• Capa
  • Europa
  • Petrobras eleva o preço da gasolina mais de R$ 7 em 24 estados

Brasileiros encurralados

Petrobras eleva o preço da gasolina mais de R$ 7 em 24 estados

Estatal aumentou preços a distribuidores de combustível, que já repassaram custo a consumidor final

posto (1)

Postos de gasolina pelo país – Reprodução

─ Brasil de Fato ─ O preço médio da gasolina ultrapassou os R$ 7 por litro em 24 dos 27 estados brasileiros. O dado consta da primeira pesquisa de preços de combustíveis divulgada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) com valores apurados após a Petrobras reajustar o custo dos produtos vendidos pela estatal a distribuidores.

A Petrobras aplicou aumento de quase 19% na gasolina e 25% no diesel produzidos em suas refinarias no último dia 11.

A pesquisa de preços mais recente da ANP leva em conta valores apurados em postos de combustíveis entre os dias 13 e 19 de março, ou seja, já após o aumento. De acordo com o levantamento, a gasolina comum só tem preço médio abaixo de R$ 7 no Amapá (R$ 6,279), no Rio Grande do Sul (R$ 6,975) e em São Paulo (R$ 6,867).

Em todos os outros estados, além do Distrito Federal, esse tipo de combustível já tem preço médio acima dos R$ 7. Na pesquisa anterior, realizada com dados apurados entre 6 e 12 de março, só quatro estados tinham gasolina com esse valor: Bahia, Piauí, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

De acordo com a ANP, o preço médio nacional da gasolina comum subiu de R$ 6,683 para R$ 7,267 por litro da semana antes do aumento da Petrobras para a semana após o reajuste. A diferença é de 8,7%.

Dos 27 estados brasileiros, só na Bahia o preço da gasolina caiu neste período. Lá, 95% dos postos revendem combustível distribuído pela Acelen, que comprou a antiga Refinaria Landulpho Alves (Rlam) da Petrobras.

Na pesquisa anterior, a Bahia aparecia com a gasolina mais cara do país. No entanto, o preço do combustível no estado baixou já que a Acelen enfim passou respeitar um decreto estadual de novembro e congelou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre suas vendas.

O Piauí tem hoje a gasolina mais cara do país: média de R$ 7,992 por litro.

Diesel a R$ 6

A última pesquisa da ANP aponta também que o preço médio do diesel S500, mais poluente e mais barato, ultrapassou os R$ 6 por litro em 26 dos 27 estados brasileiros. Só no Amapá, o combustível custa menos de R$ 6, na média: R$ 5,995 por litro.

Na pesquisa passada da ANP, em 20 estados, o preço médio do combustível custava menos do que R$ 6 por litro.

O Acre tem o diesel mais caro do país: média de R$ 7,592 por litro.

Na semana passada, a Bahia liderava o ranking, mas o custo do diesel também caiu no estado após adequação da Acelen ao decreto baiano.

O preço médio nacional do diesel está hoje em R$ 6,654. Ele é 14,4% maior do que o valor apurado na pesquisa da semana anterior, R$ 5,814.

Botijão a R$ 100

A Petrobras também reajustou o gás de cozinha no último dia 11. Após o aumento, não há mais estados brasileiros onde o preço médio do botijão de 13kg seja menor que R$ 100.

Na pesquisa passada, seis estados ainda tinham botijão a menos de R$ 100.

Já naquela pesquisa, o preço médio nacional do botijão era de R$ 102,42. Na pesquisa mais recente, o valor subiu para R$ 112,54 –aumento de 9,8%.

Rondônia tem botijão mais caro do país: preço médio de R$ 131,72.

Efeito guerra

Segundo a Petrobras, o aumento nos combustíveis e no gás foi necessário por conta dos impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia no preço do petróleo no mercado internacional.

“Apesar da disparada dos preços do petróleo e seus derivados em todo o mundo, nas últimas semanas, como decorrência da guerra entre Rússia e Ucrânia, a Petrobras decidiu não repassar a volatilidade do mercado de imediato”, informou a empresa. “Após serem observados preços em patamares consistentemente elevados, tornou-se necessário que a Petrobras promova ajustes nos seus preços de venda”, disse a empresa.

O conflito na Europa começou no dia 24 de fevereiro, com uma operação militar russa em território ucraniano. Naquele dia, o barril de petróleo tipo Brent custava cerca de 90 dólares. Desde então, ele chegou a subir a 130 dólares. Hoje, está na casa dos 116 dólares.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.