Menu da Rede

Veja quem são os principais candidatos do PCO no Sul do País

Esquerda sem princípios

“Tóxica” é a censura

Orlando Silva do PCdoB defende lei que limita a liberdade de expressão sob o pretexto de combater as "fake news"

As “fake news” como pretexto para a censura das redes – Reprodução

Receba o DCO no Email

O deputado federal pelo PCdoB, Orlando Silva, publicou uma coluna no sítio Vermelho defendendo o projeto de lei 2.630/20, que dispõe sobre a Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet ou simplesmente a chamada Lei de combate às Fake news.

No artigo, intitulado “Internet menos tóxica e mais democrática”, Orlando Silva defende o projeto de lei que fundamentalmente regulariza a censura na internet. Para ele, é preciso conter a ação do que ele chama “grupos organizados que manipulam a opinião pública, com objetivos políticos e econômicos”. Ainda segundo ele, embora as redes sociais sejam um espaço de livre expressão e de exercício de direitos individuais, esses grupos, que ele não especifica exatamente quais seriam, devem ter esses direitos limitados.

“Estamos nos referindo a organizações estruturadas e financiadas para produzir e disseminar mentira, desinformação, discurso de ódio e até conteúdos que atentam contra a saúde pública e as instituições democráticas do Estado.”

A ideia de que haverá uma limitação da ação desses grupos é apenas uma manobra jurídica. Na prática, o que está defende essa lei é a censura. Afinal, cabem algumas perguntas: quem são essas organizações? Quem vai definir o limite do que é mentira e desinformação? O que pode ser considerado “discurso de ódio”? Quem define quais conteúdos atentam contra a saúde e as instituições?

Em última instância, está claro que a resposta a todas esses perguntas são arbitrárias, mas é ainda mais certo que quem vai definir tudo isso será o Estado capitalista, ou seja, as instituições estatais dominadas pelos capitalistas e a direita.

Vamos dar um exemplo bastante factível. Um grupo de esquerda atacar o STF – que segundo a concepção de Orlando Silva e da burguesia seria uma “instituição democrática” – por ter mandado prender Lula deveria ser considerado um atentado contra as instituições democráticas? E defender a extinção do STF?

Logicamente tudo isso pode ser considerado um atentado e pode, inclusive ser considerado um “discurso de ódio”. E mais ainda, se esse atentado e esse discurso partirem de uma organização de esquerda, um partido ou movimento social, essa organiação poderia ser considerada um grupo organizado que “manipula a opinião pública, com objetivos políticos e econômicos”? Claro que sim!

A resposta é positiva nesses dois casos inclusive porque quem vai julgar será o próprio STF, ou, se quisermos generalizar, o Judiciário golpista.

A esquerda cai numa armadilha que está sendo plantada contra ela própria. É a isso que leva uma política sem princípios e oportunista como a do PCdoB e de toda a esquerda que está deixando de defender direitos democráticos básicos – como a liberdade de expressão irrestrita – a pretexto de combater o bolsonarismo e a extrema-direita.

No fundo, Orlando Silva e toda a esquerda que embarcou nessa política sem princípios são inimigos das liberdades democráticas. No próprio artigo do deputado do PCdoB, após tentar explicar que sua defesa da lei de censura na verdade não era uma defesa da censura, acaba entregando sua real concepção: “nenhum direito é absoluto — os mais antigos diriam: a liberdade de um termina quando começa a do outro.”

Eis aqui desnudada a filosofia reacionária que está por trás dessa política. Se um direito não é “absoluto” ele não é efetivamente um direito. A afirmação de que a liberdade termina quando começa a do outro é uma falácia. A liberdade individual só pode ser concebida plenamente. A liberdade do outro só pode existir na medida em que exista a minha liberdade individual.

Por fim, Orlando Silva ainda afirma que o foco da lei são os agentes públicos. Mas o problema não muda essencialmente. O segredo aqui não é regular a expressão dos agentes e órgãos públicos, mas garantir que todos os cidadãos tenham o pleno direito de se expressar. Por exemplo, que não haja um monopólio ditatorial dos meios de comunicação como existem no Brasil.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.