Menu da Rede

nat247chat

Natália Pimenta comemora vida inteligente na esquerda

  • Capa
  • Política
  • Saíram os dados: PSDB e Bolsonaro devastaram o Brasil

A direita é inimiga do povo

Saíram os dados: PSDB e Bolsonaro devastaram o Brasil

Fome, pobreza, desemprego: tudo aumentou desde o golpe de estado, levando a população a uma miséria ainda maior, resultado dos ataques da direita

Bolsodoria em 2018, com uma menção honrosa ao boneco do Lula presidiário no canto da foto – Foto: Aloisio Mauricio/FotoArena

Receba o DCO no Email

Um levantamento da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) expôs, em números, a situação de desgraça do povo brasileiro. Fome, desemprego, não ter um lugar para morar — todos esses e diversos outros problemas foram representados em dados e deixaram claro os motivos de sua existência: PSDB e Bolsonaro.

O levantamento do órgão estatal é feito a cada quatro anos como anexo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) e Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF). Tendo sido realizada em 1.662 domicílios urbanos e 518 rurais, a pesquisa foi feita há alguns meses, o que significa que a situação atualmente é ainda pior.

Fome e insegurança alimentar

Os índices de fome no Brasil foram os que mais chamaram atenção nos dados publicados: cerca de 20 milhões de pessoas passam 24h ou mais sem comida, e 24,5 milhões não sabem como irão se alimentar ao longo do dia, já tendo diminuído a qualidade dos alimentos que normalmente consomem — outras 74 milhões de pessoas são incertas sobre sua condição e temem passar por essa situação em breve. Em dezembro de 2020, 55% dos brasileiros sofriam algum tipo de insegurança alimentar.

Nas regiões mais pobres do Norte e do Nordeste, a fome chega a afetar 18% e 14% dos domicílios, respectivamente, isso considerando que a média nacional é 9%. Já no centro-oeste, terra do latifúndio, aproximadamente 33% das famílias sofrem de insegurança alimentar leve.

De acordo com uma pesquisa do Datafolha realizada para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, a população brasileira vem se alimentando cada vez mais com alimentos ultraprocessados durante a pandemia, diminuindo a qualidade dos alimentos que consomem —  a faixa etária que mais mudou neste sentido foi a de 45 a 55 anos, passando de 9% para 16%.

Outro dado interessante é que, de acordo com dados do IBGE, a insegurança alimentar dos brasileiros vinha diminuindo desde 2004, e passou a aumentar novamente em 2014 —  não coincidentemente, com o golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff já em curso.

De acordo com os cálculos do Procon-SP e do Dieese, o valor de uma cesta básica no início do governo Bolsonaro equivalia a 71% do salário mínimo e, no fim de agosto deste ano, chegou a 98% — neste período o preço dos produtos na cesta aumentaram 52%, enquanto o salário mínimo aumentou 10%, um valor insignificante frente ao fatos que acabamos de apresentar, considerando o aumento de praticamente tudo que deve precisa pago pela população.

Desemprego, renda e inflação

De acordo com o IBGE, o número de brasileiros que trabalham por conta própria bateu um recorde no primeiro trimestre de 2021, englobando cerca de 24,8 milhões de pessoas, número que inclui trabalhos formais (um empreendimento) e informais (qualquer jeito que a população encontre de arranjar dinheiro). Cerca de 28%  dos 87,7 milhões de pessoas que trabalham no Brasil o fazem por conta própria — em 12 estados, esse número passa dos 30%. É importante ressaltar que grande parte desse número consiste em trabalhadores informais, que simplesmente não conseguem um emprego e precisam se virar para sobreviver, tendo a situação dessas pessoas piorado muito durante a pandemia.

Mas a razão do problema é encontrada sobretudo na política aplicada no país pelos neoliberais —  a reforma trabalhista e a CLT verde e amarela, por exemplo, foram grandes responsáveis pela retirada de direitos e a precarização das condições de trabalho, facilitando a vida do patrão enquanto esmaga o trabalhador.

De acordo com a FGV Social, desde 2014, na metade mais pobre do Brasil, o rendimento domiciliar real per capita do trabalho caiu de R$ 249 mensais para R$ 172, em média — a diminuição foi intensa, e já é sabido que a maior parte da renda dos mais pobres é gasto em alimentos, transporte e moradia. Os empregos informais e com péssima remuneração são os predominantes entre os mais pobres. A pobreza extrema — renda domiciliar per capita inferior a R$ 261, de acordo com a FGV Social — atinge 27, 4 milhões de brasileiros. 

