Menu da Rede

Brasil tem recorde de endividados em 2021

  • Capa
  • Esquerda
  • O imperialismo quer uma esquerda domesticada

Partido Socialismo e Liberdade

O imperialismo quer uma esquerda domesticada

A criação de uma esquerda identitária e inofensiva, que queime estátuas e faça ações simbólicas, é fundamental para os interesses do imperialismo mundial na América Latina.

O PSOL é um exemplo de partido de esquerda pró-imperialista completamente inofensivo, sem base social e parlamentar – Reprodução

Receba o DCO no Email

O imperialismo mundial, em particular os Estados Unidos, atua na América Latina para impulsionar uma esquerda inofensiva e completamente domesticada, incapaz de representar a menor ameaça para sua dominação política e econômica.

Os partidos nacionalistas são os principais alvos do imperialismo neste momento. No Brasil, o Partido dos Trabalhadores (PT) tem sofrido diversas tentativas de desmantelamento. A Operação Lava Jato, que contou em sua equipe com 13 agentes do FBI ( Federal Bureau of Investigation – polícia federal americana), atacou o PT e prendeu ilegalmente seu principal líder, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Mesmo antes da deflagração da Operação Lava Jato pelo imperialismo, por volta de 2014, dirigentes históricos do PT foram para a cadeia vítimas de fraudes judiciárias e perseguições políticas, conforme aconteceu nos julgamentos do Mensalão. José Dirceu e José Genoíno foram presos sem provas, em processos fraudulentos com base em matérias da imprensa burguesa.

As forças imperialistas lançaram uma ofensiva contra o nacionalismo burguês venezuelano, que se expressa politicamente pelo chavismo. Nas últimas décadas, diversas tentativas aconteceram para dar um golpe de Estado com  apoio de setores pró-imperialistas da burguesia venezuelana e até mesmo se cogitou uma intervenção militar externa. O chavismo, pela sua política nacionalista de defesa da economia nacional e do petróleo, representa um obstáculo para os interesses dos norte-americanos.

Na Nicarágua e na Bolívia, os alvos foram o sandinismo e o Movimento Ao Socialismo (MAS), duas correntes políticas de tipo nacionalista. No Equador, a tendência política de Rafael Correia foi banida do processo eleitoral e o ex-presidente teve de fugir para não ser preso.  Nos três países o alvo fundamental são as forças de tipo nacionalista.

Os governos nacionalistas se apoiam nas massas e, em geral, têm apoio das organizações populares de seus países. Para manter o controle da situação nos marcos do capitalismo, eles são obrigados a fazer concessões e reformas sociais no interesse das massas, assim como defender a economia nacional. Na atual etapa da luta de classes, o imperialismo quer um regime político que seja capaz de implementar uma política neoliberal até as últimas consequências, algo que o nacionalismo burguês é incapaz de fazer nos países atrasados.

A criação de uma esquerda identitária, inofensiva e domesticada, ao estilo do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) no Brasil, é uma necessidade para a manutenção da dominação por parte do imperialismo mundial. Este é o motivo do financiamento de organizações empresariais internacionais – Open Society, Fundação Ford, Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade (RAPS), Fundação Lemann, IREE – a setores da esquerda brasileira e latino-americana. O ex-candidato a vereador pelo PSOL, Wesley Teixeira, recebeu dinheiro de Armínio Fraga, um conhecido operador do mercado financeiro e ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso.

Guilherme Boulos, dirigente do PSOL e líder do MTST, tem relações estreitas com o IREE, que por sua vez está ligado ao Global American e ao The National Endowment for Democracy (NED). Aquele Instituto tem entre seus quadros Leandro Daiello, Sérgio Etchegoyen e Raul Jungmann, todos peças fundamentais na conspiração e execução do golpe de Estado de 2016. Não à toa o PSOL é o partido do identitarismo, uma ideologia burguesa concebida para semear o confusionismo e o divisionismo no movimento popular, particularmente  entre a juventude.

Uma esquerda inofensiva não luta contra a fome a carestia, não defende os direitos trabalhistas, sociais e previdenciários, não defende um programa de reivindicações e não tem lastro nas organizações sindicais e populares. A luta desse tipo de esquerda, por sua incapacidade de mobilizar o povo, é direcionada aos símbolos, como queimar estátuas, fazer ocupações simbólicas na Bolsa de Valores ou entrar com ação no Ministério Público para a retirada de um touro que estava em frente à Bolsa de Valores de São Paulo.

A luta contra o aparelho repressivo do Estado – Polícia Militar, Polícia Civil, sistema penitenciário – não faz parte das preocupações da esquerda impulsionada pelo imperialismo. Ao invés de pedir o fim da PM, que massacra a população negra e pobre nas favelas, a esquerda identitária – que se declara como defensora dos negros – trava um combate contra o “racismo estrutural”. Na questão das mulheres, ao invés de defender a legalização do aborto, emprego e creches, a discussão é sobre representatividade feminina nas empresas e no Estado capitalista, lugar de fala e empreendedorismo.

A criação de uma esquerda domesticada e o desmantelamento dos partidos nacionalistas são dois objetivos centrais do imperialismo debilitado pela crise capitalista em sua ofensiva para reforçar sua dominação sobre os países atrasados da América Latina.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.