Menu da Rede

teatro municipal de são paulo 460468993

Escolha de OS para gerir Theatro Municipal pode ter sido ilegal

  • Capa
  • Política
  • Graças a Doria, atletas terão que pagar para trabalhar

Ataque aos esportistas

Graças a Doria, atletas terão que pagar para trabalhar

Governo Doria excluirá centenas de atletas ao taxar treinos no Ibirapuera

Mais de 6 mil atletas treinam no Parque do Ibirapuera – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

O Parque do Ibirapuera, um patrimônio do povo brasileiro, um dos locais mais visitados e fotografados da América Latina, administrado pelo Departamento de Parques e Áreas Verdes do Município de São Paulo, cometerá mais um absurdo típico da administração João Doria (PSDB): a cobrança de taxa para que professores e treinadores esportivos façam o seu trabalho com atletas. A cobrança, uma antipolítica de desestímulo ao esporte, será destinada à empresa Urbia Parques, que ganhou a concessão do espaço e ainda não estabeleceu o valor e como será feita a cobrança. O Parque, que tem 158 hectares, voltou a registrar um movimento intenso após a sua reabertura.

A empresa concessionária usa de várias desculpas para que só ela explore o local, que deveria ser totalmente público, mas o entreguista Doria está vendendo toda a cidade de São Paulo.

A Associação dos Treinadores de Corrida do Estado de São Paulo (ATC) se reunirá com a empresa para discutir os valores para ela poder utilizar o local. A associação informa que cerca de 6 mil pessoas correm no local regularmente com um adequada assessoria de professores e técnicos. A empresa parasita, que acha que essas atividades não têm custo, quer barrar a utilização gratuita desse espaço.

“Tem grupos que utilizam o Ibira para prática esportiva remunerada. Isso precisa ser reequacionado. Você pode ir correr com seu personal sem pagar nada, ou um dia levar sua turma de yoga para usar o parque. Mas se dá aula toda sexta-feira, às 18 horas, em um mesmo espaço específico, que precisa ser desocupado, esse professor usa o Ibirapuera comercialmente. A gente está falando de empresas que utilizam o parque como sede dos seus negócios”, explicou o diretor da concessionária Urbia Parques, Samuel Lloyd.

A empresa justifica ainda que a empresa necessita de receita para manter a estrutura necessária do parque. Segundo Lloyd, “tem atividades que colocam cones para marcação, fazem cercamento dessas áreas, mobilizam bancos como ponto de apoio. Os frequentadores deixam de usar bancos, marquises, pontos de encontro, por causa das atividades. Além disso, há disputa por pontos entre assessorias. Então o arrecadado vai ajudar a pagar o profissional que vai ajudar a controlar o uso dessas áreas e evitar possíveis conflitos”.

O presidente da ATC, Alessandra Othechar, disse que a empresa quer cobrar por hora, em torno de R$80,00 e R$150,00, a começar em março de 2022. A empresa nega os valores e já sugeriu também em reunião cobrar R$30,00 por atleta, outro absurdo.

Além dessas cobranças para quem utiliza o parque, a empresa pretende ainda cobrar por serviços essenciais como armários para guardar os objetos pessoais (celular, chave, material esportivo, mochila, etc) e vestiários, deixando de cobrar apenas, por enquanto, pelos sanitários.

Essa é a política de assalto ao patrimônio público: o estado dar manutenção ao patrimônio, vende ou cede uma concessão por uma bagatela, os empresários prometem mil reformas e acessibilidade para população, mas em pouco tempo a exclusão da população carente se consolida. Assim fizeram com os estádios de futebol, nos quais não vemos mais o povo frequentar devido aos valores absurdos dos ingressos. Agora,  nos parques esses empresários cobram taxas e mais taxas a profissionais e técnicos que precisam receber o básico dos seus alunos para que continuem o trabalho de preparação desses atletas. A privatização desses e outros espaços públicos é uma política de extorsão, que acabará expulsando a população de frequentar o seu próprio patrimônio.

É preciso denunciar essa política de assalto e que a população tenha, juntamente com a prefeitura, o total controle e administração desses patrimônios. O poder público deve manter, organizar o uso e estimular a frequência de toda população a esses locais. Privatizá-los é um crime, uma política de exclusão da população. Essa antipolítica do governo Doria só beneficia as concessionárias, as mesmas que na primeira dificuldade financeira correm ao poder público para poder socorrê-las.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.