Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

  • Capa
  • Polêmica
  • Boulos, um fiel aliado da direita contra Lula e o PT

A Lula não tem solidariedade

Boulos, um fiel aliado da direita contra Lula e o PT

Boulos se coloca numa situação cada vez mais complicada na sua defesa da frente ampla com a direita

Boulos e Ciro, os frente-amplistas contra Lula – Arquivo DCO.

Receba o DCO no Email

Lula é o político mais popular do Brasil. Quanto a isso, não há dúvida. Depois de tantos ataques, calúnias, mentiras, e até uma prisão, Lula não apenas manteve sua popularidade como em certo medida ampliou-a.

Tanto é assim que, mesmo os inimigos de Lula, querem estar em volta dele. Com exceção de Bolsonaro, que conquista sua base se apresentando como o anti-Lula, os políticos da burguesia evitam bater de frente com o ex-presidente. Na esquerda, essa é a regra.

Não há elemento da esquerda oportunista que não queira se esfregar em Lula na esperança de conseguir mais votos. Mais ainda do que os políticos burgueses, um esquerdista com pretensões eleitorais obrigatoriamente tem que parecer amigo de Lula.

Assim como os políticos burgueses direitistas, aparecer do lado de Lula não significa apoia-lo de verdade. A facada nas costas é uma constante na política.

Ciro Gomes, um típico político burguês de direita, tentou por muito tempo se equilibrar entre aliado e crítico de Lula. Ao mesmo tempo que atacava o PT e o ex-presidente, procurava aparecer como seu aliado. Essa farsa parece ter chegado definitivamente ao fim agora, com a troca de acusações entre Dilma e Lula e Ciro.

Mas Ciro não é o único. Vejamos o caso curioso de Guilherme Boulos. O agora popstar do PSOL ganhou destaque na política por suas posições no mínimo ambíguas sobre o golpe. Ao mesmo tempo em que procurava aparecer um crítico da direita, usava sua coluna na golpista Folha de S. Paulo para atacar o governo Dilma que, em suas palavras, era um governo “indefensável”.

Essa posição não impedia Boulos de aparecer no palanque junto com Dilma e Lula. Para a plateia de esquerdistas, numa manifestação, Boulos era o melhor amigo do PT, para os leitores conservadores de classe média da Folha, Boulos era o crítico sério e ponderado aos petistas.

Essa mesma posição, Guilherme Boulos manteve quando Lula começou a ser perseguido e finalmente acabou presos depois de uma campanha intensa de calúnias. Para a plateia esquerdista, num ato ou no sindicato no ABC Paulista, Boulos era o maior de todos os defensores de Lula; já para a base de classe média do PSOL ou os leitores dos jornais burgueses, lá estava Boulos para dizer que “Lula deveria ter um julgamento justo”. Vejam bem, não que. Lava Jato era uma operação golpista e Lula era vítima de perseguição “julgamento justo”.

Quando Lula esteve preso, Boulos não se preocupou em se movimentar pela liberdade de Lula, se limitava a dizer, corroborando seu agora ex-correligionário Marcelo Freixo, que “Lula livre não unifica”. Boulos e o PSOL não renunciaram da sua candidatura ou colocaram esta candidatura a serviço da luta contra o golpe e pela liberdade de Lula. Corroboraram a eleição fraudulenta, mas para jogar para a plateia de esquerda, o amigão do Lula, fala “boa noite Lula” nos debates.

São muitos outros exemplos que poderíamos colocar aqui. Mas em suma, Boulos só defende Lula quando serve para usar a popularidade do ex-presidente para conseguir votos. Por isso, o PSOL e Boulos se recusam a lançar desde já uma mobilização pela candidatura de Lula. Antes de fazer isso – se é que vão fazer – eles querem garantias eleitorais, querem impor condições, querem usar a popularidade de Lula para barganhar posições eleitorais. Ou seja, a defesa de Lula continua sendo, como sempre foi, uma defesa condicionada da parte de Boulos e do PSOL.

Um “radical” da frente ampla

Essa política ambígua de Boulos não é coincidência, não é algo pontual. Boulos se coloca como um dos principais defensores da frente ampla no campo da esquerda. Poderíamos dizer que Boulos é o setor mais esquerdista da frente ampla: mistura a política capituladora e de conciliação com a direita com um discurso pseudo radical. Enquanto defende a aliança com a direita golpista e senta na mesa com tucanos e empresários, faz ocupação simbólica da Bolsa de Valores.

Nesse sentido, se Ciro é um político de direita que a burguesia infiltrou na esquerda para defender a frente ampla, Boulos é o esquerdista pequeno-burguês típico: para a plateia de esquerda, discurso radical, para a burguesia, discurso conciliador, responsável e moderado.

Mas essa política ambígua serve, em última instância, a direita golpista. A frente ampla é uma política que pretende colocar a esquerda e o movimento a reboque da direita. Boulos está a serviço disso.

Por isso, Boulos defendeu com unhas e dentes a presença da direita nos atos que aconteceram contra Bolsonaro. Defendeu principalmente seu amigo Ciro Gomes, inclusive prestando solidariedade quando este foi vaiado e escorraçado no ato do dia 2 de outubro na Paulista.

Boulos quer a direita golpista nas manifestações, prestou solidariedade a Ciro Gomes, defende a frente ampla, mas Boulos não quer Lula nos atos, nem em pessoa, nem lembrado pelos maniestantes. É bom lembrar que os gritos em favor de Lula eram abafados pelo caminhão de som e que a própria imprensa golpista, ao criticar as vaias contra Ciro, deixou escapar que houve um acordo para que os oradores não falassem de Lula.

A frente ampla é contra Lula, Boulos e Ciro são contra Lula. A diferença é que Ciro escancarou sua hostilidade ao es-presidente e ao PT, já Boulos tenta se manter, com cada vez mais dificuldades, em sua posição ambígua.

A fissura escancarada depois da briga pública nas redes sociais entre Ciro e Lula e Dilma coloca Boulos numa situação complicada. O mesmo Boulos que correu para prestar sua solidariedade a Ciro está bastante sem pressa para defender Lula e Dilma das acusações feitas pelo pedetista. Aliás, Boulos nunca foi solidário a Lula quando Ciro o atacou nas inúmeras vezes anteriores.

A dificuldade de Boulos se posicionar mostra bem o conteúdo de sua política. Ele não é um aliado de Lula, ele é um aliado da frente ampla e, portanto, corre para defender Ciro. Mais absurdo ainda é se considerarmos que uma vaia numa manifestação é muito menos grave do que as frequentes acusações de corrupção feitas por Ciro contra Lula, se colocando como um aliado da direita golpista que prendeu o ex-presidente.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.