A inflação acumulada entre o fim de 2014 e setembro deste ano foi de 47,5%. Desde julho de 2018, quando foi realizado o último reajuste no valor médio dos benefícios do Bolsa Família, a inflação medida pelo IPCA acumula alta de 18%, sendo inclusive maior para pessoas de baixa renda — é importante lembrar que desde o final de 2020 o aumento na inflação foi muito significativo, tendo provocado momentos como a explosão no preço do arroz ocorrido na metade do ano.

Outro fator a ser conectado é a alta do dólar, que não desce do patamar de 5 reais há tempos, impactando em tudo relacionado a importações e, consequentemente, a vida da população como um todo.

Energia elétrica, água, gás — tudo aumentou, e muito tem a ver também com as privatizações, as quais o PSDB, sobretudo, tem um mérito grande para se gabar. Fernando Henrique Cardoso, apesar de não estar mais no governo, deixou os filhotes de seu partido, como João Doria e Eduardo leite (além de outras figuras da direita que são apêndices do PSDB), continuarem seu legado em diversas parte do país, privatizando, junto com Bolsonaro e Paulo Guedes, a Petrobras, a Eletrobras, os Correios, diversas áreas de lazer, aeroportos e muitos outros setores essenciais da sociedade — tudo isso, claro, por uma pechincha inimaginável.

Favelas

O alto desemprego e a queda de renda impactou não só na insegurança alimentar, mas também na procura de moradias mais baratas, um elemento essencial para a população. Segundo estimativa do IBGE, o número de favelas dobrou entre 2011 e 2019. No primeiro eram 6.329 em 323 municípios, enquanto no segundo estes números passaram para 13.151 favelas em 734 cidades. As moradias, caracterizadas pela falta de estrutura, saneamento básico e dignidade para a população, saltaram de 3,2 milhões para 5,1 milhões no período.

Ainda segundo o IBGE, um em cada quatro desses domicílios fica em São Paulo e no Rio de Janeiro. Apesar disso, cidades como Belém, Manaus e Salvador abrigam uma proporção bem maior de domicílios precários, contanto com 55,5%, 53% e 42% desses elementos em sua região, respectivamente.

Não é nem mesmo preciso relatar quanto a vida de alguém piorou (e pode piorar) para precisar mudar-se para uma favela. A violência, a falta de saneamento básico, a falta de renda, o descaso do Estado, a falta de acesso a serviços públicos e todos os outros problemas descritos acima são um agravante significativo, e os números não são pequenos.

A proposta do PCO

Não por uma mera coincidência, todos estes fatores se agravaram no período pós-golpe, indicando alguns dos motivos pelo qual este ocorreu.

A onda de privatizações é precedida por uma série de ações para sucatear a estatal em questão, piorando seus serviços propositalmente e utilizando isso como motivo para privatizar, sem mencionar nada significativo que o país ou a população ganharia em troca. As estatais são vendidas a preço de banana e, no fim das contas, tudo relacionado a elas aumenta. Algo como a energia elétrica, por exemplo, aumenta em “muitos %” de uma vez, o que acaba por impactar em diversos outros setores, como o de alimentos, fazendo o preço de diversas outras coisas subirem.

As reformas (previdência, administrativa, trabalhista, etc.) são outro ponto a ser abordado, uma vez que fazem parte de uma série de medidas tomadas para beneficiar banqueiros e grande capitalistas, cortando salários, retirando direitos fundamentais, retirando a aposentadoria do trabalhador, aumentando os benefícios da burguesia, etc.

É importante ressaltar também que essa política, orquestrada pelos entreguistas do PSDB e pelo capacho Bolsonaro, favorecem muito o capital estrangeiro e asseguram a dominação imperialista no país, fazendo com a que a população brasileira tenha que se subordinar a política de países como os EUA para poder sobreviver.

Tudo isso foi muito bem orquestrado pela burguesia  e pela direita, sua porta-voz. Já são 5 anos de golpe que resultou na prisão do ex-presidente Lula e no aumento de todas as desgraças pela qual a população vive, transformando o Brasil num verdadeiro quintal do imperialismo.

A situação só piora e parece que estamos em um beco sem saída. Entretanto, é preciso que, para que isso seja resolvido, a esquerda e a população se juntem em torno da candidatura de Lula, uma vez que este é o candidato mais popular atualmente, e o único com chances de derrotar Bolsonaro. Capachos do imperialismo e dos banqueiros como João Doria e Ciro Gomes são apenas mais figuras da direita que seguirão a mesma política de Bolsonaro, e talvez até pior, com a única diferença de que manterão um rostinho bonito.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.