Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

3ª fase do golpe

Alckmin a caminho do PSD?

O encontro de Alckmin com Kassab indica a possibilidade real de o político tucano migrar para o PSD. A burguesia articula alternativas políticas e aposta na divisão da esquerda

Encontro realizado em São Paulo – Reprodução

Receba o DCO no Email

Na sexta-feira, 13 de julho, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) se reuniu com o presidente nacional do PSD, o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro (dos governos Dilma e Temer), Gilberto Kassab, ca capital paulista.

O motivo do encontro é a montagem de uma articulação política para lançar uma chapa para a disputa do governo de São Paulo em 2022. Márcio França (PSB) e o ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) estiveram presentes.

Gilberto Kassab divulgou na internet uma foto onde aparecem também o ex-presidente do PSDB e ex-deputado estadual, Pedro Tobias, o secretário municipal de Ricardo Tripoli (PSDB) e do presidente estadual do Partido Verde (PV),  Marcos Belizário.

Alckmin anunciou que pretende sair do PSDB e se filiar a outro partido para disputar as eleições. O encontro indica a possibilidade real de o político tucano migrar para o PSD. Márcio França, que foi vice-governador na chapa de Alckmin por vários anos, é cotado para ser vice novamente. Paulo Skaf, que já foi candidato a governador em outras ocasiões, é cotado para concorrer a uma vaga no Senado Federal e se desfiliar do MDB.

As divisões políticas no interior da burguesia expressam fraturas que são consequências do avanço das crises econômica, política e social. A direita tradicional neoliberal, desgastada em virtude dos duros ataques implementados às condições de vida da população, procura se reciclar politicamente e aparecer com uma nova roupagem, desta vez como “democrática”, “civilizada” e até mesmo como oposição ao presidente fascista Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido). Geraldo Alckmin, um reconhecido repressor e privatizador em São Paulo, tenta se apresentar dessa maneira.

A burguesia aposta também na divisão da esquerda, além de construir suas próprias alternativas políticas. Márcio França é do PSB  e discute alianças com o PDT de Ciro Gomes. Por sua vez, Guilherme Boulos (PSOL) é um recurso para tentar dividir o eleitorado do PT, em especial a juventude e setores da classe média.

Do ponto de vista estritamente eleitoral, a candidatura de Fernando Haddad (PT) é a candidatura da esquerda capaz de derrotar os tucanos em São Paulo. Inclusive, mesmo nas pesquisas de intenção de voto da burguesia, o ex-candidato presidencial – que teve 45 milhões de votos em uma eleição fraudulenta – aparece em primeiro colocado. Naturalmente que a burguesia fará de tudo para impedir que o PT chegue, pela primeira vez na história, ao controle do governo de São Paulo. O controle do aparelho governamental de São Paulo é um pilar do domínio do imperialismo e da burguesia, dos bancos e grandes capitalistas sobre o País. Por isso mesmo, a direita há quase três décadas, apoia os tucanos no comando do Estado e sua política neoliberal e de ataque aos trabalhadores.

A manobra contra o PT, que permitirá que os tucanos continuem no governo estadual por mais quatro anos, é o sentido das candidatura de Márcio França e Guilherme Boulos. Este último, por sua vez, pretende repetir a manobra realizada nas eleições para a prefeitura de São Paulo, quando foi apoiado pela imprensa capitalista com a finalidade de engolir o eleitorado petista e permitir que Bruno Covas (PSDB), por fim, ganhasse as eleições “democraticamente”. O ganho que Boulos teve foi sua projeção pessoal em âmbito nacional como uma “liderança da esquerda”, uma espécie de “nova esquerda”, o que demonstra seu carreirismo político e sua ânsia por conseguir um lugar ao sol no aparelho do Estado capitalista.

O objetivo fundamental da burguesia é impedir o retorno do PT ao governo em todos os níveis, diminuir no curto prazo e extinguir no médio e longo prazos sua influência sobre o regime político. O resultado das eleições municipais de 2020 foi saudado pela burguesia em decorrência da derrota eleitoral deste partido em diversos municípios pelo país.

No âmbito nacional, a prioridade é impedir a vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e impulsionar a vitória da candidatura da “terceira via”. A estruturação dos palanques estaduais entre a burguesia e setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa como PSOL, PDT, PCdoB e Rede tem este objeutvo. A burguesia pretende fraudar as eleições e impedir a expressão da vontade popular, porém isto precisa ser feito com habilidade. A cassação ou outras formas de ataque à candidatura de Lula, precisa ser encoberta com a participação de outros candidatos da esquerda, de maneira passar a impressão de que a eleição foi legítima e democrática.

O atual governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se dedica a organizar sua candidatura para a presidência da República. No âmbito estadual, Alckmin procura se apresentar como uma alternativa da direita “democrática”. Haddad, do ponto de vista eleitoral, é o candidato mais competitivo do PT, que precisa ser impedido de ganhar. Boulos entra na cena para dividir o eleitorado petista, novamente apoiado pela imprensa capitalista, e garantir a vitória de um elemento diretamente ligado à burguesia paulista.

A terceira fase do golpe de Estado, disfarçado de processo eleitoral, está em pleno vapor. Para manutenção dos seus interesses de classe, a burguesia precisa manter o controle sobre o regime político e cultivar sua fachada democrática. Para isso é fundamental dar o golpe contra o povo, porém mascará-lo de eleição.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.