Menu da Rede

Acompanhe o Resumo do Dia na COTV

  • Capa
  • Polêmica
  • A despolitização da esquerda pequeno-burguesa no caso Twitter

Uma posição vergonhosa

A despolitização da esquerda pequeno-burguesa no caso Twitter

Esquerda quer dar ao imperialismo ainda mais poder para censurar e controlar a internet

Elon Musk afirmou que Twitter será uma rede sem censura – Arquivo DCO.

Receba o DCO no Email

O episódio da compra do Twitter pelo bilionário Elon Musk por US$44 bilhões, transformando-se em seu sócio majoritário e anunciando que irá fechar o capital da empresa, gerou um mal-estar nos setores dominantes do imperialismo. Esses capitalistas se viram confrontados pelo anúncio de Musk de que vai transformar o Twitter numa rede com total liberdade de expressão.

O acontecimento também revelou novamente a dependência política e emocional da esquerda pequeno-burguesa. Política porque a esquerda é orientada pela burguesia. Emocional porque a essa altura parece que essa esquerda está dominada espiritualmente pelo imperialismo a ponto de tomar decisões que ferem diretamente o seu próprio interesse e que vão contra a própria tradição de luta da esquerda.

O caso em questão é a liberdade de expressão. A esquerda, que lutou sempre contra a censura, que sempre defendeu a liberdade de expressão, agora faz uma frente única com os setores mais reacionários do imperialismo contra as liberdades democráticas.

É nesse espírito que setores da esquerda pequeno-burguesa reagiram com horror à compra do Twitter, apresentando os mesmos argumentos do imperialismo para justificar a sua posição.

A defesa da liberdade de expressão, por exemplo, se transformou, na mente limitada da esquerda pequeno-burguesa, em uma palavra de ordem fascista, da extrema-direita. Segundo essa lógica, de repente, o fascismo se tornou defensor das liberdades democráticas e a esquerda seria a favor da censura.

Elon Musk, um bilionário direitista, afirmou que um dos objetivos de sua compra era fazer do Twitter uma rede sem censura. A extrema-direita, incluindo os bolsonaristas no Brasil, comemorou a operação. Logo, segundo a lógica de uma esquerda com o cérebro dominado pelo imperialismo, deveríamos criticar a compra como sendo algo negativo para a maioria do povo. Será mesmo? Claro que não.

Por trás da aquisição de Musk estão sem dúvida os interesses de um setor dos capitalistas internacionais que estão lutando contra os setores dominantes do imperialismo. Trata-se, sim é claro, de uma disputa no interior da burguesia. Isso, no entanto, não deve ser analisado de maneira simplória.

O nível de despolitização da esquerda pequeno-burguesa a impede de compreender os problemas fundamentais da situação política.

A defesa da liberdade de expressão é nesse momento levantada por setores da extrema-direita por motivos bastante concretos. A política de censura e cancelamento impulsionada pelo imperialismo atinge em primeiro lugar a extrema-direita, que em geral representa setores minoritários dos capitalistas, como é o caso de Donald Trump. Como têm menor influência sobre os monopólios tradicionais dos meios de comunicação, esses setores tomaram espaço nas redes sociais, em primeiro lugar o Twittr. O setor mais poderoso do imperialismo, notando a capacidade de mobilização das redes sociais, partiu para a ofensiva, usando a ideologia identitária como justificativa para a censura. Para se contrapor à política de censura, a extrema-direita passou a defender a liberdade de expressão, uma defesa guiada por interesses específicos, mas que de fato é importante para ela nesse momento. Para isso, a extrema-direita adotou uma política demagógica de defesa das liberdades.

Essa contradição entre diferentes setores dos capitalistas deveria ser encarado pela esquerda como uma dádiva. Se não houvesse tais contradições, a esquerda há muito tempo já estaria completamente banida da internet. É justamente a luta entre esses setores dos capitalistas o que permite que o imperialismo não tenha força para fechar totalmente as redes sociais.

Mas a esquerda, dominada espiritualmente pela direita pró-imperialista, ficou horrorizada diante da compra de Elon Musk. Um artigo da revista Fórum, por exemplo, diz que o Twitter “deve se tornar paraíso de extremistas”. É vergonhoso o nível de despolitização. O que seria “extremista” para a Fórum? A palavra é usada pelo imperialismo de modo a colocar esquerda e extrema-direita no mesmo baleio, é a “terceira via” internacional, “nada de polarização, nada de extremismos”. Mas o que a Fórum quer dizer é que o Twitter ficará cheio de pessoas de extrema-direita. Mas qual a lógica disso? Se for porque Elon Musk é um bilionário golpista isso não é grande diferença com os danos anteriores, se for porque haverá mais liberdade de expressão a ideia da Fórum é ainda mais absurda, pois considera que a extrema-direita é a verdadeira defensora desse direito.

Tal ideia só pode vir da cabeça de pessoas muito despolitizadas e totalmente dominadas pela ideologia imperialista.

O jornal Brasil de Fato segue a mesma linha da Fórum, explicando que a operação de compra do Twitter por Musk é ruim, pois irá ajudar a extrema-direita. Essa, no entanto, é uma maneira muito limitada de ver o problema. Logicamente que a operação visa a beneficiar os setores da extrema-direita e minoritários dos capitalistas, mas como dissemos, se Musk cumprir mesmo que em partes a sua promessa de liberalizar o Twitter, a esquerda só tende a ganhar com isso.

Em seu jornal na internet, o Esquerda Diário, o grupo MRT limita-se a afirmar o óbvio: Musk é um “burguês reacionário que já apoiou o golpe de estado na Bolívia”.

Até aí, a maioria esmagadora da burguesia internacional apoio o golpe na Bolívia, no Brasil, na Ucrânia e poderíamos citar centenas aqui. Mas acusar alguém de burguês e reacionário não basta para analisar o que está acontecendo na política. Novamente, nos deparamos com uma posição despolitizada do problema.

Essa posição da esquerda pequeno-burguesa a leva a uma aliança informal com o setor mais importante do imperialismo e justamente por ser o mais poderoso é o mais perigoso para os trabalhadores. A esquerda, ao invés de aplaudir as contradições da burguesia, quer dar mais poder ainda ao imperialismo para censurar e controlar a internet.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.