesses da segurança nacional.”, essa foi a notícia dada pelo diretor de censura em todos os meios de comunicação no dia 22 de setembro de 1971.

Mesmo com uma política confusa e desastrosa, Carlos Lamarca ainda é um símbolo da luta contra a ditadura militar. Um guerrilheiro que teve a coragem e determinação de pegar em armas para lutar contra a opressão e a censura imposta pelo reacionário e atrasado exército brasileiro.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.