Menu da Rede

Rui Costa Pimenta desvenda o stalinismo, não perca!

  • Capa
  • Esquerda
  • Por que a esquerda “revolucionária” está em silêncio?

Caso Boulos

Por que a esquerda “revolucionária” está em silêncio?

Esquerda que se diz revolucionária, se cala diante das denúncias contundentes contra Guilherme Boulos

Esquerda ‘revolucionária’ faz que não ouve, não fala e não vê. – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Caiu feito uma bomba a série de matérias que o DCO publicou sobre Guilherme Boulos e sua ligação com o IREE (Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa), de propriedade de seu amigo e ‘padrinho político’, o multimilionário Walfrido Warde. Esse instituto tem em seus quadros três figuras centrais no golpe contra Dilma Rousseff: Sérgio Etchegoyen, general e eminência parda no governo Temer; Raul Jungmann, ministro da Defesa de Temer ligado aos militares, e Leandro Daiello, diretor da Polícia Federal durante as principais violações aos direitos do ex-presidente Lula, como no caso do ‘vazamento’ das imagens do apartamento de Lula para a produção do filme lava-jatista “A Lei é para todos”.

O IREE, é ligado à Global Americans, uma think thank dos EUA que por sua vez é ligada ao NED (National Endowment for Democracy), mais comumente conhecido como CIA. Para Guilherme Boulos, é perfeitamente normal trabalhar ali. Na sua opinião o IREE é um instituto ‘plural’. Plural, provavelmente porque lá existem mais do que um golpista. De resto, se limitou a dizer que “não dá palco para maluco dançar” (sic). Querendo dizer com isso que o PCO é formado por pessoas malucas e não valeria a pena comentar.

Métodos bolsonaristas

As reações no meio progressista foram muito reveladoras. Além da tradicional perseguição de Renato Rovái contra o PCO, foi a vez do DCM, na voz de seu proprietário, Kiko Nogueira, sair em defesa de Boulos alegando que seria tudo mentira (apesar de as informações serem públicas). Tratou o tema como sendo a “mamadeira de piroca do PCO”. Durante participação de Guilherme Boulos em sua programação, passou a hostilizar a audiência do chat que insistia que psolista se posicionasse, chegando ao ponto de mandar as pessoas ‘irem tomar naquele lugar’, dentre outras ofensas. O senhor Nogueira esperava que tratar denúncias como loucura seriam suficientes para a falta de argumentação de G. Boulos que, sim, estava e continua devendo explicações.

Aqui cabe uma nota: após as denúncias por nós apresentadas, Kiko Nogueira decidiu cancelar as participações (que sempre foram totalmente voluntárias) do presidente do Partido, o companheiro Rui Costa Pimenta, às sextas-feiras pela manhã no programa do jornalista Leandro Fortes. Lembrando que, ao contrário do dono do DCM, sempre agiu muito corretamente conosco e inclusive foi contra a decisão.

O silêncio eloquente

A não abertura ao debate e o destempero das reações de alguns setores demonstra cabalmente que o PCO tocou em um ponto nevrálgico, verdadeiro, sobre a figura política de Guilherme Boulos. Se a gritaria diz muito sobre o problema, o silêncio também. Não falar, muitas vezes, revela muito de quem se cala diante de certas circunstâncias.

Como a esquerda, que se diz revolucionária, tais como UP, PSTU e PCB se calam diante do fato de Guilherme Boulos estar ligado a um instituto que comporta notórios golpistas e que, por sua vez, está ligada a nada mais nada menos que a CIA (Central Intelligence Agency), ao imperialismo?

Conforme disse o companheiro Rui Costa Pimenta na Análise Política da Semana (27/11). Esses setores estão esperando que a coisa esfrie. Mas, não vai esfriar. Somando-se às denúncias do PCO, novos fatos começam a surgir. Eis que, no Twitter, Isabel Monteiro, a @GringaBrazilien, publica uma pesquisa minuciosa feita por ela demonstrando os financiamentos estrangeiros da campanha de caráter golpista Não Vai Ter Copa, liderado pelo senhor Guilherme Boulos. Dentre os financiadores está a Fundação Ford, conhecida por ser a fachada para financiamentos e atuação da CIA.

O silêncio estrondoso desses que sempre costumam tratar o PCO por seita ou malucos, revela que sentiram o impacto e estão sob o dilema de: 1) defender Guilherme Boulos e se comprometerem com a política que ele vem praticando e 2) criticar Boulos e serem obrigados a romper com ele.

O fato é que com a crise política a polarização está se acirrando, e a nossa atuação, a de uma imprensa revolucionária, tem um papel crucial no aumento da politização cada vez maior de amplos setores da esquerda. Ninguém vai aceitar gritarias de um lado ou silêncios sepulcrais de outro. A situação exige posicionamento. A voz da esquerda comprometida com a verdade tem sido ouvida e, para desespero de alguns, está se fortalecendo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.