Menu da Rede

45 anos da Festa do Avante!, jornal do PCP

  • Capa
  • Polêmica
  • Identitarismo, política da direita contra Lula e os trabalhadores

Pró-imperialista

Identitarismo, política da direita contra Lula e os trabalhadores

O destaque dado pela burguesia à ideologia identitária é parte da política contra a esquerda e a favor dos golpistas

“Coalizão negra” faz parte da pretensa organizações dos atos – Arquivo

Receba o DCO no Email

Criado nas universidades dos países imperialistas, em particular os Estados Unidos, o identitarismo tem sido impulsionado em todos os países, entre outros objetivos, para servir como uma barreira ao desenvolvimento de uma organização de luta da classe operária e de todos os oprimidos.

No Brasil, o incêndio da estátua de Borba Gato colocou em destaque novamente na imprensa burguesa – pró-imperialista – a chamada “pauta identitária”. Sob a cobertura de que a ação teria sido feita por “ativistas da periferia”, a burguesia, por meio de seus órgãos de imprensa, está fazendo muita propaganda dos identitários.

O objetivo é muito claro. Em meio a uma enorme crise do regime político golpista, com mobilizações de rua levantando reivindicações populares, é preciso desviar o foco da revolta para questões inócuas e até mesmo reacionárias.

No Brasil, a principal figura política que pode se beneficiar dessa mobilização nas ruas é o ex-presidente Lula. De maneira distorcida ou não, Lula é a expressão eleitoral da mobilização que se forma nas ruas do País. As ações identitárias impulsionadas direta e intencionalmente pelo imperialismo logicamente tem como principal alvo, o líder petista.

Uma manobra contra a esquerda nacionalista

O exemplo internacional não deixa dúvidas. Para citar apenas um caso recente, no Equador, Yaku Pérez, apresentado como líder indígena, foi candidato apoiado pelo imperialismo para tirar votos do candidato do nacionalismo, apoiado por Rafael Correia, Andrés Arauz. Pérez ficou em terceiro lugar e ajudou na eleição do candidato pró-imperialista Guillermo Lasso. Além de indígena, durante toda a eleição, Pérez foi também apresentado na imprensa como um “ecossocialista” e “ativista”, ou seja, como uma candidatura esquerdista, usando o identitarismo como cobertura ideológica. A manobra foi bem sucedida e elegeu o candidato golpista.

Mas não é só isso. A manobra imperialista contou com o apoio de parte da esquerda pequeno-burguesa brasileira. Alas do PSOL e a UP, por exemplo, defenderam a candidatura de Pérez. Essa posição não é um simples equívoco. Esses dois partidos são justamente os que no Brasil se colocaram a favor da prisão de Lula e do golpe e que nesse momento são contra a candidatura de Lula. PSOL e UP são os partidos que nesse momento representam o identitarismo, ou seja, são uma esquerda pró-imperialista.

Em mais de uma oportunidade, Lula foi apresentado como “homem branco”. No caso do ex-operário metalúrgico que veio do Nordeste os identitários não se empolgam em defendê-lo. Como toda política demagógica, o identitarismo serve apenas aos interesses políticos daqueles que querem se beneficiar com ela. A demagogia comum da esquerda com o Nordeste não vale se for Lula, já que essa esquerda está preocupada em lançar seus próprios candidatos.

O identitarismo está sendo impulsionado pelo imperialismo contra os partidos nacionalistas que foram derrubados pelos golpes de Estado na década passada e isso também foi visto na Bolívia, na Venezuela ou na Nicarágua.

Identitarismo: “nem esquerda, nem direita”

É comum, também, setores identitários aparecerem em público criticando a esquerda por não “dar espaço para negros e mulheres”. Eis aí outro aspecto reacionário do identitarismo. Não que seja proibido criticar os partidos da esquerda, o problema é que não se trata de mera crítica, mas uma ideia cujo conteúdo político é bem claro. Segundo os identitários, o problema não é a esquerda ou a direita, ou seja, a luta política em defesa dos interesses de todos os explorados. Bastaria que a pessoa fosse negra, mulher, LGBT, indígena etc.

Mas quem defende o direito dos negros, das mulheres, dos indígenas e dos oprimidos em geral? A direita? O PSDB? O bolsonarismo? Trata-se da versão identitária da ideia dos coxinhas de que “não há esquerda, nem direita, mas o certo”.

Se é assim, portanto, não caberia aos negros, mulheres, indígenas e LGBTs serem de esquerda, votarem na esquerda, lutar por um programa de luta, mas defender o interesse individual. Foi a partir dessa ideia, por exemplo, que Wesley Teixeira foi candidato a vereador em Duque de Caxias (RJ) com dinheiro de Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo FHC, e outros representantes dos banqueiros.

Teixeira, que foi candidato pelo PSOL, contou com o apoio de Douglas Belchior, que também foi do PSOL e que agora se apresenta como um dos líderes da recém-criada “Coalizão negra por direitos”, um grupo identitário que vem se colocando como pretenso organizador dos atos contra Bolsonaro. Belchior afirmou na época que “Se fosse um lourinho Zona Sul teria o mesmo tratamento? Seria alvo da mesma desconfiança?”. A típica declaração oportunista para justificar um fato incontestável: negro ou branco, Wesley é um homem de confiança dos banqueiros.

A “coalizão negra por direitos”, assim como o PSOL, a UP e outros partidos adeptos da frente ampla, é frontalmente contra a presença de Lula nas manifestações e, obviamente, contra a candidatura de Lula.

No Rio de Janeiro, os atos são comandados por Wesley Teixeira e em São Paulo, pela “Coalização negra”.

Mais ligações com o imperialismo

A “Coalizão negra por direitos” é ligada a uma ONG fundada pelo imperialismo britânico em plena II Guerra Mundial, a Oxfam, e tem parceria com órgãos empresariais como o Instituto Ethos. Não se trata, portanto, de um movimento popular, mas de um grupo que vem sendo impulsionado por capitalistas, a maioria ligados a grandes monopólios imperialistas.

Não há dúvida que está em jogo uma manobra contra Lula e a esquerda, usando a cobertura ideológica do identitarismo. Politicamente, o PSOL tem aparecido como o partido que agrupa a maior parte desses identitários. Vale lembrar que o PSOL tem um histórico contrário a Lula e a favor do golpe. Os dirigentes do partido foram favoráveis à Lava Jato, alguns foram a favor do golpe e da prisão de Lula.

Como fica claro, por trás do incêndio do Borba Gato tem muito coisa, menos revolta popular.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.